quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Corset, espartilho, personal de cintura, mulheres enlaçadas

olá,
Feliz Ano Novo!
Logo de cara, resetando os trabalhos, dei de cara com imagens impactantes!
esquerda: esqueleto feminino deformado (provavelmente) pelo uso de corset
direta: esquema de esqueleto normal
twitter
Olha que situação desse esqueleto tão deformado pela moda.

fashion victim
Related image
Sara Howard do seriado The Alienist tentando respirar
gfycat 

CORSETS
definição básica: 
-sinônimo de feminilidade, 
-forma fisicamente constritiva 
-imposição social rígida 
Related image
e quando ela tira o espartilho... a pele dela está assim
frock flicks
Os espartilhos ou corsets foram praticamente obrigatórios no guarda roupa de pessoas elegantes – homens e mulheres - do século XVI até o início do século XIX. Não só para mulheres de origem aristocrática, as peças também eram adotadas por trabalhadoras; todas queriam estar na moda.
Image result for victorian lady
pinterest
Eram feitos de tecido robusto com inserções de osso ou metal, fixação na frente com ganchos, a parte de trás fechada com atadores ajustáveis. Ilhós de metal para atadura de espartilho foram introduzidos na França em 1828. Esta inovação técnica permitiu que a cintura ficasse bem apertada, às vezes até 17 polegadas – 43cm -, criando a figura de ampulheta da moda popular durante o século XIX.
Eram usados sobre uma camisole para proteger o corset da pele e não o contrário (!!!). Imagine o suor aqui no Rio de Janeiro usando o corpete apertando o tórax sobre camisole e sobre eles camadas de vestidos?... Na Europa, ao menos, a temperatura é mais amena...
Related image
devianart

Gaiolas de costela 
As mulheres eram muitas vezes atadas com tanta força que sua respiração era restrita, levando a desmaios. Os médicos rotularam esses sintomas como clorose ou "doença verde" e anemia. Contagens de sangue foram tomadas e pacientes receberam pílulas para tratar os sintomas.
A compressão dos órgãos abdominais pode causar má digestão e, com o tempo, os músculos das costas podem atrofiar. A longo prazo, o aperto leva a caixa torácica à deformação. 
Durante os anos, muitos médicos escreveram sobre os efeitos negativos de espartilhos. Em 1793, Von Sommerring publicou Uber die Wirkungen der Schnirbruste ("Sobre os efeitos do espartilho") para mostrar que o espartilho apertado constituía um perigo para a saúde ao comprimir as costelas e outros órgãos internos. Outros itens nas coleções da faculdade sobre este assunto são Os efeitos nocivos do exercício insuficiente, posições restritas e permanências apertadas em mulheres jovens (1833), Vestido e saúde: um apelo à antiguidade e bom senso (1896) ou Em distorções voluntárias do figura humana por compressão artificial (1832).
The Lancet publicou uma série de cartas sobre o assunto: "Morte de corset apertado" (14 de junho de 1890), "Efeitos do corset apertado" (16 de janeiro de 1892) e "Civilização e o espartilho" (11 de dezembro de 1909). 
Alguns dos comentários menos científicos notaram que havia sintomas menos graves entre as mulheres casadas, teorizando que...

"o macho, uma vez capturado, 
não era mais necessário encantar seus olhos com a cintura fina ..."
Related image
reddit

As modas mudam e, após a 1ª Guerra Mundial, os novos vestidos introduziram uma forma mais andrógina que exigia diferentes roupas íntimas. Mais tarde artigos no BMJ, "Duas doenças devido à moda em roupas" (23 de maio de 1925), e The Lancet, "Espartilhos e Clorose" (22 de março de 1952), discutem o desaparecimento da clorose ligando-o firmemente com as mudanças de moda as mulheres já não usam espartilhos bem amarrados.

vaidade e vontade de agradar
É degeneração feminina! 
Elas merecem sofrer com gestação e parto pagando por sua estupidez!
Image result for victorian lady
pinterest
Tanta incompreensão!

Elegância também é uma forma de bondage, de atadura.

