quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Hotels and Inns in Jane Austen's works

hello,
This post is part two of my research on hotels and inns. Don't roll your eyes at me just yet when I tell you that yes, I had doubts if England did have hotels as we know them back then. The first part is here: HOTELS AND INNS IN REGENCY ERA

Now we dig into HOTELS AND INNS IN JANE AUSTEN'S WORKS.

Again I explain why I started this. I'm working on a new JAFF, quite different from my last one, 9 WAYS TO LIVE PRIDE AND PREJUDICIOUSLY
pinterest

The new JAFF is called DIRTY PETTICOATS, a Pride & Prejudice continuation - a mystery romantic comedy or a chick lit full of shenanigans for Darcy and Mrs. Lizzy Darcy to solve - set entirelly in the Regency Era. 

I fear big errors, so I do research and read and wonder and spend time thinking. That was why when a certain characters needed a place to stay, I stopped short: 

WHERE THERE HOTELS IN REGENCY ENGLAND?
pinterest
Yeah, of course there were... Duh!

Now I am sure because I did research. First I looked into Jane Austen's own words and listed below, secondly I looked over my fellow nosy people in the internet to find tips, thirdly I checked trully historical sources as magazines and catalogues from 1810 to 1819. The last two sources you'll find in the first post. FYI, I loosely pinpoint P&P around the first two decades of 19th century and only specify the year if it's pivotal to the story.

Anyway, why did I have such a silly doubt?
Well, because I tend to think the highly refined and proper people of Regency England a bit too underdeveloped when compared to the sizzling Victorians. Don't know, maybe because of the power of the industrial revolution.

So, the research began with Austen.
poeme-se

Thank God Gutenberg has all the major novels on line and my Firefox can do 'search' so I skimmed directly to the words and read a bit before and a bit after to judge if it was relevant for me.

Here you have it: by novel, each relevant quote on 'inn' or 'hotel'
Not in order of appearances and relevant to me, which was MAKE SURE IT DID EXIST and CATCH DETAILS OF ITS WORKINGS. If you do need something in particular, you may want to double-check.

P&P
Here Austen says about meals in coaching inns, for a single man residing in hotels would be easier than opening the town house when alone and the ideal hiding place for lovers on the run

- Mr. Bennet’s carriage was to meet them at the inn, ... both Kitty and Lydia were looking out of a dining-room up stairs
- a table set out with such cold meat as an inn larder usually affords
- settle his account at the inn
- WE ARE convinced that when Charles gets to town he will be in no hurry to leave it again, we have determined on following him thither, that he may not be obliged to spend his vacant hours in a comfortless hotel
- ...Mr. Bennet had been to Epsom and Clapham, before his arrival, but without gaining any satisfactory information; and that he was now determined to inquire at all the principal hotels in town, as Mr. Bennet thought it possible they might have gone to one of them, on their first coming to London, before they procured lodgings

S&S
Again Austen mention meals when on the road and also, receiving mail

- only disturbed that she could not make them choose their own dinners at the inn, nor extort a confession of their preferring salmon to cod, or boiled fowls to veal cutlets
- They was stopping in a chaise at the door of the New London Inn, as I went there with a message from...

EMMA
Here it is more juicy! The serach for a place to host a ball. And more: how horrible most road inns were

- Their first pause was at the Crown Inn, an inconsiderable house, though the principal one of the sort, where a couple of pair of post-horses were kept, more for the convenience of the neighbourhood than from any run on the road; and his companions had not expected to be detained by any interest excited there; but in passing it they gave the history of the large room visibly added; it had been built many years ago for a ball-room, and while the neighbourhood had been in a particularly populous, dancing state, had been occasionally used as such;—but such brilliant days had long passed away, and now the highest purpose for which it was ever wanted was to accommodate a whist club established among the gentlemen and half-gentlemen of the place. He was immediately interested. Its character as a ball-room caught him; and instead of passing on, he stopt for several minutes at the two superior sashed windows which were open, to look in and contemplate its capabilities, and lament that its original purpose should have ceased. He saw no fault in the room, he would acknowledge none which they suggested. No, it was long enough, broad enough, handsome enough. It would hold the very number for comfort. They ought to have balls there at least every fortnight through the winter. 
- A room at an inn was always damp and dangerous; never properly aired, or fit to be inhabited. If they must dance, they had better dance at Randalls. He had never been in the room at the Crown in his life—did not know the people who kept it by sight.—Oh! no—a very bad plan. They would catch worse colds at the Crown than anywhere.
- ...if you knew how Selina feels with respect to sleeping at an inn, you would not wonder at Mrs. Churchill's making incredible exertions to avoid it. Selina says it is quite horror to her—and I believe I have caught a little of her nicety. She always travels with her own sheets; an excellent precaution. Does Mrs. Churchill do the same?”
“Depend upon it, Mrs. Churchill does every thing that any other fine lady ever did...."

PERSUASION
Austen again mention meals, mail and daily dealings when first arriving at an inn. 

