& Moira Bianchi: julho 2022

quarta-feira, 27 de julho de 2022

Persuasão: todos os personagens

 olá!

Estive meio sumida e admito a causa: o hate gerado pelo filme de Persuasão do Netflix me afetou.

ign
Juro que não sei a razão da reação tão sanguínea para mais uma adaptação como se fosse MUITO PIOR do que muitas das anteriores. Acho até que cabe um post tentando entender isso...


O fato é que me afetou bastante. Vânia queria gravar um episódio do nosso podcast Sincericídio Literário sobre o filme, eu pedi para fazermos logo e depois preferi me afastar por uns dias.

Continuando com as análises e detalhamento do último romance completo que Jane Austen nos deixou, vamos aos demais personagens.

Você sabe que eu já postei Anne Elliot e Capitão Wentworth antes. (basta clicar nos nomes). Agora te trago todos os outros.

Aviso que vou usar as imagens do filme da Netflix principalmente por praticidade. Falam mal, mas falam pra caramba e as imagens estão super fáceis de achar online. E faço a ressalva que, em toda a obra de Austen, há somente um personagem 'mulato' que é Miss Lambe de Sanditon assim como ela nunca disse que algum era malaio, hindu ou de qualquer outra etnia o que nos leva a entender que eram anglo-saxões como ela (perdão pela falta de intimidade com jargões politicamente corretos neste aspecto). Então, é necessário cuidado ao associar as imagens desses atores aos personagens originais.

Sir Walter Elliot

Pai de Anne Elliot, baronete e proprietário do Kellynch Hall, Sir Walter é uma caricatura da aristocracia e nobreza – um dos poucos que Jane Austen criou em suas obras. 

Extraordinariamente vaidoso, Sir Walter reveste sua casa com espelhos e se deixa ser visto em público apenas com pessoas atraentes ou bem-nascidas. Determinado a manter aparências, Sir Walter gasta generosamente e endivida sua família. Um mau juiz de caráter, ele é facilmente enganado por aqueles que se aproveitam dele. Anne não o perdoa facilmente.

Atuando como um contraponto tanto para o capitão Wentworth quanto para Anne Elliot, Sir Walter tem personalidade abominável nos protagonistas de Austen: é vaidoso, pretensioso e teimoso, egoísta e absorto em si mesmo, e preocupado somente consigo mesmo e de seus próprios desejos imediatos. 

No entanto, Sir Walter não é ruim; em vez disso, ele é comicamente ridículo, uma caricatura da velha classe titulada. Sir Walter permite que Austen zombe da aristocracia. Com o surgimento da indústria na Grã-Bretanha a partir do final do século XVIII, famílias antigas e tituladas foram forçadas a considerar aceitar os novos ricos em seu círculo. Esses magnatas industriais e comerciantes ricos que fizeram fortuna negociando com as colônias tinham grandes quantias de dinheiro e podiam se dar ao luxo de desafiar a importância do nascimento na interação social. O forte apego de Sir Walter a seu ‘pedigree’ parece antiquado no novo século de progresso.

O caráter ridículo de Sir Walter destaca o fato da mudança no modelo de masculinidade. Hoje em dia ele seria um homem metrossexual por sua preocupação excessiva com sua aparência que evita o sol por medo do efeito negativo de sua pele. Em forte contraste está o galante e corajoso oficial da marinha, Capitão Wentworth, com sua vida de aventuras viris sob o sol e sofrendo os estragos do mar, um ideal muito diferente e mais moderno do cavalheiro britânico.

Embora ser forçado a sair de Kellynch é um golpe que desperta Sir Walter para a possibilidade de fazer algo de si mesmo, em vez disso, ele simplesmente remodela sua vaidade para se adequar ao novo cenário de Bath. Anne fica desapontada porque a vaidade de seu pai não parece abalada pela redução de sua situação. 

“Ela pode não se admirar, mas deve suspirar que seu pai não sentisse nenhuma degradação em sua mudança, não visse nada a lamentar nos deveres e dignidade do proprietário de terras residente, encontrasse tanto para ser vaidoso na pequenez de uma cidade.“ (cap 15)

A vaidade de Sir Walter está tão bem ancorada que mesmo arrancá-lo do ambiente grandioso de Kellynch Hall e depositá-lo no luxo de menor escala de uma casa de Bath não a muda. Ao contrastar "vão" com "pequenez", a passagem sugere outro significado de vaidade: inutilidade. A obsessão de Sir Walter com sua posição pode ter significado no país onde, como "proprietário de terra residente", ele tem "deveres e dignidade" para dar propósito à sua posição. Em Bath, no entanto, onde seus únicos "deveres" são se exibir nos lugares certos e fazer amizade com as pessoas certas, sua vaidade parece (para Anne, pelo menos) ainda mais inútil do que no interior.

No final, no entanto, a vaidade de Sir Walter ajuda Anne na medida em que alimenta sua eventual aquiescência ao casamento dela com Wentworth. 

“Quando viu mais do capitão Wentworth, viu-o repetidamente à luz do dia e olhou-o bem, ficou muito impressionado com sua figura e sentiu que sua superioridade de aparência não poderia ser injustamente equilibrada com a superioridade de posição dela; e tudo isso, auxiliado por seu nome bem sonoro, permitiu que Sir Walter finalmente preparasse sua pena, com muita graça, para a inserção do casamento no volume de honra.” (cap 24)

Podemos pensar que Sir Walter aprova Wentworth por todas as razões erradas, mas pelo menos ele consegue ver algo bom em seu novo genro. 

abebooks - a venda aqui

Baronetage 

O tradicional dicionário da nobreza ocupa um grande lugar no início do romance porque explica em poucas palavras toda a personalidade de Sir Elliot e a importância da família de Anne.

The Baronetage of England, (ainda publicado hoje sob o título Debrett's Peerage and Baronetage, em homenagem ao seu editor original, John Debrett) é basicamente um livro de referência que cataloga a nobreza britânica.

Os verbetes são grandes e muitos detalhados. O texto era enviado pelo próprio citado e revisado pelo editor. Essa prática era comum tanto para os catálogos da nobreza quanto da landed gentry – como Mr. Darcy e Mr. Knightley. Por exemplo, no filme de 2022, Elizabeth diz a Anne que teve dificuldade de saber o que escrever sobre ela (já que Anne é tão blergh).