Tightlacing é a prática de usar um espartilho que foi firmemente atado para moldar o corpo a uma figura desejada. Esta prática está em vigor desde os primeiros anos do espartilho, muitas vezes deplorada por moralistas e objeto de lendas urbanas e contos de advertência em muitos séculos. Pela mesma quantidade de tempo, os médicos falaram contra a prática, citando riscos dramáticos para a saúde do usuário. No entanto, muitas alegações foram baseadas no conhecimento médico incompleto do dia, bem como suposições incorretas e crenças sobre o corpo feminino.
Related image
pinterest
Fiquei curiosa, pesquisei o que os 'Moralistas' diziam: o livro 'Patriots Against Fashion: Clothing and Nationalism in Europe’s Age of Revolutions' de A. Maxwell compara crueldade com animais com crueldade com mulheres. 

E que efeitos reais essa roupa tão apertada tem no corpo?
Related image
wiki
Coração
Não há evidência real de autópsias específicas citadas que apóiem a noção de que o coração é danificado por espartilho. Mas no século XX ligou-se o aumento da pressão arterial quando o tórax está apertado.
Pulmões
Dor ao respirar.
A constrição do espartilho, se muito apertado, impede que pulmões se expandam completamente ao respirar. Antes que o bacilo a tuberculose fosse descoberto, argumentava-se que a pressão extra e trabalho adicional dos pulmões fazia as mulheres mais vulneráveis à doença.
Circulação
Dor nos movimentos constritos
No século XIX, acreditava-se que o uso de corset acarretava palpitações cardíacas no coração e na espanemia, ou a falta de oxigênio no sangue. Essa alegação foi desmentida já que não há evidências para apoiar o dano circulatório causado pelo espartilho. 
Peitos
O uso de espartilho não pode causar câncer de mama, talvez ocorra redução do tamanho dos mamilos. Mulheres Vitorianas acreditavam que o espartilho causava abscessos mamários, uma inflamação comum do tecido conjuntivo na mama; no entanto, a mastite é causada por bactérias e, portanto, não há provas de que roupa de qualquer tipo possa ter levado à condição. 
A mastite é uma inflamação mamária que ocorre com ou sem infecção. A mastite com infecção pode ser lactacional (após o parto, ao amamentar) ou não lactacional (por exemplo, dilatação do duto mamário). A mastite não infecciosa inclui inflamação como por exemplo, reação a um corpo estranho. Abscesso mamário é uma área de infecção localizada com um acúmulo de pus como proteção, podendo ou não estar associado à mastite.
Estômago
Mal estar, má digestão
Os médicos vitorianos acreditavam que, em um espartilho bem amarrado, o estômago seria incapaz de se agitar corretamente, dificultando a digestão completa dos alimentos. Essa condição é chamada de dispepsia, mais comumente conhecida como indigestão. Pode causar constipação e dificultar a ingestão de uma refeição considerável para o usuário. 
Fígado
Os médicos vitorianos acreditavam que o fígado sofria muitas complicações, ficando cortado devido à localização das costelas como resultado do estreitamento, e que o fígado se tornava aumentado ou deslocado. Outra possibilidade era congestão mecânica, o resultado da pressão colocada na veia cava inferior, obstruindo assim o fluxo de sangue. Hoje em dia se acredita que o câncer de fígado é muitas vezes o resultado dessa veia bloqueada pois não é capaz de filtrar o sangue ruim no fígado, resultando em uma infecção cancerosa.
No entanto, os espartilhos não teriam tido um efeito drástico no fígado, meramente espremendo e alongando-o, e pesquisas modernas mostram que grande parte da função hepática pode ser perdida sem causar problemas de saúde. Estudiosos avaliam que a grande variação na aparência do fígado pode ter confundido os anatomistas que realizavam autópsias no passado.
Cólon
O espartilho pode ter ajudado uma dieta pobre em causar constipação que, se grave o suficiente e não tratada, pode eventualmente levar à morte. 
Entende-se então que caso a dieta fosse rica em fibras, o risco seria consideravelmente menor.
Útero
O útero, acreditavam que os médicos vitorianos, sofria mais com a contração, não se desenvolvendo adequadamente devido à inatividade dos músculos abdominais. Outros acreditavam que toda vez que a bexiga ou o reto se esvaziavam, o útero era incapaz de ser içado de volta devido a ligamentos fracos, causando dor na cabeça e nas costas, incapacidade de ficar de pé ou andar e menstruação imprópria.
No entanto, essa linha de pensamento se baseava em muito poucas evidências e na suposição de que o útero era um dos órgãos mais importantes no corpo de uma mulher, e é improvável que o útero realmente sofresse de espartilho. 
Vesícula biliar
Médicos vitorianos acreditavam que havia uma relação entre cálculos biliares e tightlacing, o espartilho causando extrema perda de peso. 
No entanto, os portadores de cálculos biliares mais comuns são mulheres até hoje, e é improvável que o espartilho tenha muito a ver com a doença. 
Músculos
Dor muscular
Usar um espartilho por um período de tempo muito extenso pode resultar em atrofia muscular e dor lombar. Os músculos peitorais também se tornam fracos depois de um aperto estreito. Esses músculos enfraquecidos causam uma dependência maior do espartilho. 

Image result for woman body deformed by corset
strange remains
moldar o corpo para uma forma mais "civilizada" que a natural

Image result for woman body deformed by corset
royal college of surgeons
Curiosamente, vários esqueletos disponíveis para estudo no Musée de l'Homme no Museu Nacional de História Natural de Paris e no Centre for Human Bioarchaeology no Museum of London mostram que as (aquelas) mulheres viveram vidas longas enquanto passavam por essa transformação esquelética forçada pelo uso contínuo do corset (mudar a forma do corpo de uma mulher para a figura de ampulheta deformando as costelas e desalinhando a coluna). A expectativa de vida ao nascer na França e na Inglaterra nessa época, Vitoriana, era entre 25-50 anos, e a idade da morte era entre 50-60 anos para as mulheres, mas as mulheres analisadas atingiram ou excederam sua expectativa de vida. Isso não é indício de qualidade de vida, mas evidências de longo prazo de corsamento, o que confunde a noção que o espartilho era somente prejudicial, a crença médica antiga de que causava morte precoce.

Apertar não é perder, seu corpo não aprende assim

As famosinhas chamam de instrução de cintura, que tal? Waist training. Aprende, tá, fofy. Tem que ser fina, não importa meus chocolates e cervejinhas.
Related image
pinterest
Especialistas modernos – médicos, nutricionistas, esportistas - dizem que realmente não funciona. Duh! A redução de centímetros não existe apertando o corpo. Se você não queimar a gordura alguma área particular do seu corpo, ela vai ficar quietinha lá. Pode empurrar seu estômago para dentro com os pneuzinhos junto, mas toda a gordura voltará para onde estava quando soltar o corset, não importa quanto tempo você usa o espartilho. 

espartilhos x feminismo

Todos os dias, lidando com novos desafios, mulheres continuam descobrindo novas maneiras de adquirir seu poder. A roupa é a casca exterior com a qual nos armamos todos os dias, algumas vezes é imposta por razões sociais, religiosas, culturais. 
O corset foi ‘obrigatório’ por séculos, hoje é... escolha. Moda. Um dia podemos querer nos vestir como princesas extremamente femininas, outras de calça e camisa como um homem, outras de vestidão largo esconde tudo. E tem os dias, benditos, de camisola. 
Antes da 1ª Guerra, qualquer mulher respeitável tinha que usar espartilho em público, era roupa para mulheres de elite, até as mulheres trabalhadoras se esforçavam para usar. A estrutura que define a forma da cintura e prende a liberdade da respiração tornou-se um padrão de vestimenta e a pressão social é o grande problema. 

Figurativamente e fisicamente opressivos. 
Tudo para parecer "apresentável" em público. 

Agora a questão é: 
você se veste para você mesma ou para agradar outras pessoas? 
É uma vítima da moda?
Image result for woman body deformed by corset
gizmodo
bj

para escrever isso, pesquisei aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui. Leia na fonte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário