sábado, 25 de julho de 2020

Hábitos de escritores famosos

Olá!
Feliz dia do escritor!
Desde 1960 a data de 25 de julho é dedicada para comemorar e escrever, mais que merecido, não é?

Este ano eu catei e selecionei hábitos & curiosidades de autores famosos clássicos para nos inspirar, divertir e distrair!
Vamos a eles:

ALEXANDRE DUMAS
Ele dedicava cada momento livre ao seu ofício, escrevia entre recados e refeições. E durante décadas, ele escreveu toda sua ficção em um tom particular de papel azul, poesia em amarelo e artigos em rosa; em uma ocasião, enquanto viajava pela Europa, ficou sem seu precioso papel azul e foi forçado a escrever em um bloco de cor creme, que ele estava convencido de que fez sua ficção sofrer.
>> Fiquei curiosa quanto ao papel no meio do século 19 e fui pesquisar. O método era bem parecido com o que fazemos papel artesanal hoje em dia, mas a fonte de fibra mais comum eram as recicladas de tecidos usados, trapos de cânhamo, linho e algodão catados por catadores de lixo, também bem similar ao que temos hoje em dia. 
Durante a década de 1840, os irmãos Hollingsworth patentearam um processo de branqueamento de uma caldeira de pano e na década de 1850, uma usina em Chatham Four Corners, NY, usando esse processo de clareamento, começou a fazer uma
nova variedade de papéis de palha chamados "manila falsa". Bogus manila foi feito de 20% de palha e 80% de cânhamo ou estopa, com um pouco de algodão para dar textura. A popularidade do falso manila rapidamente pegou, e a caldeira de água sanitária, como foi chamada, logo se tornou um padrão na indústria. 
Enquanto isso, em 1843 começou a produção de papel vindo de fibras de madeira, mas ninguém sabia quão instável era. O papel à base de madeira causou uma grande transformação da economia e da sociedade do século XIX em países industrializados por serem mais baratos; isso significava mais acesso a livros escolares, ficção, não ficção, jornais, cartas e diários. As profissões de notário, escriba e escrivão até ganharam alto status. O lance era que na produção o papel ficava ácido pelo uso de alúmen (falei disso listando corantes em posts anteriores) o que lentamente o transformava em cinzas - por isso, hoje em dia, livros antigos ficam em redomas e são manuseados com luvas. 
Só na 2ª metade do século 20 foi desenvolvido papel livre de ácido, mais barato, à base de madeira.

AGATHA CHRISTIE
É dito que ela tinha o costume de passar horas inspecionando e estudando fotos de crimes comendo maçãs na banheira. Achei bem estranho isso, pensar em tramas de assassinato no banho - comendo! Mas era verdade! No livro 'Agatha Christie Miscellany' tem essa passagem: "Christie disse que pensava melhor enquanto estava deitada na banheira, comendo maçãs e bebendo chá. Ela alegou que as banheiras modernas não eram feitas com os autores em mente, pois eram "muito escorregadios, sem uma borda de madeira agradável para descansar lápis e papel".


CHARLES DICKENS
Dickens tinha uma casa em Broadstairs, um cidadezinha spa perto de Brighton e frequentemente escrevia de lá; essa peculiaridade aparece um um volume da série CUPIDOS em DEVON - na verdade em um spin off UM VISCONDE PARA ME AMAR. Ele, Dickens, gostava muito de tinta azul, mas não por estética ou superstição, ela secava mais rápido que outras cores, permitia que ele escrevesse sua ficção e cartas sem a melecada de borrar.
>> Lá fui eu procurar tinta azul. No maravilhoso 'Receipts and processes' de William B Dick, 1872 - NY, existem várias receitas de tintas, muitas e muito variadas. Pesquei duas de tinta azul:
fluido de escrita azul de Reade
prepare uma solução de iodeto de ferro a partir de iodo, ferro e água e adicione à solução metade do iodo utilizado pela primeira vez. Despeje a mistura em uma solução semi-saturada de ferroprussiato de potássio, contendo quase tanto do sal quanto o peso total de iodo. Colete o precipitado, lave e finalmente dissolva em água, para formar a tinta azul. A solução da qual o precipitado é separado, evaporado até à secura e o resíduo fundido, redissolvido e cristalizado, produz iodeto puro de potassa.
líquido de escrita azul de Mohr
triturar até uma pasta perfeitamente lisa, 6 partes de azul da Prússia puro e 1 parte de ácido oxálico, com um pouco de água. Depois diluir em água suficiente para tornar fluido.

EDGAR ALLAN POE
Ele achava que sua querida gata chamada Catterina era sua guardiã literária que "ronronava como se aprovasse complacente do mundo que continua sob sua supervisão". O campeão da marginália, escreveu seus rascunhos finais em pedaços de papel unidos em um rolo por lacre de cera.

ERNEST HEMINGWAY
Eu visitei a casa dele em Key West e suspirei pelo studio de trabalho enfiado nas árvores, alto e delicioso... Lugar maravilhoso, cheio de gatos! Hemingway tinha várias manias, pelo que descobri. Ele preferia escrever de pé usando uma mesa alta e logo pela manhã. "Quando estou trabalhando em um livro ou uma história, escrevo todas as manhãs logo após a primeira luz do dia. Não há ninguém para incomodar, é fresco e me aqueço enquanto escrevo e sempre sempre paro quando sabe o que vai acontecer a seguir... Sinto que fico tão vazio e, ao mesmo tempo, nunca vazio, mas cheio, como quando fazer amor com alguém que ama. Nada pode me machucar, nada pode acontecer, nada tem importância até o dia seguinte, quando começar novamente. É difícil esperar até o dia seguinte."

JANE AUSTEN
Esse trecho vem do livro 'Uma Memória de Jane Austen' lançado pelo sobrinho dela alguns anos após a morte. Capítulo 10, trecho, tradução livre minha: 'Algumas pessoas supuseram que ela baseava seus personagens em pessoas que conhecia por serem tão realistas que deviam ter vivido e foram transferidos para suas páginas. Mas certamente essa suposição trai a ignorância da alta prerrogativa do gênio em criar, a partir de seus próprios recursos, personagens imaginários, que serão fiéis à natureza e consistentes em si mesmos. Talvez, no entanto, a distinção entre manter-se fiel à natureza e copiar servilmente qualquer amostra dela nem sempre seja claramente compreendida. ... Na verdade, tanto o escritor quanto o pintor, podem usar lineamentos que existem, caso contrário, ele produziria monstros em vez de seres humanos; mas em ambos é o ofício da alta arte moldar esses recursos em novas combinações, colocá-los nas atitudes e transmitir-lhes as expressões que podem servir aos propósitos do artista. ... Os poderes de Jane Austen, qualquer que seja o grau em que ela os possuísse, eram certamente dessa ordem superior como a de Shakespeare. Ela não copiava indivíduos, mas investiu suas próprias criações com individualidade de caráter. ... Seus amigos e parentes nunca reconheceram ninguém nas obras e ela própria, quando questionada sobre o assunto por um amigo, expressou pavor do que chamou de "invasão de propriedades sociais". Ela disse que achava bastante justo notar peculiaridades e fraquezas, mas que era seu desejo criar , para não reproduzir; "além disso", acrescentou, "tenho muito orgulho dos meus senhores para admitir que eram apenas o senhor A. ou o coronel B." Ela não supunha, no entanto, que seus personagens imaginários fossem de uma ordem superior ao que deveriam ser. encontrado na natureza; pois ela disse, ao falar de dois de seus grandes favoritos, Edmund Bertram e Knightley: "Eles estão muito longe de ser o que eu sei que os ingleses são".
Ela certamente teve um interesse parental pelos seres que havia criado e não os dispensou de seus pensamentos quando terminou seu último capítulo. Vimos, em uma de suas cartas, seu afeto pessoal por Darcy e Elizabeth; e ... se perguntada, ela nos contava muitos detalhes sobre a vida subseqüente de algumas pessoas. Assim soubemos que a Srta. Steele nunca conseguiu pegar o doutor; que Kitty Bennet fez bom casamento com um clérigo perto de Pemberley e Mary com um dos funcionários de seu tio Philip; que a "soma considerável" dada pela Sra. Norris a William Price era de uma libra; que o Sr. Woodhouse sobreviveu ao casamento da filha e por 2 anos impediu que ela e o Sr. Knightley mudassem em Donwell; e que as cartas não lidas de Frank Churchill diante de Jane Fairfax continham a palavra "perdão". 
O livro inteiro está em domínio público e no original pode ser achado no Gutenberg.

STEPHEN KING
É moderno, sei, mas Mr. King é muito prolífico, escreve muito e rápido. Achei bacana ouvir o que ele fala nesta entrevista: 'Aqui está a coisa, ok? Existem livros e existem livros. Do jeito que trabalho, tento chegar lá e tento compor seis páginas por dia. Então, com um livro como End of Watch, e ... quando estou trabalhando, trabalho todos os dias - três, quatro horas, e tento ter essas seis páginas bastante acabadas. Portanto, se o manuscrito tiver, digamos, 360 páginas, isso significa basicamente dois meses de trabalho. ... Mas isso pressupõe que tudo corra bem.'
>>Parece fácil e possível, vou tentar!

TRUMAN CAPOTE
Adoro! As histórias dele são muito engraçadas, era muito excêntrico! Ele não começava ou terminava um trabalho em uma sexta-feira, trocava de quarto de hotel se o número de telefone do quarto envolvesse '13' e nunca deixava mais de três pontas de cigarro no cinzeiro, enfiando as extras no bolso do casaco.

VIRGINIA WOOLF
Uma das minhas favoritas, adoro a narrativa e a fluidez dos enredos. Ela usava tintas de cores diferentes em suas canetas - verdes, azuis e roxos- sua favorita, reservada para cartas, diários e rascunhos de manuscritos. Muito opinativa sobre a maneira correta de escrever, assim como sobre a maneira certa de ler, ela passava duas horas e meia todas as manhãs escrevendo em uma mesa de 1,5m de altura e com um tampo angular que lhe permitia olhar para o trabalho de perto e de longe - como Hemingway. Mas a mesa para ficar de pé era menos uma questão prática do que um sintoma de sua rivalidade com sua irmã, Vanessa Bell, que pintava de pé para igualar a dureza da arte. Woolf permaneceu incrivelmente engenhosa - até uma espécie de inventora. Depois que ela mudou de pé para sentada, ela criou uma engenhoca da qual estava muito orgulhosa: para sentar em qualquer poltrona ou cadeira de braços, ela usou um pedaço de madeira fina como uma tábua de escrever, na qual colocou uma bandeja de canetas e tinta para não precisar se levantar e interromper seu fluxo de inspiração, caso ela ficasse sem materiais.

VICTOR HUGO
No outono de 1830, Victor Hugo começou a escrever O Corcunda de Notre Dame contra o prazo aparentemente impossível de fevereiro de 1831. Ele comprou um frasco inteiro de tinta em preparação e praticamente se colocou em prisão domiciliar por meses, inclusive trancou as roupas para evitar qualquer tentação de sair e ficou sem nada para vestir, exceto um grande xale cinza comprado apenas para a ocasião e serviu como seu uniforme por muitos meses. Ele terminou o livro semanas antes do prazo final, usando todo o frasco de tinta. Ele até considerou intitulá-lo O que um frasco de tinta produziu, mas acabou por se contentar com o título menos abstrato.

craft your content

Bacana, não é?
Eu sou totalmente irregular, tem dias que produzo 5 capítulos, tem semana que não escrevo um parágrafo... Preciso me inspirar em King e Victor Hugo. Tenho um hábito parecido com Agatha, corro na praia para pensar e resolver nós no enredo. Nunca tentei escrever de pé, mas posso tentar... 
reedsy blog

Cada um com seu cada um, né?

E meu livro novo, 'DILEMAS EM LEILÃO' já saiu!



bjs
até mais,
M.

pesquisei aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui.

sexta-feira, 24 de julho de 2020

Amarelo, inspiração no século 19

Olá!
Existe um ditado assim: 'O que seria do mau gosto se não fosse o amarelo?' 
Já ouviu? Sempre me faz rir, que petulância desqualificar a cor do sol, da riqueza, da alegria!


AMARELO

Manuais Vitorianos dizem que 'amarelo é a cor mais próxima da luz e mais brilhante, sozinha ou em combinação com outras cores. Via de regra, amarelo vivo deve ser pouco usado em um vestido; dê preferência aos tons ouro, primrose, maize. É especialmente belo em trajes de primavera e início da verão.
Amarelo simboliza inveja e outras paixões malignas, mas o efeito na mente é de alegria, luminosidade, agradabilidade. A cor também é usada para expressar a riqueza outonal e a própria estação em suas matizes de marrons.'
INVEJA!
tinha até me esquecido disso!...