Além do Debrett, existem outras opções: 

Complete Baronetage editado por G.E.C. – Volume V 1707-1800

The new Baronetage of England editado por William Miller – 1804

Austen nos diz que o Baronetage é o único livro que Sir Elliot lê e que o verbete Elliot é assim:

“Sir Walter Elliot, de Kellynch Hall, em Somersetshire, era um homem que, para seu próprio divertimento, nunca pegou nenhum livro além do Baronetage. Ali encontrava ocupação para as horas ociosas e consolo para as horas aflitas; lá eram despertadas sua admiração e respeito (...), lá ele poderia ler sua própria história com um interesse que nunca falhava. Esta era a página em que o volume favorito sempre abria:

ELLIOT DE KELLYNCH HALL.

Walter Elliot, nascido em 1 de março de 1760, casado em 15 de julho de 1784 com Elizabeth, filha de James Stevenson, Esq of South Park, na região de Gloucester, e com esta lady (falecida em 1800) ele teve filhos: Elizabeth1 de junho de 1785; Anne, nascida em 9 de agosto de 1787; um filho natimorto, 5 de novembro de 1789; Mary, nascida em 20 de novembro de 1791."  (cap 1)

Compare com os originais e veja que Austen fez uma grande edição para contar somente o que era interessante para sua história – provavelmente este era somente o primeiro parágrafo do verbete.

William Walter Elliot, Esq.

O Sr. Elliot é primo e herdeiro do Sir Walter já que ele não pode deixar título e bens para filhas mulheres. Homem esperto adequa a quaisquer que sejam suas circunstâncias e desejos. Quando, em seus primeiros dias, ele quer dinheiro, ele consegue se juntar aos Elliots e encontrar uma esposa rica. Mais tarde, quando ele decide que quer posição social, além de dinheiro, ele conserta com sucesso as pontes quebradas com seus primos. Ao interpretar de forma convincente o papel de um cavalheiro, ele é tratado como um.

Embora grande parte de seu sucesso se deva a essa adaptabilidade, também pode causar problemas quando as diferentes faces que ele mostra para pessoas diferentes interferem umas nas outras. Um dos sinais de alerta que alimenta as suspeitas de Anne é que ela sabe que o Sr. Elliot pensa que a Sra. Clay é uma alpinista social, e ainda assim em público ele é tão gentil com ela quanto qualquer outra pessoa. O contraste entre o que ele diz a Anne em particular e como ele age em público pode fazer com que ela se pergunte o que ele diz sobre ela quando ela não está por perto.

A mutabilidade do personagem do Sr. Elliot pode tornar difícil dizer o que o motiva a cada momento. Ao perseguir Anne, ele realmente a quer como sua parceira de vida, ou ele está apenas tentando consolidar sua influência na família Elliot? A Sra. Smith, de todas as pessoas, acha que desta vez é pessoal e ele é sincero.

" Ele realmente quer se casar com você. Suas atenções atuais para sua família são muito sinceras: muito do coração." (cap 21)

E, no entanto, parece haver alguns problemas com as garantias da Sra. Smith. Por um lado, ela ouviu fofoca: o Sr. Elliot contou ao Coronel Wallis, que contou à Sra. Wallis, que contou à enfermeira Rooke, que contou à Sra. Smith. E mesmo que a Sra. Smith soubesse exatamente o que ele disse ao coronel Wallis, não há como julgar se ele quis dizer o que disse ou estava apenas dizendo o que ele queria que todos pensassem que ele pretende fazer. Sem mencionar que querer se casar com Anne e realmente amá-la não são a mesma coisa.

Além disso, Anne e sua família são pessoas diferentes. Embora seja uma boa ideia para um potencial pretendente fazer as pazes com os parentes de sua futura noiva, o Sr. Elliot poderia ter outras motivações para estar próximo aos Elliots do que querer se casar com Anne. Na verdade, a sempre informativa Sra. Smith mesma nos diz.

"Em todos os pontos de sangue e conexão, ele é um homem completamente alterado. Tendo há muito tempo tanto dinheiro quanto podia gastar, nada a desejar do lado da avareza ou indulgência, ele gradualmente aprendeu a atribuir sua felicidade às consequências. Ele é ym herdeiro." (cap 21)

É interessante que tenhamos essa informação da Sra. Smith, pois revela que o personagem do Sr. Elliot é o oposto do dela. Enquanto a Sra. Smith consegue ser feliz com o que ela tem (e não é muito), o Sr. Elliot está sempre ansiando pelo que ele não tem. Primeiro foi dinheiro, mas agora que ele tem isso, é o título de Sir William que ele quer. E quem pode dizer que Anne não é um trampolim no caminho para esse objetivo? Como a Sra. Smith bem sabe, não seria a primeira vez que ele explorava outra pessoa para conseguir o que queria. Ou talvez ele realmente queira se casar com Anne por suas próprias atrações, e não como um meio para um fim.

Qualquer que seja a lógica por trás de suas intenções, o final do romance sugere que o esperto pode ser enrolado, e a Sra. Clay é quem consegue capturar a atenção dele.

Elizabeth Elliot

A filha mais velha de Sir Walter e irmã mais velha de Anne, Elizabeth Elliot é a favorita de seu pai. Como ele, ela é vaidosa e preocupada principalmente em manter as aparências e se relacionar com pessoas importantes. 

No final do romance, Elizabeth é a única das filhas de Elliot a permanecer solteira, não havendo ninguém de nascimento adequado para seu gosto.

A posição social que permite esse esnobismo, no entanto, é muito menos estável para Elizabeth do que para Sir Walter. Enquanto a única coisa que poderia derrubar Sir Walter de sua posição é a falência, Elizabeth não tem seu status cimentado até que ela se case com alguém pelo menos no seu nível social – preferencialmente mais imporante. Na verdade, se Sir Walter morresse, o Sr. Elliot se mudaria para Kellynch Hall e Elizabeth ficaria desabrigada.

Com tudo isso em jogo, não é de surpreender que Elizabeth tente casar com o Sr. Elliot. Sua escolha por ele é sugerida pelo comportamento bajulador dela quando confrontada pelos Dalrymples, que estão alguns degraus acima na escada social; diante de alguém que ela reconhece como superior, ela tem que agir como inferior. 

town and country magazine

Mary Elliot Musgrove

A irmã Elliot mais nova, Mary é casada com Charles Musgrove e tem dois filhos pequenos. Ela é tensa, muitas vezes histérica, e sempre ciente dos desrespeitos imaginados que os outros fizeram a ela. Uma mãe bastante desatenta, Mary se concentra na escalada social.

Mary é tão esnobe quanto sua irmã Elizabeth e seu pai Sir Walter, mas ela tem menos oportunidades de mostrar seu esnobismo em público. Enquanto Sir Walter tem pessoas ao seu redor que entendem bem o que significa estar conectado aos Dalrymples, Mary é uma voz solitária de elitismo entre os Musgroves. Quando ela insiste em ter precedência sobre a Sra. Musgrove (o costume dita que as pessoas mais importantes devem entrar primeiro em uma sala, e Mary, como filha de um baronete, supera sua sogra) ou reclama dos Hayters, os Musgrove não se sentem insultados – em vez disso, eles vêem Mary como insistente e excessivamente orgulhosa.

Mary se vê como especial por causa da posição de seu pai e quando os outros a tratam como todo mundo, ela sente que a estão tratando pior do que ela merece. A única que pode distraí-la de sua hipersensibilidade é Anne, sugerindo que Anne pode ser tão persuasiva quanto Lady Russell quando ela se dedica a isso.

radio times

Charles Musgrove

Charles Musgrove Jr. é herdeiro de Uppercross e marido de Mary. Homem relativamente bem-humorado que suporta pacientemente as provações de sua esposa. Ele teria preferido se casar com Anne Elliot a quem pediu em casamento antes de se contentar com a irmã mais nova dela.

Ele não gosta muito de livros ou arte, mas tem bom coração e tenta fazer o que é certo com sua esposa, não importa o quão irritante ela seja. Enquanto Charles teria sido um péssimo partido para Anne, ele poderia ter se saído muito melhor do que Mary; Anne concorda com Lady Russell que "uma união mais equilibrada poderia tê-lo melhorado muito" (cap 6). 

Charles escolheu uma esposa pelo status social da família apesar da incompatibilidade de personalidades, mostrando mais uma vez que nem só posição social é importante.

netflix

Louisa Musgrove

A irmã mais nova de Charles, Louisa, é jovem, talentosa e teimosa. Apaixona-se facilmente e admira excessivamente a Marinha.

Quando a conhecemos pela primeira vez, ela tem “todo o estoque usual de realizações” e é “como milhares de outras jovens” (cap 5). 

À medida que descobrimos mais sobre ela especificamente, e não como metade das Irmãs Musgrove, ela parece ser tudo o que Anne não é: alegre, animada e confiante. Enquanto Anne fica à margem tentando não ser notada, Louisa está feliz em ser o centro das atenções. E é aí que reside o apelo de Louisa para Wentworth, a maneira como seus pontos fortes refletem o que ele considera as fraquezas de Anne, o que é uma pista inicial de quanto Wentworth ainda tem Anne no coração.

O constante elogio de Wentworth a personalidades resolutos tem seu efeito em Louisa, persuadindo-a de que perseguir decisivamente o que ela quer é o caminho para o coração dele. Então descobre-se que apesar de Louisa ser influenciada por Wentworth, o que o incomoda é que Anne ouvia Lady Russell e não ele.

O romance deixa bem explícito que a queda de Louisa em Lyme é resultado de sua recusa em ceder à persuasão.

'[Capitão Wentworth] aconselhou-a a não fazer por achar perigoso; mas não, ele argumentou e falou em vão, ela sorriu e disse: "Estou decidida a fazê-lo": ele estendeu as mãos; ela estava adiantada por meio segundo, e caiu na calçada do Lower Cobb já desfalecida!' (cap 12)

O conselho racional de Wentworth se choca com a determinação intencional de Louisa. A recusa dela em ser persuadida por Wentworth, ou mesmo esperar que ele pare de tentar ser persuasivo e realmente esteja pronto para pegá-la, quase a mata, formando uma evidência bastante forte da virtude de estar aberto à persuasão, ou pelo menos de considerar as consequências.

O salto de Louisa do muro em Lyme também tem todo tipo de outras repercussões no romance. Além de iluminar a personalidade de Anne para Wentworth, também o faz perceber que outros estão levando seus flertes a sério e ele pode ter que se casar com Louisa, querendo ou não. 

Mas e o efeito da queda na própria Louisa? Louisa praticamente desaparece da narrativa depois que Anne a deixa inconsciente nos Harvilles – há um fluxo constante de informações sobre sua recuperação, mas ela nunca mais aparece diretamente. Talvez isso signifique que, uma vez que ela não seja mais rival de Anne, ela realmente não importa para a história, ou talvez sua transformação em uma leitora de livros que cita Byron pareça ainda menos convincente se a víssemos em primeira mão. De qualquer forma, a partida de Louisa permite que Wentworth e Anne finalmente se reúnam e tenham seu final feliz há muito adiado.

thewrap

Henrietta Musgrove

Irmã mais nova de Charles e irmã mais velha de Louisa, Henrietta também é jovem e divertida. Embora ela não seja tão decidida quanto Louisa, Henrietta vê os encantos tanto de seu primo Charles Hayter quanto do arrojado capitão Wentworth.

Henrietta vive principalmente à sombra de sua irmã. Sua divagação sobre se deve ficar com Charles Hayter ou abandoná-lo para ir atrás de Wentworth dá à irmã uma desculpa para mostrar sua determinação a Wentworth e ganhar seu favor. 

No final do romance, ela está feliz com sua posição como a futura Sra. Charles Hayter, e não fala de nada além das preocupações que são significativas para ele. Sua falta de qualquer personalidade também lança uma luz fraca sobre como Wentworth estava confuso sobre as mulheres, já que por um tempo flerta com ela tanto quanto com sua irmã.

Sr. e Sra. Musgrove

Os pais de Charles, Henrietta e Louisa, os Musgrove, proporcionaram um lar equilibrado e feliz para seus filhos em Uppercross. Eles são landed gentry, a segunda família em importância na paróquia, atrás apenas para os Elliots. Eles são práticos e querem apenas felicidade para seus filhos.

Charles Musgrove Sr. 

O patriarca do clã Musgrove e atual ocupante da mansão em Uppercross, e contrasta com Sir Walter como figura paterna. Quando suas filhas desejam se casar, ele reclama um pouco sobre quanto dinheiro isso vai custar, mas não tenta impedi-las ou forçá-las a mudar suas escolhas.

Sra. Musgrove 

Principal pessoa que vemos no modo mãe no livro. Ela até derrama lágrimas por seu filho ovelha negra, Dick, e felizmente faz sua casa parecer um jardim de infância durante as férias de Natal, quando ela traz para casa não apenas seus próprios filhos, mas também os filhos de Harville. Enquanto ela sempre coloca suas próprias filhas em primeiro lugar, ela ainda é gentil com todos (exceto talvez às vezes Mary, mas isso dificilmente é culpa da Sra. Musgrove). Ela fornece um exemplo de boa hospitalidade e mostra a Anne um estilo de vida familiar muito diferente do que ela vê em casa com os Elliots.

diario de canoas

Charles Hayter

Primo dos Musgrove (sua mãe é irmã da Sra. Musgrove), a família Hayter, no entanto, está enredada em um círculo social muito inferior por causa de seu "modo de vida inferior, aposentado e grosseiro" (cap 9). Charles Hayter, o filho mais velho, no entanto, escolheu ser um estudioso e um cavalheiro e, consequentemente, tem maneiras refinadas. Ele um dia herdará as terras de sua família e espera cortejar sua prima Henrietta na intenção de casar.

Ele é quem tem mais chances de subir na vida. Sua profissão é a igreja, o que significa que, para progredir, ele depende de conexões influentes para indicá-lo para bons cargos, e a velhice/falecimento dos ocupantes atuais desses cargos. 

Então, o caminho de ascensão social é lento e chato – diretamente oposto ao do Capitão Wentworth, outro jovem que sobe degraus no status. Henrietta logo percebe isso.

O pouco que vemos de Hayter diretamente. Ele é um coadjuvante no triângulo Louisa-Henrietta-Wentworth e quando Anne está sendo importunada por seu sobrinho, Hayter, que lê o jornal, não se incomoda em ajudá-la. 

Embora isso não seja evidência suficiente para fazer uma declaração definitiva de seu personagem, sugere que Hayter não é o mais atencioso dos homens.

insider

Capitão Benwick

Capitão James Benwick é viúvo de noiva. A falecida era irmã do capitão Harville, Fanny, o capitão Benwick. Ele é um homem tímido e um fervoroso leitor de poesia. Quando Anne o conhece, ele está de licença de seu navio e está morando com o Capitão e a Sra. Harville, sente-se deprimido e chora seu amor perdido. 

O capitão Benwick e Anne têm a dor do amor perdido em comum, por isso se identificam em apatia, fadiga, poemas tristes. Mas ela consegue animá-lo de alguma forma. 

Embora a situação de Benwick seja mais extrema do que a de Anne (sua noiva está morta) e mais recente (há alguns meses, em vez de oito anos), ela ainda se vê inferior: como homem, Benwick ter mais oportunidades de mudar suas circunstâncias e conhecer alguém novo.

Ele procura uma jovem para ajudá-lo a superar Fanny, e suas atenções se voltam, surpreendentemente, para Louisa Musgrove em um dos plot twists de Persuasão. E, incrivelmente, ficam noivos antes do primeiro aniversário de falecimento de Fanny. Sua rápida reviravolta em questões de amor surpreende seus amigos, que pensavam que ele nunca superaria a perda. Ele está realmente recuperado ou esse novo romance é uma maneira de lidar com sua dor? Ele estava realmente preocupado com a morte de Fanny, ou ele estava exagerando porque gostou da atenção

Como só ouvimos boatos sobre Benwick após o episódio de Lyme, é difícil dizer com certeza.

Lady Russell

A ex-melhor amiga da falecida mãe de Anne, Lady Russell é uma mulher de boa família e grande riqueza que serve como conselheira da família Elliot. Uma mulher prática, ela está consciente das interações de classe e das finanças. Anne é sua favorita das filhas Elliot e, embora ela tenha boas intenções, às vezes ela dá maus conselhos.

Enquanto Anne generosamente lhe dá o benefício da dúvida ao relembrar o conselho de desistir do capitão Wentworth, Sir Walter é duro quando ela se oferece para ajudá-lo com as finanças. Ainda assim, ela persevera na tentativa de salvar os Elliots deles mesmos.

Lady Russell não se dedica somente a Anne – a única dos Elliots que realmente gosta dela e ouve seus conselhos – e deixa os outros à sua sorte pela sua forte afeição por Anne que lhe dá interesse em garantir que os outros Elliots não estraguem as coisas. Uma segunda razão é seu "valor de posição e consequência, que a cega um pouco para as faltas daqueles que os possuíam" (cap 2). A amizade contínua de Lady Russell com os Elliots é baseada tanto no mérito pessoal (de Anne e da falecida Lady Elliot) quanto na posição social (o título de Sir Walter).

No final do romance, Lady Russell tem que passar por uma reforma mental completa, percebendo que ela estava totalmente errada sobre o Sr. Elliot e o Capitão Wentworth. O fato de ela conseguir fazer isso com bastante facilidade mostra que ela pensa mais na felicidade de Anne do que em estar certa, embora permaneça incerto se o mesmo aconteceu com seus atos anteriores de persuasão.

Almirante e Sra. Croft

O amável casal que aluga Kellynch Hall, para desespero do Sir Walter. O Almirante é um oficial naval condecorado e sua devotada esposa viaja com ele quando está no mar. 

Os Crofts são um dos poucos exemplos de um casal mais velho e feliz em qualquer um dos romances de Austen. Além deles temos os Gardiner em Orgulho e Preconceito e os Weston de Emma, por exemplo. 

Quando a Sra. Croft menciona um incidente do passado, ela se refere a ele como "era Capitão Croft então" (cap 8), permitindo-nos imaginar que o Almirante e a Sra. Croft são o que Wentworth e Anne podem se tornar.

Sofia Croft

A Sra. Croft é esperta (o Sr. Shepherd diz que ela é melhor negociadora do que o marido), confiante e não aceita insolência de ninguém, muito menos de seu irmão -  o Capitão Wentworth. Quando ele tenta argumentar que as mulheres são flores frágeis que devem ser poupadas de sofrer a dureza da vida a bordo, ela responde que as mulheres são "criaturas racionais" e que "nenhuma de nós espera estar em águas calmas todos os nossos dias" ( cap 8). 

Sua atitude sensata dá a Anne um modelo alternativo de feminilidade adulta ao que ela vê em mulheres como Lady Russell e Sra. Musgrove.

Almirante

O almirante Croft é um exemplo de bom homem tornado melhor por uma grande esposa. Anne vê na maneira como andam de carruagem um símbolo de seu relacionamento: o Almirante tem as rédeas, mas é a Sra. Croft que os impede de bater. 

Sra. Clay

Penélope Clay é filha do Sr. Shepard (conselheiro da família de Sir Walter), e amiga de Elizabeth Elliot. Embora seja de origem muito inferior, sardenta e não muito atraente, a Sra. Clay é uma viúva bem-educada. Ela tem olho para coisas boas. 

Sua associação com os Elliots permite que ela viva em um estilo muito mais grandioso do que ela mesma pode pagar, e tudo o que lhe custa é bajulação. Há também o bônus adicional de estar em uma posição privilegiada para se tornar a próxima Lady Elliot. Isso incomoda Anne que vê perigo na maneira como ela se torna querida por Sir Walter e suspeita que ela possa tentar se casar em uma classe muito superior à sua.

Nesta personagem Austen nos mostra as dificuldades de sobrevivência feminina. Tal qual Lady Susan, a Sra. Clay está tentando conquistar uma vida melhor para si mesma, da única maneira que pode – casamento. 

diario de canoas

Sra. Smith

Amiga de infância de Anne Elliot, que atualmente vive em Bath, a Sra. Smith passou por tempos difíceis. Viúva de um homem endividado que a deixou  sem nada, ela ainda sofre por uma doença. Faladeira e com um gosto pela fofoca, Sra. Smith reacende sua antiga amizade com Anne e fornece a ela informações sobre o Sr. Elliot. 

Na história, a Sra. Smith tem a função de destacar o alto valor do caráter de Anne na maneira como ela lida com amizades, quão pouco valoriza status.

Apesar de todo seu azar, a Sra. Smith ela ainda consegue ser alegre. Anne diz que é simplesmente a natureza da Sra. Smith ser feliz: "aqui estava aquela adaptabilidade da mente, aquela disposição para ser consolada, aquele poder de mudar prontamente do mal para o bem, e de encontrar uma distração que a leve para cima, que era apenas da natureza" (cap 17) 

O que a Sra. Smith tem, no entanto, é informação e experiência. Enquanto Anne está disposta a pensar o melhor das pessoas, a Sra. Smith sabe como as pessoas podem ser más. Mas ela não compartilha suas informações sobre o Sr. Elliot, no entanto, até que quase não importa mais porque acha que Anne realmente vai se casar com ele. Ela acredita que não faria diferença no acordo de casamento, tenta respeitar o suposto noivado não falando mal do futuro marido para Anne, e achava que o ele trataria Anne melhor do que sua primeira esposa. 

Talvez algumas ou todas essas razões sejam verdadeiras, embora também seja possível que a Sra. Smith estivesse esperando que ela pudesse chegar ao Sr. Elliot através de Anne e forçá-lo a restaurar sua fortuna perdida. Eventualmente, no entanto, ela coloca sua amizade em primeiro lugar e ainda acaba recuperando sua fortuna através do real marido de Anne - o capitão Wentworth.

Viúva Viscondessa Dalrymple e Miss Carteret

A viscondessa viúva Dalrymple, apesar de seu nome imponente, é um personagem secundário que funciona mais como uma ferramenta para revelar as camadas de outros. Embora sejam desinteressantes e pouco inteligentes, Sir Walter procura seu conhecimento renovado por causa de sua alta posição social.

Não vemos muito de Lady Dalrymple no livro – seu principal objetivo é destacar como o esnobismo de Sir Walter e Elizabeth se transforma em bajulação quando eles se deparam com alguém que os supera. Ao contrário, também mostra o quão pouco Anne se importa com a status social quando ela recusa um convite de última hora dos Dalrymples para manter um encontro com a Sra. Smith. Note também a conversa sobre "boa companhia" (cap 16) e se a posição é relevante (Anne diz que não, Lady Russell e o Sr. Elliot diz que sim).

Você também deve ter notado que Lady Dalrymple tem um sobrenome diferente de sua filha: isso porque Dalrymple é o nome que acompanha o título (então, se ela não tivesse filhos e seu primo Jones herdasse o título, ele ainda seria o Visconde Dalrymple). Carteret, no entanto, é o nome real da família. Provavelmente, o Visconde falecido herdou o título depois do nascimento da filha ou ela seria Lady.

Então seus nomes mostram que ela está acima dos Elliots, ou qualquer outra pessoa mencionada no romance, e também que sua posição depende dos homens com quem ela está relacionada.

Capitão Harville e Sra. Harville

Harville é um dos amigos mais próximos do Capitão Wentworth. Humilde e sensato, na verdade, é para visitá-lo que todos vão a Lyme Regis. Harville se parece um pouco com a Sra. Smith - ele está com problemas de saúde devido a uma lesão e não é o cara mais rico do quarteirão. Como a Sra. Smith, ele tira o melhor de sua situação através da "utilidade e engenhosidade" (cap 11) de sua mente, mas ao contrário dela, ele tem uma família e seus amigos Wentworth e Capitão Benwick, para fornecer apoio moral.

Quando os Harvilles convidam os Musgroves para jantar sem se preocuparem em como seus pequenos quartos podem não caber a todos, eles mostram como são diferentes dos Elliots, que optam por não convidar os Musgroves para jantar em Bath porque não podem ostentar tanto quanto eles gostariam. Ele e sua esposa acolhem Louisa após seu acidente e cuidam dela por semanas, sem perguntas. A hospitalidade e a gentileza de Harville, apesar de suas limitações, fazem dele um garoto-propaganda da Marinha britânica e de uma boa amizade.

tumblr

fonte: meus arquivos pessoais, study.com, schmoop, reddit, spark notes


O que você acha?

Está gostando desta maratona de Persuasão?

Tenho um monte mais para te contar!

Me fala aqui nos comentários o que você está achando.

Aqui você acha minhas PESQUISAS SOBRE JANE AUSTEN , 

inclusive os outros posts de Persuasão


e espera o novo filme lendo a JUVENÍLIA de Jane Austen!

   


 

sexta-feira, 15 de julho de 2022

Persuasão da Netflix é... fanfic deliciosa!

 olá!

hoje é Persuasion day e eu pulei da cama na vibe do Capitão!

Fiz café, chamei os gatos para companhia e dei PLAY


Duas horas e muitos tweets depois, eu estou encantada!

É uma versão moderna da vida Regencial e por isso, claro, erra em vários pontos. Porém, tem muitos acertos como a playlist que ele fez para ela, a mexa de cabelo do cavalo, o pai que parece Sr. Woodhouse, Harville fofo.

Vou fazer o COPO MEIO CHEIO aqui e te encher de SPOILERS.

CABELOS SOLTOS


Anne é a única personagem que deixa as madeixas ao vento. 
Dá uma agonia porque isso seria coisa de moça de vida fácil.

Ah, Moira, mas é uma MODERNIZAÇÃO! Sim, sim, eu sei! Mas as outras damas têm os cabelos penteados... Imagino que deve ter sido feito para diferenciar Anne das outras, mas de certa forma, a deixa exposta.

E vem cá, por que ninguém usa bonnet??

TROCA DE ROUPAS DE ANNE

Ao todo, Anne tem uns 6 figurinos - no máximo. O favorito dela parece ser o azul de mangas transparentes. Bem bonito, como todas as roupas dela é quase moderno. Talvez pela cor dos olhos da atriz, Anne usa tons de azul - que é a cor da melancolia e da tranquilidade, né?

ANNE TEM INTIMIDADE CONOSCO

A quebra da 4ª parede é bastante simpática. Diferente de Gentleman Jack onde a conversa daquela Anne conosco nos faz de cúmplice, aqui funciona como intimidade. 

Eu gosto de me achar íntima de Austen, você sabe. E é em Persuasão que ela fala conosco, lembra?

"...Isso pode ser ruim de se concluir, mas eu acredito que seja verdade; e se  forem bem-sucedidos, tal qual um capitão Wentworth e uma Anne Elliot, com a vantagem de maturidade de espírito, consciência de sua posição e uma fortuna independente entre eles, quem deixaria de vencer todo obstáculo?" cap 24

Então, Anne dividir conosco como ela acha a família mala tão mala, é bacana. Engraçado até. A maneira como ela diz que passa dias falando Italiano e a irmã Mary não nota é ótimo! Ela recita frases de estudo da língua: "Quanto costa il porcospino alla finestra?" enquanto Mary reclama da vida de casada com filhos.

Austen fazia mesmo graça de Mary, ela sempre fala mal de quem casa por impulso - ainda mais em Persuasão onde Austen defende o raciocínio lógico x paixonite aguda. Mas este filme exagera!

ANNE TEM INTIMIDADE COM OS CAVALHEIROS

Reparei que Anne toca o braço dos cavalheiros quanto conversa. E são cavalheiros que ela acabou de conhecer! Fez com Capitão Harville, Benwick e até com o primo Elliot.

Não foi de se espantar ver o tal primo possessivamente segurando-a pela curva das costas...

Para a época seria IMPENSÁVEL fazer isso, hoje em dia tocar alguém que mal conhecemos é invasivo ainda. Ou estou louca? A não ser que seja um flerte...

ANNE BEBE

Para curar o coração partido, Anne é amiga dos vinhos caros.

E tem ressacas dolorosas!

Uma mulher ser amiga da garrafa de vinho é coisa bem atual e americana. Mais até que conosco aqui que gostamos de uma cervejinha gelada - culpada!

É bem engraçado! Parece a Juvenília!

"Apesar do vinho que tinha bebido, a pobre Alice estava incomumente amuada; ela não conseguia pensar em nada além de Charles Adams..." Jack & Alice - Volume 1, cap 2

ANNE MOSTRA AS MEIAS

Para os sobrinhos, correndo pelos campos, rolando no chão...

Meias. Uma dama. Na, na, não...

ANNE TEM NECESSIDADES FISIOLÓGICAS

Pela primeira vez em Austen Nation vemos uma mocinha com vontade fazer xixi (?), levantar as saias e quaaaase se aliviar em uma árvore.

Quando ela se deu conta que Wentworth estava logo ali, morri de medo do que aconteceria. Mas, ufa! Ela se segurou e só ficou ouvindo a fofoca e ele, quando saiu, nem viu que ela estava ali.

WENTWORTH & MEN IN BLACK

Ele é todo duro, fala sem virar o pescoço, parece que está lendo um jogral!

Desculpe, só vi a baratona de Men in black!

E TEM O SONHO DO POLVO

ahahaha o polvo ahahaha na casa da parenta rica ahahah que viagem!

WENTWORTH NÃO SABE ENGOMAR

Uniforme da marinha desgrenhado, amassado, enxovalhado?

Credo!

Que falha do figurino... Será proposital para ele parecer mais pobre que os outros, mais simples?

As roupas dele parece que são de linha cru, bem grosso. Desestruturadas. Ele nunca está barbeado, o cabelo é estranho...

Pobre, Captain, my Captain...

WENTWORTH & ANNE TÊM DIÁLOGOS DE TIRAR O FÔLEGO

Na mata, na praia, no concerto... Ah, eu adorei todos!

Nem sei qual gostei mais, vou tentar repetir o da praia aqui:

ela está sozinha na areia e ele está observando-a das pedras.

ele desce e vai até ela. (53:10' a 59:51')

Wentworth: Olá. (sério)

Anne: Olá. (felizinha. olha em volta sem acreditar que o bonitão está lá e não tem ninguém em volta)

W: Desculpe por hoje cedo. 

A: O que houve hoje cedo?

W: Aquele cavalheiro rude que encontramos. (era o primo Elliot e W teve uma crise de ciúmes na frente de todos) Não sou seu irmão mais velho, você não precisa da minha proteção. 

A: Huh.

W: E nunca teve problema em se defender.

A: *risinho bobo* Não precisa de desculpas, a intenção foi boa.

W: Ouça, não tivemos chance de conversar. Eu vivi com mil versões imaginadas de você ao longo dos anos. Algumas ruins.

A: He.

W: Outras agradáveis. 

A: Eu também. *pausa* Eu não sabia se te veria de novo. Ou se você saberia o quanto me importo. 

W: Acho que eu sempre soube. *pausa* Não há ninguém como você.

A: *whaaat?*

W: E está claro para mim que quero você na minha vida, da forma que for. enterrar o passado e...

-- veja bem, isso era ANTES DA METADE do filme... --

A: *sorriso tenso*

W: Suponho que o que quero dizer é... eu... 

A: *olhos de coração*

W: Eu gostaria que fôssemos amigos.

A: *sorriso abobalhado de desespero* Eu.. estava pensando o mesmo.

Os dois ficam atordoados.

W: Esta manhã eu vi claramente a prisão que meu ressentimento criou. Realmente espero que encontre o amor, onde quer que precise achar.

A: Hum.

E: E te agradeço do fundo do meu coração por oferecer sua amizade. Obrigado. 

A: Obrigada.

W: Bem, excelente. boa... conversa.

A: Hehe. *ele sai* Espero mesmo que esteja disposto a alcançar o almirantado seguindo a carreira na marinha. Todos falam da sua genialidade. Estou certa que não lhe fazem juz.

W: Eles não sabem quem sou de fato ou o que me faria feliz.

A: Bem, eu sei. eu te conheço. Eu sei que quer uma vida que valha à pena. E sei que seria brilhante. 

W: Quer saber um segredo?

A: Sempre.

W: Nos meus piores momentos no mar, quando eu me sentia totalmente perdido, confuso e incapaz, eu me perguntava: O que Anne faria aqui? Era assim que eu sabia como agir, fingindo ser você.

A: Está mentindo.

W: Verdade! Você é sempre a melhor em emergências. Prevendo as necessidades dos outros, direta e focada, calma e atenciosa. Equipada com mais inteligência do que é bom para você.

A: *ai, que m*

W: Você é uma pessoa excepcional. E me deixa com raiva que o mundo lhe negue a chance de uma vida pública. Você seria uma ótima almirante.

A: Obrigada. *faz cara de blergh para a lacração desnecessária*

W: *parece que vai falar algo, mas se segura* Não vá muito longe mar a dentro, tem correntes aqui. desculpe, já estou tentando protegê-la de novo. Descansar. (ordem de quartel)

A: *sorri com vontade de morrer*

ele realmente vai embora.

A: (para a câmera) agora somos piores que ex, somos amigos. *pronta para chorar.*

Ela entra no mar e ele fica olhando-a nadar das pedras.

-- Se fosse minha história, ele voltaria e eles se abraçariam por horas.

DISTOPIA

Lady Russel e o Musgrove Sr. são negros, Primo Elliot é oriental, os Musgroves filhos e netos são birraciais. Isso não existia, é mentira. Assim como a rainha e o duque negros de Bridgerton.

Você está sendo enganada, mas você se importa?

A CARTA

Está inteira, metade lida por Anne e metade narrada por ele.

Adorei!

FULL CIRCLE

Começa com Anne e Wentworth abraçados em uma colina, ela faz carinho nele contando do amor no passado e ele chora.

Termina com Anne e Wentworth abraçados na mesma colina fazendo planos para as viagens que ela fará com ele a bordo do navio que ele comandará.

Lovely!


No geral, eu gostei muito desta FANFIC.

Não é uma adaptação fiel, acho que nem quer ser. Mas é uma boa versão modernizada onde o Capitão usa os sentimentos expostos e doloridos como feridas.

Recomendo!

Mas, de todo, bom mesmo é ler o original!

Está gostando desta maratona de Persuasão?

Tenho um monte mais para te contar!

Me fala aqui nos comentários o que você está achando.

Aqui você acha minhas PESQUISAS SOBRE JANE AUSTEN , 

inclusive os outros posts de Persuasão


APROVEITE e ouça o episódio dedicada a esta Persuasão

no PODCAST SINCERICÍDIO LITERÁRIO




segunda-feira, 11 de julho de 2022

Persuasão: Capitão Wentworth

 olá!

Está chegando a hora da estreia e vamos mergulhar nos personagens?

Hoje te trago ela, o melhor homem de Austen:

Capitão Frederick Wentworth


 Frederick Wentworth é capitão da Marinha Real, tem uma irmã casada com um Almirante que arrenda a propriedade dos Elliots, a família de Anne. Quase uma década antes do romance começar, Wentworth e Anne tiveram um romance relâmpago tão intenso que ele fez a proposta de casamento. Mas como ele não tinha fortuna e sua vida na Marinha era incerta e insegura, a linda e rica Anne terminou com ele, deixando-o de coração partido e orgulho machucado.

Objeto das afeições de Anne, o capitão Wentworth é um galante oficial naval que, bem-educado e cortês, fez sua própria fortuna subindo na hierarquia naval – é um trabalhador. Ele valoriza constância, praticidade e firmeza de espírito nas mulheres, características que farão uma boa esposa da Marinha. Embora o capitão Wentworth seja quase universalmente querido e respeitado por sua natureza gentil e atenciosa para com outros, Sir Walter, pai de Anne, o despreza por seu nascimento "inferior".

características

O capitão Wentworth é o protótipo do 'novo cavalheiro' (para a época). 

É um homem de boas maneiras, consideração, sensibilidade, galanteria, independência e bravura. Tudo isso faz dele um oficial naval respeitado. Ele fez sua própria fortuna com trabalho duro e bom senso, e neste ponto vemos que Jane Austen faz a comparação com o pai de Anne, o esnobe bonachão Sir Walter, que desperdiçou o dinheiro que lhe veio através de seu título. 

Sem terra ou nobreza, o capitão Wentworth não é o par tradicional para uma mulher da posição de Anne Elliot, mas excelentes qualidades pessoais são suficientes para superar o abismo social entre eles.

No romance, o capitão Wentworth se desenvolve, eventualmente superando seu orgulho e vergonha por ter sido recusado uma vez, a fim de fazer outra proposta ardente para sua amada. Este desenvolvimento é um sinal de um futuro promissor para seu relacionamento. 

Como o almirante Croft, seu cunhado, que permite que sua esposa conduza a carruagem ao lado dele e o ajude a dirigir, fica subentendido que o capitão Wentworth se submeterá a Anne durante todo o casamento. Austen vê esse tipo de parceria igualitária como um casamento real tal qual ela nos mostra com os Gardiner em Orgulho e Preconceito.

ranço

O esforço é muito valorizado no mundo do capitão Wentworth. 

Podemos vê-lo nos olhos do querido Dick Musgrove, que havia servido no navio de Wentworth. Quando Dick aparece na conversa, Anne percebe pelo sorriso de Wentworth que, como capitão, ele "provavelmente se esforçou para se livrar de [Dick]" (cap 8). O histórico familiar de Dick como parte da segunda melhor família do distrito não significa nada a bordo do navio: o que importa é que ele era um preguiçoso.

Então, quando, na história de fundo do romance, Anne rompe o noivado, Wentworth a julga como uma covarde por ser tão facilmente persuadida. Ele vê apenas como ela age, não as preocupações por trás disso; ela não o rejeita simplesmente por ordem de Lady Russell, mas porque acredita que é a coisa certa a fazer. O foco de Wentworth na ação negligenciando as razões de Anne faz com que ele tenha uma falsa ideia da personalidade dela. Esta é uma das razões pelas quais ele não volta para ela, mesmo quando é rico.

Quando os caminhos de Wentworth e Anne se cruzam novamente, ele se deixa envolver por uma moça que é o oposto dela: Louisa Musgrove. Nova e inconsequente, Louisa gosta de ser observada e ouvida enquanto Anne tende a observar e ouvir. Como Louisa tem personalidade e gênio forte conseguindo arrumar sua irmã com Charles Hayter ou organizando uma viagem em família para Lyme, Wentworth acha que ela tem firmeza de caráter e isso, em sua mente, se traduz em confiabilidade. Ele pode confiar que ela é uma pessoa decidida, muito diferente dos cordiais que ouvem conselhos, mudam de ideia e não há como saber o que eles farão a seguir. 

Wentworth diz a Louisa:

"É o pior defeito de um caráter muito submisso e indeciso, nenhuma influência sobre ele pode ser confiada. Você nunca tem certeza de que uma boa impressão é durável; todos podem influenciá-la." (cap 10)

O problema de Wentworth com pessoas abertas à persuasão é que ele não pode usar suas ações atuais para prever o que farão a seguir, porque são guiadas por outras pessoas em vez de estabelecer princípios internos.

As opiniões de Wentworth sofrem um abalo no acidente de Louisa em Cobb. Sua imprudência e a responsabilidade dizem a Wentworth que algo não está certo com a maneira como ele vê o mundo. Talvez seja bom ouvir conselhos vez por outra.

O desenvolvimento de Wentworth ao longo do romance deve muito a Anne. Esse self-made man teria feito os mesmos avanços sem a ajuda do empurrão que a rejeição dela lhe deu

o self-made man

Quando Anne conhece o capitão Wentworth, ele é um jovem corajoso e sonhador convencido de que tem grandes coisas pela frente, mas não tem muito a mostrar.

Ele não tinha fortuna apesar de ter tido sorte em sua profissão; mas gastando livremente, o que vinha de graça, não tinha guardado nada. Estava confiante de que em breve ficaria rico: cheio de vida e ardor, sabia que em breve teria um navio, e logo estaria numa situação que o levaria a tudo o que desejava. Ele sempre teve sorte. (cap 4)

Então, o que Wentworth tem é a crença de que ele terá sucesso. Ele conta com a sorte e, embora pense que ela vai durar, dificilmente pode-se culpar Lady Russell por não querer apostar a felicidade futura de Anne na incerteza. 

Todas as suas expectativas otimistas, toda a sua confiança tinham sido justificadas. Seu gênio e ardor pareciam prever e comandar seu caminho próspero. (cap 4)

De coração partido e orgulho rasgado, o Capitão Wentworth se dedica à busca pelo sucesso de maneira que talvez não o fizesse se Anne fosse sua. Usou de muita inteligência, decisões arriscadas, e trabalho duro - além da sorte sua amiga. Mais tarde descobrimos quando eleencontra o sucesso pela primeira vez no Asp, "um navio que não serve para nada" (cap 8) e pronto para afundar a qualquer minuto. Wentworth teria embarcado em tal navio se ele não estivesse movido a ranço, mas em vez disso pensasse que Anne o estava esperando em casa? 

É impossível dizer.

O que quer que tenha sido, o que temos no momento em que o romance começa é um Wentworth que está se saindo muito bem na carreira. O que lhe falta em família influente e bons contatos, ele compensa em riqueza e carisma. Seu "ar" (cap 20) é tal que até Lady Dalrymple o admira. Sua capacidade de converter até mesmo Sir Walter no final do romance mostra o quanto dinheiro e estilo são importantes na sociedade aristocrática, e sugere que a hierarquia social pode estar mais aberta a mudanças do que parece inicialmente. 

Então, ficamos com a dúvida: 

Foi Anne quem inadvertidamente construiu esse Wentworth 

tão digno de se casar com ela?

fonte: meus arquivos pessoais, study.com, schmoop, reddit, spark notes

O que você acha?

Saiba mais dos outros personagens aqui.

Está gostando desta maratona de Persuasão?

Tenho um monte mais para te contar!

Me fala aqui nos comentários o que você está achando.

Aqui você acha minhas PESQUISAS SOBRE JANE AUSTEN , 

inclusive os outros posts de Persuasão


e espera o novo filme lendo a JUVENÍLIA de Jane Austen!