quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Histórias moralistas em imagens do sec XVIII

olá,
estou começando a compor uma nova história localizada no meio do século XIX, mas os meandros das pesquisas sempre me levam por caminhos inesperados. 
Quando acho algo interessante, paro e analiso. Meus personagens podem ter algo a ver com isso? Podem ter sido influenciados? Podem vir a ser?
Related image
the golf club
Assim cheguei às histórias contadas em imagens do século XVIII criadas por William Hogarth. Estou encantada!

É uma nova visão para mim que custo a achar o submundo. Só queremos ver o lado lindo e colorido e romântico, mas gosto de saber os limites para ter ideia de onde pisar...

Related image
picmoonco
Pisar no molhado, não quero. Molha a barra do vestido...

Ele era um pintor que como todos na época fazia de um tudo na arte, inclusive litografias. Com a 'ameaça vinda do continente' pré Guerras Napoleônicas, ele teve a ideia de criar pinturas e gravuras modernas (na época) com temas morais para se igualar aos escritores dramáticos que faziam sucesso. 'Minha imagem era meu palco.' Wiki diz que ele disse. Seria diferente, ao invés de usar palavras, usaria imagens para avisar e aconselhar, mostrar o futuro de quem não tivesse cuidado.

mas precisa de legenda para entender

Já tinha visto a imagem 'Beer street and Gin Lane' algumas vezes sem me tocar que ele havia feito séries, sabia que Gin Lane era um solo e diante de tantos detalhes, fiquei meio perdida. 
Era assim mesmo, ele contava histórias e não mostrava momentos. 
Em tom satírico, enfiando detalhes e conjecturas, influências estéticas de várias escolas e até de obras famosas para atrair o inconsciente do consumidor.

percebe a diferença?

Agora eu me deparei com a série 'Marriage à la mode' ou 'Casamento da moda, do momento atual' e fiquei horas analisando cada cantinho, tentando achar a evolução dos personagens de um quadro para o outro. Tive bastante dificuldade. Daí fui procurar e boom! 
É tão rico que resolvi dividir aqui no blog.

Era época da disseminação da venda de prints em massa, um avanço em relação à produção de um único quadro que o artista levava meses trabalhando. Uma litografia poderia ser reproduzida inúmeras vezes vendida em vitrines e livrarias, estar ao alcance de muitos.
Houve até uma lei feita para ele e por sua reclamação com o Parlamento por conta de Pirataria. Mas muito tempo depois o problema ainda persistia - ora, persiste até hoje! - porque Dickens também ficou fulo com isso. Mas deixemos Dickens para outro post.

Agora posto uma compilação da análise de cada série, existem muitas on line. Como sempre, no final do post, existem os links de onde pesquisei.
Note que não é minha visão moral, mas do artista na criação da obra, ou seja, 1730 a 1750, mais ou menos.

Marriage à la mode
Casamento da moda

O tema é a uma pesada sátira sobre casamentos arranjados. 
Em cada peça, ele mostra o jovem casal e sua família e conhecidos em seu pior: envolvendo-se em assuntos, bebidas, jogos de azar e muitos outros vícios. 
Essa é considerada a melhor obra do artista, a melhor série de histórias planejadas em série.
Cena 1: O Acordo de Casamento
Esta cena mostra a conclusão de negociações entre o Conde de Squander* (sentado à direita) e um homem (sentado no centro) para o casamento de seus filhos. 
O homem, um comerciante rico, deseja uma posição social mais alta para sua família e, portanto, está comprando seu caminho para a aristocracia, enquanto Squander precisa de dinheiro para financiar seu estilo de vida excessivamente extravagante.
Enquanto isso, seus filhos estão mostrando suprema indiferença ou miséria no processo. 
O filho, o visconde Squanderfield, que não olha para sua bela e jovem noiva e sim para sua imgem no espelho,
está vestido com as últimas modas de Paris, após seu recente retorno do continente. A mancha preta no pescoço indica que ele tem sífilis. A filha do comerciante está inconsolável, mas está sendo convencida pelo advogado Silvertongue* enquanto pole o anel. 
O fato de que o casal vai se unir em um casamento sem correspondência e sem amor é esclarecido pelos cães acorrentados.
A nova mansão em obras tem que ser usada para negociar o pagamento de novas construções na mesa central. 
O conde orgulhosamente aponta para uma foto de sua árvore genealógica, desde Guilherme, o Conquistador.  Até mesmo os rostos nas paredes parecem ter dúvidas. 
*'squander' significa desperdício
'silvertongue' significa lingua de prata
Cena 2: Vista íntima
A cena é ambientada em uma casa de estilo palladiano no West End de Londres. 
O relógio na parede, à direita, mostra que já passava do meio-dia, mas o visconde acabou de voltar de uma noite na cidade e está afundado em uma carne, entediado e exausto. Um cão fareja roupa de mulher no bolso dele. 
Sua esposa também ficou acordada a noite toda, ostensivamente jogando cartas. 
No entanto, o marido e a esposa estão em condições de se comportar de maneira sexual e têm maior probabilidade de serem sexualmente ativos. 
Ela parece estar sinalizando para alguém fora de vista com um espelho de bolso. Isso e a cadeira caída indicam que o amante teve que sair rapidamente, talvez perturbado durante o ato de amor pela chegada do marido.
Vemos sinais de que o casamento já começou a falhar, marido e  esposa são desinteressados ​​um pelo outro, em meio à evidência de suas excessivas indulgências na noite anterior. 
Uma espada quebrada aos pés do visconde mostra que ele esteve em uma briga. A postura aberta da esposa também indica infidelidade. 
A desordem dos cabelos, vestimentas, da sala e o empregado segurando uma pilha de contas não pagas mostra que os assuntos da casa são uma bagunça.
Cena 3: A Inspeção
Essa cena acontece em uma visita ao consultório de um médico, provavelmente charlatão. 
O visconde Squanderfield se inclina em direção ao médico segurando uma caixinha de comprimidos em uma mão e brandindo uma bengala com a outra. 
As pílulas de mercúrio prescritas fazem pouco efeito nos sintomas da sífilis. O médico e a mulher estão zangados pois o visconde pede reembolso. 
O crânio na mesa mostra o destino de todos na sala, inclusive a jovem à direita que passa o lenço em uma ferida na boca, um sintoma precoce da doença. Dada a relação entre a garota e o visconde, podemos supor que ela é uma prostituta de baixa renda atualmente em seu pagamento.
 Mas, segundo a análise da curadora da exposição da National Gallery, a interpretação é muito diferente: o visconde trouxe a criança ao médico porque acredita tê-la infectado com sífilis. A mulher com a faca é a mãe da menina, fingindo raiva para chantagear o visconde. A criança teve a doença quando nasceu, ou porque não foi seu primeiro "protetor" ou porque herdou a doença de seu pai sifilítico, que é o médico charlatão.
*Moira não quer comentar essa cena.*
Cena 4: A toilette
A manhã da condessa no quarto com exibição de coronets e espelho na bancada de pia indicam que o velho conde morreu, então o filho visconce agora é o novo conde e sua esposa é a condessa que recebe convidados em sua levee matinal. 
A condessa senta-se de costas para os convidados, indiferente a eles. 
A condessa está cercada de interesseiros. Ela se apoia na parte de trás de sua cadeira, da qual pendura uma corda de coral, usada por crianças em dentição. 
Seu filho, no entanto, não é visto em parte alguma, sugerindo falta de interesse materno. 
O advogado de Silvertongue reapareceu, descansando em um sofá. Claramente à vontade no quarto da condessa, ele está segurando uma bola na mão. 
As pinturas do Velho Mestre, mostrando cenas de sedução mitológicas e bíblicas, indicam que ela e o advogado estão tendo um caso. Este ponto é sublinhado pela criança na frente do par, apontando para os chifres na estátua de Actaeon, um símbolo de traição. Pinturas no fundo incluem a história bíblica de Ló e suas filhas, Júpiter e Io, e o estupro de Ganimedes. 
O Actaeon e várias outras figuras são vistas marcadas para leilão. Tais pinturas mostram o africano, que se presume ser indomável, adorador de fetiche e caçador, agora moldado em um ícone do estilo da corte.
Cena 5: O Bagnio
Na Inglaterra, o significado original de um bagnio era uma cafeteria que oferecia banhos turcos. No momento em que Hogarth pintou o Casamento A-la-Mode, a palavra acrescentara significado a um lugar onde pudesse ser contratado. Tendo saído do baile de máscaras, (máscaras no chão indicam isso) a condessa e Silvertongue se encontram no bagnio, com seus trajes sendo descartados no calor da paixão. As roupas de cama amarrotadas sugerem que o casal foi pego em flagrante pelo conde. Uma luta de espadas entre o conde e Silvertongue se seguiu. Aqui o conde é visto em um desmaio de morte, uma ferida no peito, enquanto sua esposa chorosa pede perdão. Enquanto isso, Silvertongue tenta escapar pela janela.
Uma foto de uma mulher com um esquilo na mão pendurada atrás da condessa contém tons indecentes. 
Cena 6: O suicídio da Senhora
A cena final acontece na casa do pai da condessa na cidade, perto do Tâmisa. Em contraste com a extravagância aristocrática da cena 1, encontramos uma casa de avareza burguesa. 
A condessa está morrendo de overdose de medicamentos depois de ler sobre a execução de Silvertongue, a enfermeira enlutada segura o filho da condessa em direção a ela para um último abraço. 
Infelizmente, a criança apresenta sinais de sífilis, incluindo o ponto preto revelador e as pernas amarradas em pinças. 
Enquanto isso, o avarento comerciante puxa o anel de ouro da mão de sua filha. 
Hogarth justapõe a tragédia com um momento de pura comédia; o boticário censurando o servilismo idiota à direita, talvez uma tentativa por ele de desviar a responsabilidade por ela ter-se envenenado pela injustiça e viuvez marcada pela pobreza, depois que seu amante é enforcado em Tyburn por assassinar o marido.