- After securing accommodations, and ordering a dinner at one of the Lyme inns, ...
- After attending Louisa through her business, and loitering about a little longer, they returned to the inn; and Anne, in passing afterwards quickly from her own chamber to their dining-room, had nearly run against the very same gentleman, as he came out of an adjoining apartment. She had before conjectured him to be a stranger like themselves, and determined that a well-looking groom, who was strolling about near the two inns as they came back, should be his servant. Both master and man being in mourning assisted the idea. It was now proved that he belonged to the same inn as themselves;...
- take a chaise from the inn
- A morning of thorough confusion was to be expected. A large party in an hotel ensured a quick-changing, unsettled scene. One five minutes brought a note, the next a parcel; and Anne had not been there half an hour, when their dining-room, spacious as it was, seemed more than half filled: a party of steady old friends were seated around Mrs Musgrove, and Charles came back with Captains Harville and Wentworth.

MANSFIELD PARK
nothing...

NORTHANGER ABBEY
In Bath, hotels are not only to stay but to visit for a meal, quite interesting!... Fashionable places they were. And one more time she speaks of horrible places, bad servants and all

- They arrived at Bath. Catherine was all eager delight—her eyes were here, there, everywhere, as they approached its fine and striking environs, and afterwards drove through those streets which conducted them to the hotel. She was come to be happy, and she felt happy already.
They were soon settled in comfortable lodgings in Pulteney Street.
- ...they had driven directly to the York Hotel, ate some soup, and bespoke an early dinner, walked down to the pump-room, tasted the water, and laid out some shillings in purses and spars; thence adjourned to eat ice at a pastry-cook's, and hurrying back to the hotel, swallowed their dinner in haste, to prevent being in the dark; and then had a delightful drive back, only the moon was not up, and it rained a little, and Mr. Morland's horse was so tired he could hardly get it along.
- ...a fear, on Mrs. Allen's side, of having once left her clogs behind her at an inn, and that fortunately proved to be groundless.
- Everybody acquainted with Bath may remember the difficulties of crossing Cheap Street at this point; it is indeed a street of so impertinent a nature, so unfortunately connected with the great London and Oxford roads, and the principal inn of the city, that a day never passes in which parties of ladies, however important their business, whether in quest of pastry, millinery, or even (as in the present case) of young men, are not detained on one side or other by carriages, horsemen, or carts. 
- It is so d—uncomfortable, living at an inn.
- ...find a pool of commerce, in the fate of which she shared, by private partnership with Morland, a very good equivalent for the quiet and country air of an inn at Clifton. Her satisfaction, too, in not being at the Lower Rooms was spoken more than once.
- These schemes are not at all the thing. Young men and women driving about the country in open carriages! Now and then it is very well; but going to inns and public places together!
- ...with his discontent at whatever the inn afforded, and his angry impatience at the waiters

LADY SUSAN
The single man living alone in a hotel, again, as Caroline hinted Charles Bingley would do. Fine, fine move...

-MR. DE COURCY TO LADY SUSAN. —Hotel. I write only to bid you farewell, the spell is removed; I see you as you are...
-MR. DE COURCY TO LADY SUSAN. ——Hotel. Why would you write to me? Why do you require particulars?

SANDITON
As a new spa, the hotel would be an important business. But the first we hear is that it has a subscription at the library. Then that the new guest will not stay there. Hotel is treated once more as a not so pleasant place but nevertheless, very busy.

- ...Mrs. Whitby at the library was sitting in her inner room, reading one of her own novels for want of employment. The list of subscribers was but commonplace. The Lady Denham, Miss Brereton,..., Grays Inn; 
- ...She had gone to a hotel, living by her own account as prudently as possible to defy the reputed expensiveness of such a home, and at the end of three days calling for her bill that she might judge of her state. Its amount was such as determined her on staying not another hour in the house, and she was preparing in all the anger and perturbation of her belief in very gross imposition there, and her ignorance of where to go for better usage, to leave the hotel at all hazards, when the cousins, the politic and lucky cousins, who seemed always to have a spy on her, introduced themselves...
- AFTER THE TERRACE... In this row were the best milliner's shop and the library—a little detached from it, the hotel and billiard room.
- ...Two large families one for Prospect House probably, the other for Number two Denham place or the end house of the Terrace, with extra beds at the hotel.
- ...I have no fancy for having my house as full as an hotel. I should not choose to have my two housemaids' time taken up all the morning in dusting out bed-rooms.
- ...a gentleman's carriage with post horses standing at the door of the hotel, as very lately arrived and by the quantity of luggage being taken off, bringing, it might be hoped, some respectable family determined on a long residence.
- ...there was an arrival at the hotel, but not its amount.

LOVE AND FRIENDSHIP
An inn was expected to be a meeting place. Fun thing here is to hear about the dealings of horses and comings and goings in the yard.

- ...As soon as we had dispatched this Letter, we immediately prepared to follow it in person and were stepping into the Carriage for that Purpose when our attention was attracted by the Entrance of a coroneted Coach and 4 into the Inn-yard.
- ...We were in the Inn-yard when his Carriage entered and perceiving by the arms to whom it belonged, and knowing that Lord St Clair was our Grandfather, we agreed to endeavour to get something from him by discovering the Relationship—.

FREDERIC & ELFRIDA
-

THE THREE SISTERS
-

JACK & ALICE
-

HENRY AND ELIZA
Meals at a coaching inn, but here, look, Eliza decides to stop even thought she is close to home. so it must have been a hospitable place, huh?