Na cromoterapia, amarelo significa felicidade na vida, está ligado à maneira como nos relacionamos com outras pessoas e é conhecido por ter efeitos positivos sobre os músculos, fortalecendo-os. E cromoterapia vem sendo estudada desde o ano de 1025!
Segundo a milenar medicina ayurvédica, amarelo está ligado ao chacra do plexo solar, cuida de órgãos internos como fígado, estômago e intestinos. Também reduz dor muscular e inflamações.
Mas tem gente que detesta roupa amarela...
E no réveillon, a calcinha amarela traz riqueza para o ano novo, né?
Corset amarelo será que conta também?...
Amarelo é cor da moda desde sempre, possivelmente desde a Idade do Ferro (500-322 aC). Tem tantas fontes quanto o vermelho e azul como já falei, muitas naturais e fáceis como cebola, açafrão, romã. Dois corantes amarelos brilhantes tiveram grande importância comercial na Europa do século 18, ambos com origem no Novo mundo - as Américas: quercitrônio da casca interna do carvalho preto oriental (Quercus velutina), e fústico da amoreira do tintureiro (Maclura tinctoria ). Depois, corantes sintéticos foram descobertos e produzidos em larga escala, como já mencionei em outro post de cores - a anilina amarela começou a ser comercializada em 1864, por exemplo - mas ainda os naturais tinha grande peso. Até hoje é fácil encontrar receitas de passo a passo para tingir em casa usando produtos natureba.

Falando dos antigamentes, na moda rococó do século 18, a popularidade das roupas amarelas estavam intimamente ligadas à influência da China em muitas áreas da vida e da cultura. Lá a cor era ligada à felicidade, glória e sabedoria; também à quinta direção 'o meio'. Sob a influência da corte francesa, os trajes amarelos também eram uma manifestação do estilo de vida porque era então associada ao otimismo e aos prazeres terrenos, chama atenção e por isso é usada para diversão. Ou seria o inverso? 
Da influência da China também veio o tecido 'Nankeen' de algodão simples, amarelado e muito durável. Calças (breeches) de gentlemen eram feitas de nankeen que de tão popular ganhou genéricos: tecido de algodão comum tingido de amarelinho.

Portrait of the Marquise D'Aguirandes, 1759. FH Drouais. Cleveland museum of art 

Durante a Era Vitoriana no século 19, o amarelo era muito popular pela luminosidade. Nas tonalidades variavam principalmente dos tons manteiga, amarelo limão, mostarda, ouro era usado em vestidos diurnos, de noite e trajes para a beira-mar. Revistas de moda e especialistas em cores da época recomendavam restringir o amarelo claro e brilhante à primavera e verão. No entanto, tons de amarelo podiam ser vistos em roupas da moda durante todo o ano, geralmente na forma de luvas, leque decorativo, um guarda-sol com babados ou um chapéu impressionante.
manual Vitoriano 'Color in dress' dita as seguintes possíveis harmonias:
- amarelo com vermelho e preto
- amarelo com escarlate e azul 
- amarelo com escarlate e roxo
- amarelo com escarlate, azul e preto
- amarelo com escarlate, branco e preto
- amarelo com escarlate, verde e azul
- amarelo com escarlate, azul e marrom
- amarelo com roxo/violeta/lilás
- amarelo com azul - mas é uma combinação fria
- amarelo com castanho, marrom ou chocolate
- amarelo com vermelho
- amarelo com escarlate
- amarelo com branco - mas é uma combinação pobre
- amarelo com preto
- amarelo com verde
the attic Jezebel

Historical Sewing me contou que: 
'as ilustrações de moda do século 19 eram pintadas à mão 
pelas leitoras das revistas em suas casas e 
cada uma escolhia as cores que ela gostava. 
É por isso que você verá o mesmo modelo apresentado em cores diferentes.' 
Eu não sabia disso!!



Corantes amarelos
Corantes minerais
Corantes minerais são encontrados na superfície da terra e em minas, para amarelo é a limonita. As rochas são pulverizadas para serem usadas dissolvidas em água ou óleo. Por serem de natureza inorgânica e não degradarem ao longo do tempo, como corantes de plantas ou animais, têm vida longa se forem protegidos.


Corantes vegetais
Corantes vegetais são feitos de folhas, cascas ou raízes de árvores e plantas. Eles eram os mais usados na antiguidade, pois eram os mais fáceis de encontrar e desenvolver. Os corantes mais comuns eram feitos de açafrão. O amarelo é talvez um dos corantes mais fáceis de obter naturalmente de uma variedade de fontes, incluindo casca de cebola, atum, chá frio, ruibarbo, erva-de-São-Marcos (tanaceto, atanásia, Palminha), camomila tintureira e de tintureira verde.
Os principais corantes para tingir de amarelo são a casca de árvores, o fústico (mais permanente) e o quercitrônio (que dá as tonalidades mais bonitas), mas sempre precisam de mordentes. O pano, portanto, antes de ser tingido de amarelo, deve ser imerso em alumina, óxido de estanho, tártaro, sulfato de cal e até mesmo sulfato de ferro. 


On line, hoje em dia conseguimos receitas para tingir em casa os mais diferentes tipos de tecido: lã, seda, algodão e linho. Como as técnicas são simples, são bastante parecidas com as do século 19. Para extrair o corante amarelo das plantas, elas devem ser picadas e colocadas de molho por 24 horas, depois fervidas. Só então as roupas devem ser mergulhadas por várias horas na solução resultante.


Algumas técnicas que consigo ver as criadas fazendo, lá na propriedade do Duque, do Conde e tal:

Açafrão
O açafrão é um gênero da família da íris. A maioria floresce como prenúncio da primavera durante os meses finais do inverno. 
O açafrão amarelo, que é abundante, produz um banho de corante quando as pétalas são fervidas com água.

Alfafa, sementes 
A alfafa, parecida com trevo, é uma leguminosa com um sistema radicular profundo.
As sementes podem ser colhidas fazer criar um banho de corante amarelo quando fervidas em água.


Bardana
As plantas têm folhas verde-escuras que são lanosas por baixo. As rebarbas de sementes dessas plantas capturam a pele de animais e roupas humanas; foi ela que inspirou a criação do velcro!
Essas mesmas rebarbas quando fervidas com água tornam-se um banho de corante amarelo.

Bérberis, casca
Bérberis tem folhagem muitas vezes vermelha escura, mas estão disponíveis variedades de folhas verde-limão. O arbusto tem espinhos que devem ser manuseados com cuidado.
Para obter um corante amarelo, adicione a casca de bérberis em um banho de água fervente.

Cebola
A cebola amarela é saborosa e usada na alimentação de muitas culturas. As cascas são de um amarelo dourado e, quando fervidas em quantidade com água e inseridas em alúmen, produzem um corante amarelo a laranja escuro.

Erva-de-São-Marcos
Erva-de-São-Marcos é uma planta herbácea perene da família aster, conhecido como botões amargos, vaca amarga, artemísia ou botões dourados. Tornou-se uma erva invasora em muitas áreas.
As flores produzirão um banho de corante amarelo quando combinadas com água fervente.

Girassol
O girassol é assim nomeado por sua capacidade de acompanhar o sol no decorrer de um dia. 
Para criar um banho de corante amarelo, use toda a cabeça da flor enquanto estiver fresca. Misture com água fervente para extrair o corante. Não espere até as sementes de girassol secarem.

Louro, folhas 
 O loureiro era muito importante em muitas mitologias antigas que glorificam a árvore como um símbolo de honra. As folhas de louro são usadas frescas ou secas na culinária por seu sabor e fragrância distintos. 
As mesmas folhas podem ser usadas para produzir um banho de corante amarelo com água fervente.

Narciso
Narciso é um bulbo de flores da primavera na família Amaryllis. A tradicional flor de narciso do folclore, da poesia e do campo é amarela a amarela dourada. 
Para produzir um corante amarelo, use as cabeças das flores depois que elas secarem com um mordente de alume em água fervente.

Nogueira, folhas 
As flores de nogueira são pequenos amentilhos verde-amarelo produzidos na primavera. A fruta é uma noz oval envolvida em uma casca de quatro válvulas, que se abre na maturidade.
As folhas produzem um espetáculo amarelo brilhante no outono e, se cozidas em grande quantidade com água salgada, produzem um corante amarelo brilhante.

Pessegueiro, folhas 
Enquanto o fruto do pessegueiro costuma ser o prêmio, são as folhas que produzem um banho de corante amarelo quando fervidas na água.

Salsão
O aipo/salsão é amplamente cultivada para saborear sopas, ensopados e comer crus. As folhas de aipo faziam parte das guirlandas encontradas no túmulo do faraó Tutancâmon (morto em 1323 aC).
Essas mesmas folhas de aipo podem ser fervidas com água para criar um banho de corante amarelo.

Uma rápida pesquisa e você encontrará várias outras fontes e receitas para tingir, como essa mandala bacana aqui. 
E muitas fontes históricas comprovando a popularidade do tom. 
Ainda mais, grande surpresa para mim, foi receber a capa do meu novo livro da SÉRIE CUPIDOS EM DEVON, o volume 3 'DILEMAS EM LEILÃO'. Tão bela capa com o guapíssimo Kin em mangas de camisa admirando um céu... amarelo!

Não foi à toa que enrolei tanto para postar esta cor!
Até a próxima!
M.

Mais estudos dos antigamentes apaixonantes aqui.