A Harlot´s progress
A caminhada de uma rameira
A protagonista pode ser sido batizada em homenagem à heroína de Moll Flanders e Kate Hackabout Gold, notória prostituta e irmã do salteador Francis Hackabout, condenada por manter prisioneiro um magistrado de Westminster, Sir John Gonson.
Esta série de pinturas foi muito popular vendendo uma "edição limitada" de 1.240 conjuntos de seis estampas para assinantes.
Os originais foram destruídas em um incêndio em 1755.

Hogarth-Harlot-1.png
Cena 1- Moll Hackabout chega a Londres
A protagonista, Moll Hackabout, chega no Bell Inn em Cheapside, em Londres. Moll carrega uma tesoura e uma almofada de alfinetes pendurada no braço sugerindo que procura emprego de costureira. Em vez disso, ela está sendo inspecionada por Elizabeth Needham, uma notória dona de bordel com marcas de sífilis, que quer Moll para prostituição. 
O famoso libertino Coronel Francis Charteris e seu cafetão, John Gourlay, observam, também interessados ​​em Moll. Os dois estão na frente de um edifício decadente, simbólico de sua falência moral. Charteris se acaricia em expectativa.
Os londrinos ignoram a cena, e até um clérigo ignora a situação, assim como ignora o fato de seu cavalo derrubar uma pilha de panelas.
Moll parece ter sido enganado pela possibilidade de emprego legítimo. Um ganso na bagagem dela é endereçado a "My lofing cosen in Tems Stret in London": mostrando que tem pouca instrução (deveria ser 'My loving cosin') e propondo que ela tenha sido enganada; 
esse "primo" poderia ser um recrutador pago.
 Moll está vestida de branco, em contraste com aqueles ao seu redor, ilustrando sua inocência e ingenuidade. A bagagem de Moll, igualmente branca, prevê a morte de Moll como resultado de sua credulidade.
O letreiro da pousada, com uma foto de um sino, pode se referir à linda garota - bell=belle. A pilha oscilante de panelas alude à "queda" iminente de Moll. A impotência inevitável que resulta da sífilis, prenunciando o destino específico de Moll.
A composição assemelha-se à de uma Visitação, ou seja, a visita de Maria a Isabel, registrada no Evangelho de Lucas 1: 39-56.
A Harlot's Progress2.JPG
Cena 2- Moll é agora amante de um rico comerciante
Moll é mulher, a amante de um rico comerciante judeu, como é confirmado pelas pinturas do Antigo Testamento ao fundo. 
Ela tem muitas atribuições de vestir e companhia, como mantém um rapaz indiano ocidental e um macaco. O menino e a jovem serva, assim como o macaco, podem ser fornecidos pelo homem de negócios. A presença do criado, do macaco e do mogno da mesa de chá, oferece uma fonte colonial para a riqueza do comerciante. 
Ela tem cosméticos, uma máscara de baile, e decoração com pinturas que ilustram seu estado sexualmente promíscuo e moralmente precário. Ela empurra a mesa para distrair a atenção do comerciante enquanto um segundo amante sai na ponta dos pés.
Hogarth-Harlot-3.png
Cena 3- Moll passou a prostituta comum
Moll passou de mulher mantida para prostituta comum, seu marido agora é velho e sifilítico. Sua cama é seu único grande móvel, e o gato posa para sugerir a nova postura de Moll. 
O chapéu de bruxa e as varetas de bétula na parede sugerem ou magia negra, ou mais importante, que a prostituição é o trabalho do diabo. Seus heróis estão na parede: Macheath da Beggar's Opera e Henry Sacheverell, e duas curas para a sífilis estão acima deles. 
A caixa de perucas do salteador James Dalton (enforcada em 11 de maio de 1730) está guardada em sua cama, sugerindo um namoro romântico com o criminoso. O magistrado Sir John Gonson, com três oficiais de justiça armados, está entrando pela porta à direita de prender Moll por suas atividades. 