-She had about 40 miles to travel before she could reach their hospitable Mansion, of which having walked 30 without stopping, she found herself at the Entrance of a Town, where often in happier times, she had accompanied Sir George & Lady Harcourt to regale themselves with a cold collation at one of the Inns.
The reflections that her adventures since the last time she had partaken of these happy Junketings afforded her, occupied her mind, for some time, as she sat on the steps at the door of a Gentleman's house. As soon as these reflections were ended, she arose & determined to take her station at the very inn she remembered with so much delight, from the Company of which, as they went in & out, she hoped to receive some Charitable Gratuity.
She had but just taken her post at the Inn yard before a Carriage drove out of it, & on turning the Corner at which she was stationed, stopped to give the Postilion an opportunity of admiring the beauty of the prospect. Eliza then advanced to the carriage & was going to request their Charity, when on fixing her Eyes on the Lady, within it, she exclaimed,
"Lady Harcourt!"
To which the lady replied,
"Eliza!"

"Yes Madam, it is the wretched Eliza herself."

How about that?
Did you enjoy this research?

Soon my new novel will be out, Lizzy will visit a certain hotel and well, shenanigans will abound!

See ya!
xoxo

Hotels and Inns in Regency Era

hello,
I'm working on a new JAFF, struggling a little actually. The last JAFF I wrote, 9 WAYS TO LIVE PRIDE AND PREJUDICIOUSLY, was a very loosey-goosey affair. Eight short romances inside one main romance, 9 ways has several tales for ODC, historical and modern, OOC and even in reverse roles. 
pinterest

Now, as I compose DIRTY PETTICOATS, the research has to be more accurate because the story is set entirelly in Regency times, a Pride & Prejudice continuation - actually a mystery romantic comedy or a chick lit full of shenanigans for Darcy and Mrs. Lizzy Darcy to solve. 

Every time I write a new piece I find myself with the most inane doubts and spend days researching to make sure no gross errors are made. Now, the part in which I am struggling is...

WHERE THERE HOTELS IN REGENCY ENGLAND?
pinterest
Yeah, of course there were... Duh!

Now I am sure because I did research. First I looked into Jane Austen's own words and listed below, secondly I looked over my fellow nosy people in the internet to find tips, thirdly I checked trully historical sources as magazines and catalogues from 1810 to 1819. FYI, I loosely pinpoint P&P around the first two decades of 19th century and only specify the year if it's pivotal to the story.

Anyway, why did I have such a silly doubt?
Well, because I tend to think the highly refined and proper people of Regency England a bit too underdeveloped when compared to the sizzling Victorians. Don't know, maybe because of the power of the industrial revolution.

So, the research began with Austen.
poeme-se

Thank God Gutenberg has all the major novels on line and my Firefox can do 'search' so I skimmed directly to the words and read a bit before and a bit after to judge if it was relevant for me.

You'll find by novel, each relevant quote on 'inn' or 'hotel'. I posted it on another post because it turned out to be really big...

Then my fellow bloggers. 
folks & tales


This post mentions London places, which helped me a lot because I needed to be sure they EXISTED much similarly to what we have today and not exactly tidbits about each one. But it has! Wow, great job!
Grenier's Hotel in Jermyn Street houses friends of the Prince Regent. (the heroin of my novel 'Letters to Dora' lives there!);
- Claredon Hotel had a chef that formerly worked for Louis 18, King of France;
- Grillon's Hotel hosted the very same Louis 18 in 1814;
- Steven's Hotel was fashionable for army men and men about town;
- Mivart's was the hot spot in Mayfair.

The Londonist lists old hotels but not as old as Regency. I used this informations to start my research when writing ALL THOSE DUKES. It is a lovely list. 
Here are the older ones:
- Mivart's, later called Claridge's (till today), was founded in 1812,
- Brown's Hotel was founded in 1837 by former servants of Lord Byron.

This is another great post with lots of juicy details, now for coaching inns. This is something I am always in doubt and I was very glad to have found it.
It talks about the daily dealings, how it all worked, food and accommodations, Royal mail routine, everything.



Finally, the historical archives
regrom

Let me tell you that I did research, a little each day but not extensively. As you'll find out when you read DIRTY PETTICOATS, a hotel is only a tiny bit of the story and as much as learning historical stuff gives me pleasure, I do have a ton of other things to do.

So, two references:

'The Gentleman's magazine and Historical Chronicle' 
From July to December, 1819 by Sylvanys Urban, Gent. London.

"This evening the town of Warwick was illuminated in honour of His Royal Highness the Prince Regent's visit to the Castle; and on the next evening, Warwick was again more splendidly illu. minated than on the preceding night. The Warwick Arms Hotel, the Swan, the wool Pack, and the Globe, displayed allegorical and emblematic devices on the occasion. Many of the distinguished visitors, and most of the principal inhabitants, paraded the streets to a late hour, and brilliant fire-works were displayed in all the open spaces."

containing an account of all the direct and cross-roads; together with a description of every remarkable place, its curiosities, manufactures, commerce, population, and principal inns; to which are added pleasure tours to the most picturesque parts of the country; with a new and correct list of mail coach routes; the whole forming a complete guide to every object worthy the attention of travellers.
London : Leigh and Son, 1839.

"Adjoining Bristol is the town of Clifton, situated on a lofty rock overhanging the Avon. Here are the Hot Wells, a great resort of invalids during the summer, for whose accommodation there are numerous lodging-houses, a pump- room, a ball-room, coftee-houses, &c. Inns; Gloucester Hotel, Clifton Hotel, Bath Hotel, York House or Steam Packet Hotel, Swan, Cumberland Hotel, Plume of Feathers, &c. The Avon here flows between rocks of immense height, and the scenery is of the most beautiful description."

So... I do have all I need to go about my business in a hotel in the middle of country Regency England where Lizzy is about to make Darcy really put out!... Well, it'll be for a good cause, really.

See ya.
xoxo

ALL THOSE DUKES
an off Austen historical love story is available

The NEW EMMA will be a work of art

hi, there!
Last week there was the realease of the new adaptation of Emma, a movie to be on cinemas next february. Valentines, maybe?!

I loved it!



- A fun Mr. Woodhouse instead of a couch potato;
Emma spirited and perky;
- Churchil seeming to be even more of the biggest villain in Austen Nation as I think he is;
- more than anything, beautiful as it could be!


Such a work of art!
the finger pushing the carriage's door opened was sooooo good!

I immediately made connection with Netherlands' painters... 
Kinda crazy, isn't it?
Van Gogh's starry night. Lovely color scheme. Similar too...

I spent a day or two wondering how did make such a connection ...
Of course, The Miniaturist!
Much crazier than anyone could think...

I've made a post in Portuguese about the mini series when I asked Santa do bring me a Victorian Dollhouse, just like the one Queen Mary had. In the mini series based on the book, Anya Taylor-Joy was the frightened, innocent and shy country girl given in marriage to an Amsterdam sugar dealer who had an horrible secret for a 16th century man. So did his sister, weird servants and the huge house they all lived together in. The mystery starts when the girl starts to recieve small figurines and miniatures, exact replicas of the house and the family people. Quite fun. 
Anya, who has origins here close to us in Argentina, also has those big eyes that make her seem to be in fear all the time, edgy. I confess I didn't have the curiosity to watch anything other she has done and that one work defined the actress for me. Who can say they never did so?


When I learned she was to be the new Emma, I concluded it'd be a kind of Gwyneth, a version of the 1996 movie. A cutie, wishy washy, almost-but-not-quite like the original character. And... What a pleasant surprise! A vibrant Emma, cheeky, mocking looks, funny!  
I loved it!
So colorful too! Yellows, pinks, pleats, ruffles and hats!




And what about the Netherland artists?
From The Miniaturist...
Just compare:

oficial poster  x Joachim Patinir- The pennitence of Saint Geronme - 16th cent


Vermeer - Girl with the pearl earring, 17th century



Yeah, I'm that ecxited for the new Emma movie!

The smiling gentleman, Frans Hals - 17th century

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

BLACK FRIDAY a R$ 10,00

9 ROMANCES a partir de R$ 10,00 cada!
Oportunidade de BLACK FRIDAY!

FRETE ÚNICO para 1 ou para 9 livros, R$ 7,00.

Saiba mais sobre os títulos em promoção:
》》PRECONCEITO,ORGULHO & CAFÉ 
https://www.moirabianchi.com/p/po-e-cafe.html?m=1
》》3 CHANCES PARA O AMOR
https://www.moirabianchi.com/p/tres-chances-para-o-amor.html?m=1
》》ANTOLOGIA ROMANCES DE ÉPOCA 
https://www.moirabianchi.com/2018/02/antologia-romances-de-epoca.html?m=1
》》COLEÇÃO PRINCESAS POSSÍVEIS
https://www.moirabianchi.com/p/princesas-possiveis.html?m=1

Encomendas por mail ou inbox. Pagamento por PagSeguro boleto ou cartão .


sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Emma é uma obra de arte

olá!
Desde ontem só se fala da nova adaptação de Emma, um filme com lançamento para o ano que vem.

Pelo trailer, eu achei bem legal!

- Mr. Woodhouse divertido ao invés de paradão;
- Emma debochada;
- Churchil parecendo mais vilão do que nunca - já falei que IMO ele é o maior vilão de Austen;
- mais que tudo: bonito que doi!

Achei uma lindeza!
o dedinho para abrir a porta da carruagem... o máximo!...

Logo liguei com os pintores Holandeses... 
Loko, né?

fiquei pensando como é que fiz essa conexão...
Muito mais louco do que qualquer um poderia pensar...

Falei da minissérie aqui e o livro  aqui. A atriz que faz Emma, Anya Taylor-Joy foi a garota do interior amedrontada, tímida e inocente que era dada em casamento para um comerciante de açúcar de Amsterdam que tinha um segredo proibitivo para a época - século 16, acho - assim como sua irmã carrancuda e criados estranhos. O mistério rola quando essa garota apavorada começa a receber miniaturas, réplicas perfeitas da mansão onde ela foi morar depois de casada, incluindo das pessoas. Bem bacana.
Anya, que tem origem Argentina, tem aqueles olhões, parece mesmo estar com medo o tempo todo; uma pessoa desconfiada. Confesso que não tive curiosidade em assistir mais nada dela e fiquei com essa impressão da atriz na cabeça - uma personagem definiu a atriz. Quem nunca?

Quando vi que ela seria Emma, esperei um tipo de Gwyneth, Emma bobinha, aguada, maria-vai-com-as-outras, quase-mas-nem-tanto como no original. E... Que surpresa! No trailer do filme, ela é atrevida, debochada, divertida!
Adorei!
Tão colorida, amarelos, rosas, pregas, chapéus!

E os pintores Holandeses?
Do miniaturista...
Compara!
poster oficial x Joachim Patinir- A penitência de São Gerônimo - sec 16


Vermeer - Garota com brinco de pérola, sec 17



Tô animada assim, ó!
Cavalheiro risonho, Frans Hals - sec 17



segunda-feira, 18 de novembro de 2019

As Regras de Civilidade de George Washington

olá,
Faz tempo que nas minhas pesquisas para escrever romances históricos - ou de época? - encontrei essa curiosidade: regrinhas de etiqueta. Sugeri e a Fran topou estudar comigo.


Como os antigos gostavam de seguir listas de regrinhas!
George Washington no Museu de Madame Tussauds de Washington DC

No momento, estou trabalhando em um romance bem fofo com minha amiguxa Lucy Dib que tem um Conde que adora seguir regras. Ele tem lá suas razões, você vai entender...
Mas essas aqui, olha que maravilha, são de GEORGE WASHINGTON...
Aquele Americano, dos EUA, sabe?

George Washington (1732 - 1799), filho de imigrantes Ingleses, foi o primeiro presidente dos Estados Unidos, de 1789 a 1797. Seus principais biógrafos sempre exaltam seu excelente caráter, personalidade invejável, integridade, autodisciplina, coragem, honestidade absoluta, resolução e decisão, mas também tolerância, decência e respeito pelos outros. Teve papel central na fundação do país Estados Unidos da América, era devoto do republicanismo e da virtude cívica, até hoje é figura exemplar entre os primeiros políticos americanos. Sua imagem é ícone comum na cultura americana.
Funko amazon

Segundo a Foundations Magazine, as Regras de civilidade têm essa origem: Aos 16 anos, estudando com tutores em casa ao contrário dos irmãos que foram à escola, Washington copiou à mão 110 regras de civilidade e comportamento decente baseadas em um conjunto de regras compostas por jesuítas franceses no século XVI como parte de um exercício de caligrafia.



Algumas bastante óbvias, outras desatualizadas para o nosso uso diário, mas a maioria curiosa no universo de romances literários, as regras são exigentes, têm foco em outras pessoas em vez do foco direto em interesses pessoais, são os pequenos sacrifícios que todos devemos estar dispostos a fazer pelo bem geral e pela boa convivência em sociedade. Falam de respeito pelos outros, respeito próprio e  autoestima.


Era uma sociedade que prezava cortesia e cavalheirismo e ainda assim Washington lutou para libertar a colônia do Imperialismo Inglês que tanto valorizava o cavalheirismo. Foi ele quem liderou as tropas de insurgentes contra os ingleses e foi em nome dele que a capital foi nomeada e começou a ser construída em 1790.

Vamos lá.


As Regras de Civilidade e Comportamento Decente em Sociedade e Conversação
Do séc 16, mas importalizadas por George Washington no séc 18
Tradução de Francielle Souza em 05/02/2019 
letrinha original do menino Washington

Cada ação feita em sociedade, deve ser com algum sinal de respeito, para com aqueles que estão presentes;
Quando em sociedade, não coloque suas mãos em nenhuma parte do corpo, que não esteja usualmente descoberta;
Não exponha nada aos seus amigos que possa assustá-los;
Na presença dos outros, não cante consigo mesmo murmurando, nem bata com os dedos ou os pés;
Se você tossir, espirrar, suspirar, ou bocejar, não faça isso alto, mas reservadamente; e não fale enquanto boceja, mas coloque seu lenço sobre seu rosto e vire-se de lado;
Não durma quando os outros falam, não se assente quando os outros estiverem em pé, não fale quando deveria evitar brigas, não ande quando os outros se detiverem;
Não tire suas roupas na presença dos outros, não saia dos seus aposentos meio vestido;
No jogo e na disputa, é boa educação dar o último lugar, e não interferir levantando a voz mais que o normal;
Não cuspa no fogo, não se incline sobre ele, nem coloque suas mãos nas chamas para aquecê-las, não coloque seus pés sobre o fogo especialmente se houver carne nele antes; (acredito que se refere a cuidado com o risco, não brinque com o perigo);
displate

10° Quando sentar, mantenha seus pés firmes e nivelados, sem colocar um sobre o outro, ou cruzá-los;
11° Não se troque na presença dos outros nem roa suas unhas;
12° Não balance sua cabeça, pés, ou pernas, não erga uma das suas sobrancelhas mais alto do que a outra, não torça sua boca, e não cuspa na face dos outros por estar muito próximo dele enquanto fala;
13° Não mate insetos como pulgas, piolhos, carrapatos e etc, na presença dos outros; se você vir qualquer sujeira ou cuspe, coloque seu pé em cima com destreza, se estiver nas roupas de seus companheiros, leve-o em particular, e se estiver em suas próprias roupas, agradeça a gentileza de quem tiver retirado;
14° Não dê as costas para os outros, especialmente conversando. Não esbarre na mesa em que outros lêem ou escrevem, não se apoie em ninguém;
15° Mantenha suas unhas limpas e curtas, assim como suas mãos e dentes, mesmo sem demonstrar grande preocupação com eles;
16° Não encha as bochechas, não mostre a língua, esfregue as mãos, ou a barba, não estique ou morda os lábios, ou os mantenha fechados ou abertos demais;
17° Não seja bajulador, nem brinque com nada com que não se deva;
18° Não leia cartas, livros, ou documentos em companhia, mas quando houver necessidade de fazê-lo, você deve pedir para se ausentar: não se aproxime de livros ou escritos de outros, nem os leia a menos que sua opinião seja solicitada, nem observe enquanto outro estiver escrevendo uma carta;
19° Deixe seu semblante agradável, mas em assuntos sérios, um pouco grave;
Universidade George Washington

20° O gestual do seu corpo deve estar de acordo com seu discurso;
21° Não reprima ninguém pelas debilidades naturais, nem se delicie em colocar isso em destaque daquelas que já sabem de antemão;
22° Não se mostre satisfeito com o má sorte do outro, apesar dele ser seu inimigo;
23° Quando você assistir um crime sendo punido, você deve ficar internamente satisfeito; mais sempre mostre compaixão com o sofrimento do transgressor;
24° Não ria muito alto ou demais em nenhum espetáculo público. (Não atraia atenção);
25° Elogios desnecessários e afetação cerimoniosa deve ser evitada, no entanto, quando são necessárias não devem ser negligenciadas;
26° Ao tirar seu chapéu para pessoas distintas, como nobres, juízes, reverendos, etc, faça uma reverência, curvando-se mais ou menos de acordo com o costume da melhor educação e da distinção do receptor. Entre os seus semelhantes, nem sempre espere que eles devam começar com você primeiro. Mas tirar o chapéu quando não há necessidade é afetação, na maneira de saudar e ressaltar as palavras mantenha o mais simples como de costume;
27° É falta de modos cumprimentar alguém superior sem tirar o chapéu, assim como não fazê-lo a quem é devido. Aquele que se apressa em colocar o chapéu não faz bem, mas deve colocá-lo na primeira ou na segunda vez que requisitado; agora o que aqui é falado, no que se diz a respeito de comportamento e saudações em tomar um assento, e se sentar para cerimônias sem limites problemáticos;
28° Se qualquer um vier falar com você enquanto estiver sentado, levante-se embora ele seja seu inferior, e quando você apresentar os lugares, deixe que cada um fique sentado de acordo com seu grau de importância;
29° Quando encontrar com alguém de maior importância que você, pare e se afaste, especialmente se for em uma porta ou em em qualquer local reto para dar passagem a ele;
brainpop

30° Nas caminhadas, o lugar mais importante, em diferentes países, parece ser o lado direito, portanto coloque-se à esquerda daquele que deseja honrar: mas se houverem três andando juntos, a posição central é o local mais honrado. A parede é dada ao mais importante se dois andarem juntos;
31° Se alguém superar em muito os outros, seja em idade, estado ou mérito, e mesmo assim der lugar a alguém pior que ele, em sua própria hospedagem ou em qualquer lugar, ele não deve exclui-lo. E, por outro lado, ele não deve ser muito sério, nem oferecer mais de uma ou duas vezes;
32° Para aquele que for seu igual, ou não muito inferior, ceda seu lugar em seu alojamento e aquele que receber a oferta, deve primeiramente rejeitá-la, aceitando posteriormente, não antes sem reconhecer o não merecimento;
33° Aqueles que possuem respeitabilidade ou que possuem cargos, têm em todos os lugares a precedência, mas enquanto forem jovens devem respeitar aqueles que são seus iguais em nascimento ou em qualidades, embora eles não tenham nenhum cargo público;
34° É de boa educação dar preferência para aqueles a quem nos dirigimos, antes de nós mesmo e especialmente se estiverem acima de nós, sendo assim de maneira alguma devemos começar;
35° Deixe que seu discurso com homens de negócios seja breve e compreensível;
36° Artesãos e pessoas de grau inferior não devem fazer uso de muita cerimônia com os Senhores ou outros de graus superiores, mas respeitá-los e honrá-los grandemente, e aqueles de alto nível devem tratá-los com afabilidade e cortesia, sem arrogância;
37° Ao se dirigir a um homem de mérito não se incline ou olhe diretamente no rosto, não se aproxime demais, mantenha ao menos uma passada de distância;
38° Ao visitar o doente, não banque o médico, se não souber ocupar essa posição.
39° Ao escrever ou falar, dê a cada pessoa o seu título, de acordo com seu grau e sua posição habitual;
aquele botão para colar atrás do celular...

40° Não rivalize com seu superiores em discussões, mas sempre submeta seu julgamento aos outros com modéstia;
41° Comprometa-se a não ensinar seu semelhante a arte que ele mesmo é professor; isso é sinal de arrogância;
42° Deixe que as cortesias em cerimônias sejam apropriadas à dignidade com a pessoa com quem você conversa, pois é um absurdo agir igual com um palhaço e com um príncipe;
43° Não expresse felicidade diante de uma pessoa enferma ou em dor, para que esse sentimento contrário não agrave a miséria dela;
44° Quando um homem faz tudo que pode, embora não possa ser bem sucedido, não o culpe por isso;
45° Para aconselhar ou repreender qualquer um, considere se isso pode ser feito em público ou em privado; na hora, ou em algum outro momento futuro, em que termos fazê-lo e reprovar não mostra sinal de superioridade, mas faça isso com toda doçura e moderação,
46° Receba todas as admoestações com gratidão, a qualquer hora e lugar, mas depois não se sinta culpado, leve o tempo e espaço necessário para deixá-lo saber o que lhe foi dado,
47° Não zombe nem caçoe de qualquer coisa importante, não faça comentários afiados e se você soltar alguma coisa espirituosa e agradável, abstenha-se de rir. (Não faça piadas de algo que é importante para os outros);
48° Naquilo que você reprova o outro, seja você mesmo irrepreensível, o exemplo prevalece mais que os preceitos;
49° Não use linguagem repreensiva contra ninguém, nem maldições nem injúrias;
a plantation dele tinha uma destilaria...

50° Não esteja pronto a acreditar em relatos soltos de depreciação de ninguém. (Não se apresse em acreditar em relatos ruins sobre outros);
51° Não use suas roupas, sujas, rasgadas ou empoeiradas, mas veja se elas foram escovadas ao menos uma vez por dia, e tome cuidado para não se aproximar de nenhuma impureza;
52° Em seu vestuário seja modesto e se esforce para acomodar sua natureza, em vez de procurar admiração, mantenha seu vestuário semelhante ao seus iguais, da mesma forma que são civis e ordeiros com respeito ao momento e ao local;
53° Não corra pelas ruas, nem ande muito devagar, não ande com sua boca aberta, ou balançando seus braços, chutando terra com seus pés, nem nas pontas dos dedos, nem dançando;
54° Não banque o exibido, procurando ver em todos os lugares se sua aparência está boa, se seus sapatos se encaixam bem, se eles combinam, e se suas roupas caem bem em você;
55° Não coma nas ruas, nem na casa, fora das horas corretas;
56° Se associe com homens de bons méritos se você estima sua própria reputação; porque é melhor estar sozinho, do que em má companhia;
57° Ao andar para cima e para baixo em uma causa, faça isso apenas em companhia de alguém melhor do que você, a princípio dê a ele o lado direito, e não pare até que ele o faça, e não seja o primeiro a girar, e quando você girar, deixe seu rosto virado para ele. Se ele for um homem de grandes méritos, não ande emparelhado com ele, mas de alguma forma atrás dele; mas ainda assim de uma forma que seja fácil dele se dirigir a você;
58° Permita que sua conversação seja sem malícia ou inveja, por isso é sinal de uma natureza tratável e louvável: E entre todas as causas de paixão (no sentido de alteração, raiva, emoção) permita que a razão governe. (Permita que a razão comande suas ações.);
59° Nunca expresse nada impróprio, nem aja contras as regras morais diante de seus inferiores;
Bansky

60° Não seja presunçoso em insistir com seus amigos para descobrir um segredo;
61° Não diga coisas triviais e frívolas entre homens sérios e instruídos, nem questões e assuntos muito difíceis entre ignorantes, ou questões que sejam difíceis de acreditar. Não entupa seu discurso entre seus semelhantes ou superiores com sentenças inúteis;
62° Não toque em assuntos sombrios, em momentos de alegria, ou à mesa; não fale de coisas melancólicas como morte e desgraças, e se outros as mencionarem, mude o assunto se puder. Não conte seus sonhos, apenas para seu amigo íntimo;
63° Um homem não deve se auto-valorizar por suas realizações, ou qualidades raras de inteligência; muito menos por suas ricas virtudes ou parentescos;
64° Não faça gracejos quando ninguém estiver disposto a apreciar uma risada, não ria alto, muito menos sem motivo, não ria da desgraça de um homem, mesmo que pareça ter motivo;
65° Não profira palavras de ofensa, nem caçoe, ou zombe seriamente de ninguém, apesar de ele dar ocasião;
66° Não seja perverso, mas amigável e cortês; seja o primeiro a saudar, ouvir e responder & não seja melancólico quando for momento do contrário;
67° Não diminua demais os outros, nem esteja excessivamente no comando;
68° Não vá onde você não sabe se será bem-vindo. Não dê conselhos se não for questionado & quando for, faça isso brevemente;
69° Se dois estiverem disputando, não tome partido de qualquer um, sem restrições; e não seja obstinado em sua própria opinião, e indiferente ao maior lado. (Não tome partido de ninguém em uma discussão. Seja flexível, e vá com a opinião da maioria.);
George Washington Bridge liga NY a New Jersey

70° Não repreendas as imperfeições dos outros, isso diz respeito aos pais e superiores;
71° Não olhe com espanto as marcas e manchas dos outros, ou pergunte como surgiram. O que você pode falar ao seu amigo em particular, não fale na presença dos outros;
72° Não fale em uma língua desconhecida na presença de outros, mas na sua própria língua, assim como fazem os elegantes, e não os vulgares; assuntos importantes devem ser tratados com seriedade;
73° Pense antes de falar, não pronuncie errado, nem fale muito apressadamente, mas ordenadamente e distintamente;
74° Enquanto outro estiver falando, esteja você mesmo atento e não perturbe a audiência se alguém hesitar em suas palavras, não o ajude, nem o encoraje sem que seja pedido, não o interrompa, nem responda até que o discurso tenha terminado;
75° No meio do discurso não questione do que se trata, mas se você notar qualquer interrupção por causa da sua chegada, pode instigar gentilmente que ele continue. Se uma pessoa de importância, aparecer enquanto você estiver conversando, é elegante repetir o que foi dito antes;
76° Enquanto estiver falando, não aponte seu dedo para aquele que você discursa, não se aproxime demais, especialmente do rosto dessa pessoa;
77° Trate com homens sobre negócios no momento apropriado & não cochiche na presença dos outros;
78° Não faça comparações e se alguns dos companheiros for elogiado por algum ato de virtude, não elogie outro pelo mesmo. (Não faça comparações entre si);
79° Não esteja inclinado a relatar notícias se não souber a verdade de antemão. Na narrativa das coisas, você ouviu o nome, nem sempre o autor. Nem sempre há um segredo a descobrir;
Washington escravocrata? Sim...
Deixou muitas almas ainda presas em seu testamento, a serem soltas somente após a morte da esposa que por sua vez morria de medo de ser assassinada por isso já que era proprietária dos escravos e único empecilho à liberdade daquelas pessoas...
80° Não seja entediante ao discursar ou na leitura, a menos que você encontre companhia que esteja satisfeita;
81° Não seja curioso para saber os relacionamentos dos outros, nem se aproxime daqueles que falam em privado;
82° Não se empenhe em fazer aquilo que não pode, mas seja cuidadoso em manter sua promessa;
83° Quando sustentar um assunto faça isso sem paixão & com discrição, no entanto seja você mesmo a fazer;
84° Quando seu superior se dirigir a qualquer indivíduo, ouça com atenção, não fale, nem ria;
85° Na presença daqueles que são superiores a você, não fale até ser solicitado, então se levante ereto, tire seu chapéu e responda em poucas palavras;
86° Em disputas, não deseje tanto derrotar os outros, assim como não dê liberdade para todos expressarem suas opiniões e submeta o julgamento à parte superior, especialmente se eles forem os juízes da disputa;
87° Deixe que sua carruagem se torne um túmulo para um homem, sente-se e esteja atento a tudo que seja falado. Não contradiga cada coisa que os outros disserem;
88° Não seja entediante em discursos, não faça muitas digressões, nem repita com frequência o mesma maneira de discursar;
89° Não fale de quem está ausente, pois isto é injusto;
E a LENDA DA CHERRY TREE de GEORGE WASHINGTON?
está nos CUPIDOS EM DEVON... Um dia falo dela...

90° Ao sentar para uma refeição, não cuspa, tussa ou assoe seu nariz, exceto se houver extrema necessidade disso;
91° Não demonstre grande prazer em obter vitórias. Não se alimente com ganância; corte seu pão com uma faca, não se apoie na mesa, nem ache defeitos no que estiver comendo;
92° Não pegue sal ou corte pão com sua faca suja;
93° Entretendo qualquer um na mesa, é decente oferecer-lhe carne. Comprometa-se a não ajudar os outros indesejados pelo Mestre;
94° Se você molhar o pão no molho, não molhe mais do que o pedaço que colocará na boca, e não assopre seu caldo na mesa, mas espere até que ele esfrie por si mesmo;
95° Não coloque sua carne na boca com a faca em sua mão, nem cuspa os caroços de nenhuma fruta no prato, ou sob a mesa;
96° É impróprio se inclinar sobre a carne, mantenha seus dedos limpos e quando eles estiverem sujos, limpe-os no canto do seu guardanapo;
97° Não coloque outro pedaço em sua boca, até que o primeiro seja engolido, não deixe que os pedaços sejam maiores que sua papada;
98° Não beba ou fale com sua boca cheia; nem observe você enquanto estiver bebendo;
99° Não beba nem muito devagar nem muito apressadamente. Antes e depois de beber, enxugue seus lábios; nem respire com muito barulho, pois isso é falta de civilidade;

100° Não limpe seus dentes com o guardanapo da mesa, garfo, ou faca, mas se os outros o fizerem, deixe que eles o façam sem espiá-los;
101° Não lave sua boca na presença dos outros;
102° Está fora de necessidade requisitar companhia frequentemente para comer; nem há necessidade de beber aos outros toda vez que beber;
103° Na companhia dos seus superiores, não demore mais tempo comendo do que eles; não descanse seus braços, mas apenas suas mãos na mesa;
104° É direito do mais importante da companhia desdobrar seu guardanapo e pegar a carne primeiro, mas ele deve começar a tempo de permitir com destreza que o mais vagaroso possa ter tempo hábil;
105° Não fique irado à mesa, aconteça o que acontecer. Se você tiver razão para ficar, não demonstre; mostre um semblante alegre, especialmente se houver estranhos, pois o bom humor faz de um prato de carne uma festa;
106° Não se coloque na cabeceira da mesa; mas se for o seu lugar, ou que o dono da casa assim desejar, não discuta, no mínimo você incomodará os companheiros;
107° Se outros falarem à mesa, seja atencioso, mas não fale com carne em sua boca;
108° Quando falar sobre Deus e de Seus atributos, fale com seriedade e com reverência. Honre seus pais naturais mesmo que eles sejam pobres;
109° Deixe que sua recriação seja máscula, não pecaminosa;
almofadas estampadas

110° Trabalhe para manter viva em seu peito aquela pequena centelha de fogo celestial chamada consciência.
**--**
E aí?
Que tal?
Com certeza algo disso será ou foi inspiração nos meus romances históricos. Já leu? Estão aqui!

Eu e Fran ainda temos mais alguma parcerias guardadas... hehe

bj, até mais.


pesquisei aqui , aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.