Moll está exibindo um novo relógio (talvez um presente de Dalton, talvez roubado de outro amante) e expondo seu seio esquerdo. Gonson, no entanto, está fixo no chapéu e na "vassoura" da bruxa ou na parede pendurada na parede acima da cama de Moll.
A composição satiricamente se assemelha à de uma Anunciação, ou seja, o anúncio do anjo Gabriel à Virgem Maria de que ela conceberia e se tornaria a mãe de Jesus, o Filho de Deus, conforme registrado no Evangelho de Lucas 1: 26-39.
Hogarth-Harlot-4.png
Placa 4- Moll vai à Prisão de Bridewell
Moll bate  cânhamo para os laços de carrasco, enquanto o carcereiro a ameaça e aponta para a tarefa. A esposa do carcereiro se veste de Moll, piscando com o roubo. Os prisioneiros vão da direita para a direita em ordem decrescente de riqueza. Moll está ao lado de um cavalheiro, um jogador cuja carta de jogo extra caiu e que trouxe seu cachorro consigo. Os detentos não estão sendo reformados, apesar da gravura irônica na esquerda acima dos estoques ocupantes, com a frase "Melhor trabalhar que ficar parado de pé". A pessoa que sofre nas ações aparentemente se recusou a trabalhar.
Uma mulher que pode ter síndrome de Down e, finalmente, para uma mulher grávida que é presumivelmente "implorou sua barriga". Um grafite de prisão mostra John Gonson pendurado na forca. A criada sorri enquanto as roupas de Moll são roubadas e talvez seus sapatos.
Hogarth-Harlot-5.png
Cena- 5 Moll morrendo de sífilis
Moll está morrendo de sífilis. O Dr. Richard Rock à esquerda (cabelos pretos) e o Dr. Jean Misaubin à direita (cabelos brancos) discutem sobre seus métodos médicos, o que parece ser uma escolha de sangramento ou cupping. Uma mulher, possivelmente a cafetina de Moll e possivelmente a senhoria, vasculha os pertences de Moll roubando o que ela deseja tirar.
Enquanto isso, a empregada de Moll tenta parar o saque e discutir. O filho de Moll está perto do fogo, possivelmente confuso. Ele está tirando o cabelo ou as pulgas do cabelo. 
A única dica de um dono é uma bolo de Páscoa usado como uma armadilha de moscas, implicando que o seu guardião está pagando por seus últimos dias e dizendo que ela não será poupada como no Velho Testamento. 
Vários opiáceos e "curas" sujam o chão. As roupas de Moll parecem voltar à vida se são fantasmas que a atraem para a vida após a morte.
Hogarth-Harlot-6.png
Cena 6- Funeral de Moll
No final, Moll está morta, e todos os interesseiros estão presentes em seu rastro. Uma nota na tampa do caixão mostra que ela morreu aos 23 anos em 2 de setembro de 1731. O pároco derrama seu conhaque. Uma mulher que colocou drinques no caixão de Moll observa com desaprovação. O filho de Moll brinca sozinho sob o corpo de sua mãe, inocente, incapaz de entender e figurativamente condenado à própria morte)
A cafetina de Moll, bêbada, chora à direita com um horrível jarro sorridente de "nants" (conhaque). Ela é a única que está chateada com o tratamento da menina morta, cujo caixão está sendo usado como uma taverna. Uma garota "de luto" (outra prostituta) rouba o lenço do agente funerário. Outra prostituta mostra seu dedo machucado para sua colega prostituta, enquanto uma mulher ajusta sua aparência em um espelho ao fundo, mesmo que ela mostre uma ferida sifilítica em sua testa. 
A casa onde está o caixão tem um brasão irônico na parede que lembra o "derramamento" do pároco, o fluxo de álcool e a expiração de Moll. O chapéu branco pendurado na parede pelo brasão é o que Moll usava no primeiro prato, referindo-se ao começo de seu fim.



A Rake's progress
A caminhada de um libertino
A série mostra o declínio e queda do perdulário herdeiro de um rico comerciante, que em Londres desperdiça todo o seu dinheiro em vida luxuosa, prostituição e jogos de azar.

William Hogarth 021.jpg
Cena 1
Na primeira pintura, Tom entrou em sua fortuna com a morte de seu pai avarento. Enquanto os servos choram, ele é medido por roupas novas. 
Embora Sarah Young fosse prometida para casar com ele, agora ele rejeita a noiva grávida (ele entrega anel e a mãe dela tem ascartas de amor dele). Ele a indeniza, mas ela ainda o ama, como fica claro na quarta pintura. Evidências da avareza do pai abundam: seu retrato acima da lareira mostra-lhe contando dinheiro; símbolos de hospitalidade (assador de carne) foram trancados no canto superior direito; o brasão mostra três vértices apertados com o lema "Cuidado"; um gato faminto revela o pai mantivera pouca comida na casa, enquanto a falta de cinzas na lareira demonstra que raramente ele gastou dinheiro com o calor de madeira para sua casa. 
A gravura à direita mostra que o pai chegou a emendar os sapatos com um pedaço de couro de uma capa da Bíblia.
William Hogarth 022.jpg
Cena 2
Na segunda pintura, Tom está em sua toilette matinal em Londres, contando com músicos e outros parasitas todos vestidos com ternos caros. 
Cercando Tom da esquerda para a direita: um mestre de música em um cravo, um mestre de esgrima; um instrutor de quarterstaff*; um mestre de dança com um violino; um jardineiro paisagista, um ex-soldado oferecendo-se para ser guarda-costas; para o corneteiro de um clube de caça à raposa. No canto inferior direito está um jockey com um troféu de prata. 
O instrutor do quarterstaff olha com desaprovação em ambos os mestres de esgrima e dança. Os dois mestres parecem estar no estilo "francês", que era um assunto que Hogarth detestava. Na parede, entre pinturas de galos (emblemas de Cockfighting- briga de galo) Há uma pintura do Julgamento de Paris. 
*quarterstaff - luta com mastro
William Hogarth 027.jpg
Cena 3
Retrata uma festa ou orgia em andamento em um bordel. As prostitutas estão roubando o relógio do Tom bêbado. No piso na parte inferior direita é pessoal e um vigia noturno - souvenirs de da 'noite selvagem' de Tom na cidade. 
A cena acontece no Rose Tavern, um famoso bordel em Covent Garden. As prostitutas têm manchas pretas em seus rostos para cobrir feridas sifilíticas. 
William Hogarth 026.jpg
Cena 4
Tom escapa de prisão por dívida por oficiais de justiça Galeses como ele viaja em uma cadeira de sedan para uma festa em St. James Palace para comemorar o Aniversário da rainha Caroline no dia de São Davi (São David é o santo padroeiro do País de Gales). Nesta ocasião, ele é salvo pela intervenção de Sarah Young, a garota que ele havia rejeitado anteriormente; ela é aparentemente uma vendedora de chapelaria. Em alívio cômico, um homem enchendo uma lanterna de rua derrama o óleo na cabeça de Tom. Esta é uma referência maliciosa sobre como se livrar de uma pessoa ao ter óleo na 'bênção' sendo 'poupado' por Sarah, embora libertino, não vai tomar a lição de moral ao coração. 
Na versão litografia, relâmpagos brilham no céu e um jovem batedor de carteira acaba de esvaziar o bolso de Tom. A pintura, no entanto, mostra o jovem ladrão roubando a bengala de Tom e não tem relâmpagos. 
William Hogarth 023.jpg
Cena 5
Tom tenta salvar sua fortuna ao se casar com uma senhora solterona velha rica e feia em St Marylebone. 
No fundo, Sarah chega, segurando seu filho enquanto sua mãe indignada luta com um convidado. Os olhos de Tom já estão nos calcanhares de sua nova esposa deixada durante as núpcias. 
William Hogarth 024.jpg
Cena 6
Tom pede a ajuda do Todo-Poderoso em um antro de jogo no clube White no Soho depois de perder sua readquirida riqueza. Nem os outros jogadores obsessivos parecem ter percebido fogo saindo por trás deles. 
William Hogarth 018.jpg
Cena 7
Tudo está perdido, Tom está encarcerado na notória prisão dos devedores. Ele ignora a angústia tanto de sua raivosa nova esposa e de Sarah, que não pode ajudá-lo neste momento. 
Tanto o menino da cerveja quanto o carcereiro exigem dinheiro dele. 
Tom começa a enlouquecer, como indicado pelo telescópio para observação celeste cutucando fora da janela gradeada (aparente referência ao ano recompensas Longitude Rewards pelo governo britânico) e um experimento de alquimia em segundo plano. 
Ao lado de Tom há uns escritos rejeitados; outro preso está escrevendo um panfleto sobre como resolver a dívida nacional. Acima da cama à direita está um aparelho para asas, que é mais claramente visto na versão gravada à esquerda. 
William Hogarth 019.jpg
Cena 8
Finalmente louco e violento, na oitava pintura ele acaba no Hospital Bethlem (Bedlam), o infame asilo mental de Londres. Apenas Sarah Young está lá para consolá-lo, mas Tom continua a ignorá-la. 

nota do wiki: Embora alguns dos detalhes dessas imagens possam ter perturbado os olhos do século 21, eles eram comuns nos dias de Hogarth. Por exemplo, as mulheres elegantemente vestidas nesta última pintura chegaram ao asilo como uma oportunidade social, para serem entretidas pelas travessuras bizarras dos internos.


É ou não é muito bacana?
até mais,
bj

Pesquisei aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário