segunda-feira, 30 de março de 2020

Jane Austen & Kate Middleton em home office

Olá,
como está segurando as pontas? 
Eu vou indo, fazendo força para manter a lucidez.
Vem logo, moço, essas crianças estão me enchendo a paciência! Cadê os McLanche Feliz tudo???
Em home office forçado, criança + marido + gato, cozinha-lava louça-cozinha-lava louça em looping, passa pano com desinfetante na porta da geladeira-microondas-forno-maçaneta-interruptores, foge dos noticiários da TV, lê, escreve, assiste CSI, aff! Tá dureza!
E olha que as aulas on line começam hoje! 
Deus me abençoe!...

Enfim, enquanto você e eu estamos assim:
youtube
Kate Middleton, 3 filhos+marido+cachorros+coroa, está assim:
pinterest
Deus não dá asas à cobra, né?...
tenor
Vamos então admirar a coleção de livros que arrumaram bunitinho
 para fazer essa foto de terninho (rosa... eita!)
kensington royal
maioria de autores Ingleses,
entre eles dois Austen, dois Dickens, um Shakespeare; 
um clássico-dos-clássicos
um Irlandês, um americano...
Eu diria que foram escolhidos a dedo!
Pena que ela não lê em outras linguas... Poderia ter um Machadinho ali. Ou um Eça... 

Edições em Inglês ( mas com venda aqui. Já achei por R$ 30,00 na Saraiva), da direita para a esquerda:
- A casa soturna, Charles Dickens
- Morro dos ventos uivantes, Emily Brontë
- Odisseia, Homero
- O cão dos Baskervilles, Arthur Conan Doyle
- O retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde
- Middlemarch, George Elliot
- Tess d'Os D'Ubervilles, Thomas Hardy
- Moby Dick, Herman Melville
- Abadia de Northanger, Jane Austen
- Razão e sensibilidade, Jane Austen
- Sonetos de amor, William Shakespeare
- Conto de Natal e outras histórias, Charles Dickens

Mais arrumadinho para melhor leitura.

Já foi dito que elas dividem origem em 20º grau ou sei-lá-como isso é contado. Pessoalmente acho forçação de barra para fazer a moça simpática ao público feminino. 
JA em português

Mas, à primeira vista, parece que a coleção de livros lindos do mesmo tamanho - que belo cenário, né? Amay. #inveja - são todos de Austen porque os dela são so mais bonitos desta coleção. Mas dá pra ver que é bem variado.

A coleção da Penguin chama-se 'Clothbound classics', Clássicos encadernados em tecido gravado. Olha Sanditon como é uma lindeza de parassóis! Emma de cadeirinhas, O&P de pavões!... Há! Por falar nisso,
cadê Orgulho & Preconceito, Duquesa Kate?
giphy
Não gosto dessa ignorância, não, viu Kate.

Só nos resta economizar para comprar uma coleção igual - o tailleur rosa, eu dispenso...

E enquanto vc não junta a grana, 
pode comprar meus livros em versão brochura
em promoção de Quarentena!
Add caption

por inbox, mail, sinal de fumaça
bj

quarta-feira, 25 de março de 2020

PODCAST NOVO no ar: quarentena Austen Nation

Olá!
Depois de um longo verão reconheçamos a conversa de Amigas Darcy sobre tudo e mais um pouco de Austen Nation.

Neste primeiro episódio da 2a temporada falamos do final mal parado de Sanditon - a mini-série, do filme Emma, de ficar em casa em companhia de Jane. Parece pouco, mas tem muita opinião e informação no meio disso.
Recepção dessas produções no mercado americano e como isso não influiu no desenvolvimento das produções,  a flopada de Emma por conta do Covid, Mulherzinhas,   Saoirse Ronan, Timothée Chalamet, Anya Taylor-joy e Mr Darcy. 

Vem ouvir e conversar conoaco, cada uma em seu quadrado!
Link do SPOTIFY.
OUTROS episódios do Café com Jane Austen.
Links do que foi discutido & indicado neste episódio:
Minissérie - Sanditon (2019): https://imdb.to/2lHSzSw
Filme - Emma (2020): https://imdb.to/33W3Hxv
Revista LiterAusten (publicação online): https://bit.ly/2UC8RKI
Querida Jane Austen - Vários Autores (livro): https://amzn.to/2QDZRDy
Curso sobre Jane Austen - Future Learn (online): https://bit.ly/3aptbWs
Romances Gratuitos - Blog Moira Bianchi: https://bit.ly/2y3t700
Jennifer Ehle no Instagram: @ehle_jennifer
#VirtualJaneCon (Drunk Austen): https://bit.ly/2wsthOj
Razão e Sensibilidade - Jane Austen (livro): https://amzn.to/2QFm0Bx
Austenlândia (filme): https://imdb.to/2UfYE7D
Austenlândia - Shannon Hale (livro): https://amzn.to/2QI3QPG
Meia-Noite na Austenlândia - Shannon Hale (livro): https://amzn.to/2Jh2RS9
Canal da Eneida Queiroz (Youtube): https://tinyurl.com/rg8f8kw
Jane Eyre (minissérie): https://tinyurl.com/ya5smmwk
Jane Eyre - Charlotte Brontë (livro): https://tinyurl.com/t6c5lf6
Adoráveis Mulheres (filme): https://tinyurl.com/ubqwarm 

Mulherzinhas - Louisa May Alcott (livro): https://tinyurl.com/rxcbtmp

quinta-feira, 19 de março de 2020

Cursos livres par fazer online

Olá, 
trago boas sugestões de cursos ligados à literatura e à arte. Tudo grátis. Tudo online.


Você pode estar pirando como eu, ou pode estar numa nice

Para ambos os casos, ocupar a mente & levar algo de bom dessa loucura é ótimo. 
Vamos lá?

Fiquei interessadas em vários! Mas o de Austen não está disponível...
- Introdução à escrita criativa
- Introdução à história da arte
- Introdução ao storytelling
- Neurociência e comunicação não-violenta
- Os grandes clássicos do cinema
- Leonardo da Vinci
- Encontros e desencontros no sexo
- Relações humanas hoje
- Cem anos de solidão
- Dom Quixote
- Dom Casmurro


- Como Gastar Conscientemente
- Como organizar o orçamento familiar
- Fundamentos de Marketing
- Introdução à negociação

- Planejamento e Estratégia para Gestão Escolar


- Tecnologia da Informação e Comunicação
- Propriedade Intelectual

- Empreendedorismo
- AE – Aprender a Empreender
- CVMM – Como Vender Mais e Melhor
- D-Olho na Qualidade: 5Ss para os pequenos negócios
– Gestão da Inovação
– Controlar Meu Dinheiro
– Planejar
– Empreender
– Comprar
– Unir Forças para Melhorar

– Vender


Harvard, MIT, etc (em Inglês e Espanhol)
Já fiz alguns aqui. São excelentes.
- How to Write a Novel: Writing the Draft
- How to Write a Novel: Edit & Revise
- The Book: The History of the Book in the 17th and 18th Century Europe
- The Book: Book Sleuthing: What 19th-Century Books Can Tell Us About the Rise of the Reading Public?
- Poetry in America: The Civil War and Its Aftermath
- Ancient Masterpieces of World Literature
- Modern Masterpieces of World Literature
- Designing and Creating Skirts
- Caligrafía y paleografía: espacios históricos para su estudio y práctica
- European Paintings: From Leonardo to Rembrandt to Goya
- The Spain of Don Quixote
- Hollywood: History, Industry, Art
- Drawing Nature, Science and Culture: Natural History Illustration
- Global Shakespeares: Re-Creating the Merchant of Venice

- Art and Design in the Digital Age


(em Inglês)
Já fiz alguns desses, são maravilhosos! Mas bem trabalhosos.
- Jane Austen: Myth, Reality and Global Celebrity
- How to read a novel
- Start writing fiction
- Discovering Science: Science Writing
- Empire: the Controversies of British Imperialism
- Rome: A Virtual Tour of the Ancient City
- Working Lives on Britain's Railways: Railway History and Heritage
- From Waterloo to the Rhine: The British Army 1815-1945
- The Tudors

E mais!
Se você, diferente de mim, conseguir produzir algo, a adorável revista da JASBRA está recebendo artigos! Caramba, que bacanice nesses dias de uó!
Se só conseguir ler, aqui e aqui estão os meus artigos 
em edições anteriores.

Vamos aproveitar esses dias de isolamento social
da melhor maneira possível, né?

Estou colocando FREE alguns títulos de ebook
fica de olho no instagram, twitter e facebook
já me segue lá?

#diasMelhoresVirão

segunda-feira, 16 de março de 2020

Genial quarentena de Shakespeare

olá,
Por conta do coronavairus vivemos dias de isolamento social, nome bonitinho para o famoso "vamos marcar de sair!..."  

No meio da torrente de informações e memes, foi o Twitter que me chamou atenção sobre Shakespeare em quarentena, sem pressão...
'Se distanciamento social está te deixando para baixo, lembre-se que Shakespeare provavelmente
escreveu Rei Lear, Macbeth e Antônio e Cleópatra durante a quarentena da praga
entre 1605 e 1606. - do Twitter
Claro, isso botou todo mundo na berlinda,
e não tem vírus nem praga que resista à zoeira!...

Tanto ti-ti-ti, fui procurar e achei um zilhão de fontes... O cara zerou a vida em 1606.

Há um livro específico sobre isso, The year of Lear (O ano de -rei- Lear). Na BBC rádio, o resumão serve para o que vou falar, olha: 'Um surto de peste ameaçou o meio de vida de William Shakespeare quando os teatros foram fechados. Forçado a mudar estilo de vida, ele começou um ano extraordinário. Desde o outono de 1605, quando ele pegou uma peça elizabetana antiga e anônima, A histórica crônica do Rei Leir, e a transformou em sua tragédia mais arrepiante, o REI LEAR1606 provou ser um ano especialmente sombrio para a Inglaterra, testemunhando as conseqüências sangrentas da trama da pólvora*, divisões sobre a União da Inglaterra e Escócia e um surto de peste. Mas acabou sendo excepcional para Shakespeare que, antes do final do ano, completou duas outras grandes tragédias jacobianas que dialogaram diretamente com esses tempos difíceis: MACBETH e ANTÔNIO E CLEOPATRA.

Eu que tenho três projetos em andamento, vou tentar dar conta dessas enterprises no período de isolamento social que começamos hoje aqui no Rio. É um tipo de quarentena: 15 dias de escolas, faculdades, cinemas, feiras. Mas a comparação com Shakespeare é cruel mesmo... Nem vou lá!



Neuras a parte, o assunto é bacana de pesquisar, olha:
WILLIAM SHAKESPEARE, o bardo 
(também O Bardo de Avon. É chamado assim por ser considerado o maior poeta que já viveu. Bardo= poeta, trovador) nasceu e foi criado em Stratford-upon-Avon, Warwickshire, Inglaterra - é uma cidade pequena a 1,5h de Londres. Aos 18 anos, ele casou-se com Anne Hathaway (não a atriz de Becoming Jane - Amor e inocência...), com quem teve três filhos. Em algum momento entre 1585 e 1592, ele iniciou uma carreira de sucesso em Londres como ator, escritor e sócio de uma companhia de teatro chamada Men's Chamberlain's Men, mais tarde conhecida como King's Men. Aos 49 anos (por volta de 1613), ele parece ter se aposentado em Stratford, onde morreu três anos depois. 
Shakespeare produziu a maioria de seus trabalhos conhecidos entre 1589 e 1613. Suas primeiras peças foram principalmente comédias e histórias e são consideradas como algumas das melhores obras produzidas nesses gêneros. Até cerca de 1608, ele escreveu principalmente tragédias, entre elas Hamlet, Othello, King Lear e Macbeth, todas consideradas entre as melhores obras da língua inglesa. Na última fase de sua vida, ele escreveu tragicomédias (também conhecidas como romances) e colaborou com outros dramaturgos. Aqui você acha a cronologia das obras, desde A megera domada (meu favorito) a Dois primos nobres
Muitas das peças de Shakespeare foram publicadas em edições de qualidade e precisão variadas em sua vida. No entanto, em 1623, dois colegas atores e amigos de Shakespeare, publicaram um texto mais definitivo, conhecido como First Folio (primeira folha), uma edição póstuma dos trabalhos dramáticos de Shakespeare que incluía apenas duas de suas peças. (wiki)

Em sua época, a Inglaterra (e o mundo) vivia sob a ameaça da praga, ou a peste bubônica. Shakespeare teve muita sorte em conseguir evitar a doença - hoje se especula que ele desenvolveu imunidade de alguma forma. Quando criança, ele estava sempre na sala da lareira e como as pulgas vindas dos ratos (fonte de contaminação desconhecida na época) não se aproximavam do calor do fogo, ele sobreviveu. É por isso que se diz que o grande incêndio de Londres (de 2 a 6 de setembro de 1666) removeu a peste negra porque queimou os ratos e a peste. 
Ninguém sabe ao certo quantos familiares, amigos, colegas atores e conhecidos de Shakespeare morreram da Peste Negra, mas dado o número de parentes próximos que morreram, deve ter sido um número significativo.

Mas, o que era essa doença?
a PRAGA
Ainda há um debate sobre o que essas 'pragas' ou 'pestes' realmente foram. A maioria dos especialistas acredita que a praga que atingiu Londres entre 1300 e o final de 1600 foi a peste bubônica. O termo "Peste Negra" foi usado pela primeira vez em 1800, na era medieval era usado o termo 'Grande Pestilência'.

A peste bubônica, peste negra, grande pestilência é uma doença de roedores, principalmente ratos pretos quando em grandes colônias. É passado entre eles por suas pulgas e quando um rato morre, elas precisam encontrar um novo hospedeiro para viver e se o novo hospedeiro for uma pessoa, a doença também pode se espalhar para os seres humanos. Se isso acontecer. 60 a 80% desses morrem, a maioria dentro de uma semana e por ser altamente transmissível, o círculo familiar é o meio mais vulnerável. Em alguns casos, famílias inteiras morriam. 
Sintomas eram: 
-dores de cabeça, 
-febre, vômitos, 
-inchaços dolorosos no pescoço, axilas e virilha (bolhas), tosse com sangue. 
Muitas pessoas acreditavam que a praga se espalhava pelo ar, então fumavam tabaco para impedir a entrada de ar ruim nos pulmões ou fumigar a casa com ervas para purificar o ar. Isso talvez até ajudasse porque afastavam ratos. Outras possíveis curas eram:
-esfregar cebolas, ervas ou uma cobra ou um pombo cortado no infectado,
-beber vinagre, comer minerais amassados, arsênico, mercúrio ou até melaço velho de dez anos antes,
-sentar perto de uma fogueira para expulsar a febre.
Médico da praga
O bico da máscara tinha a função de purificar o ar
pic de literary genius

Havia um sem número de crendices e estigmas a cada surto. As pessoas acreditavam que era punição de Deus por seus pecados e saíam em procissões se açoitando. E evitando o teatro... Um pregador Elizabetano proclamou que, porque "a causa das pragas é pecado" e "a causa do pecado são peças de teatro", então "a causa das pragas são peças de teatro". (!!)
Funerais só podiam ocorrer à noite, casas infectadas tinham que pendurar feno em postes, nas portas eram afixados crucifixos molhados em óleo, etc.
O médico francês Alexandre Yersin descobriu a bactéria que causa a peste bubônica só em 1894. Em 1908, os especialistas perceberam que as pulgas de ratos espalharam peste. 
Em 1347, chegou à Inglaterra uma notícia horripilante de doença incurável que se espalhava da Ásia pelo norte da África e Europa. Quando a morte atingiu Londres no outono de 1348, ninguém sabia como parar a doença. Durante os próximos 18 meses, ela matou metade dos Londrinos - talvez 40.000 pessoas.
Havia tantos mortos que eram cavadas valas comuns e nessas trincheiras os corpos eram empilhados um em cima do outro - até cinco por profundidade - com crianças sendo colocadas nos pequenos espaços entre adultos. Em 1350, a Peste Negra havia matado milhões de pessoas, possivelmente metade da população do mundo conhecido.
A Peste Negra de 1348 e a Grande Praga de 1665 são apenas dois dos quase 40 surtos que Londres sofreu entre 1348 e 1665. Um grande surto da doença ocorria aproximadamente a cada 20-30 anos, matando cerca de 20% da população de Londres por vez.
As pessoas tinham particularmente medo da praga, porque suas vítimas morreram tão rapidamente e pouquíssimos se recuperaram. O pior ataque de peste ocorreu em 1563, quando quase um quarto da população de Londres doentes nas ruas, outros se recusavam a ajudar amigos e familiares. Samuel Pepys escreveu em seu diário: 'a praga está nos tornando cruéis como cães.'
A vida e os negócios das pessoas sofriam terrivelmente porque muitos estabelecimentos eram fechados e pessoas eram obrigadas a sair de Londres durante a quatentena. Uma testemunha ocular disse que Londres ficava tão quieta que todo dia era como um Domingo e grama começava a crescer nas ruas. Muitos eram forçados a implorar ou roubar comida e dinheiro porque a praga teve um efeito devastador em toda a sociedade. 

A Grande Praga de 1665 foi a última grande praga na Inglaterra e permaneceu até o último caso relatado em 1679, 14 anos. 

E AS VÍTIMAS DA PRAGA?
Algumas igrejas cuidavam das vítimas da peste bubônica; 'mulheres sábias', um tipo de curandeiras, eram como enfermeiras; Barbeiros atuavam como cirurgiões/médicos; boticário/apotecários vendiam remédios; mas somente ricos recebiam atenção de um médico (imagem acima). O traje extravagante dos médicos realmente era de alguma proteção pois a máscara bizarra protegia suas cabeças e rostos das mordidas de pulgas, assim como vestidão preto (ou capa), botas e luvas. 

de volta a Shakespeare...
No caso de Shakespeare, houveram vários surtos no início do século 17, 1593, 1603, 1606, 1608. Seu teatro foi fechado várias vezes, assim como outros locais de entretenimento Elizabetano, e a companhia de teatro passou a correr o interior do país atrás de trabalho, porque sabe comé, né? Em isolamento social, mas os boletos continuam chegando...
Com isso ele começou a ter muito tempo livre, longas viagens de carroça e carruagem, e mente vazia é oficina da criatividade.
Mesmo sem ser infectado fisicamente, ele perdeu suas irmãs Joan, Margaret (ainda bebês) e Anne (7 anos) e seu irmão Edmund (27 anos) vítimas da praga. Mas a maior perda para William Shakespeare foi seu único filho, Hamnet, que morreu aos 11 anos de idade. Tantas pessoas de apenas uma família (o número aumentou após a morte de Shakespeare quando seus netos, Shakespeare Quiney morreram na infância, com 6 meses de idade, em maio de 1617, e seus irmãos Richard e Thomas Quiney morreram da praga com 19 e 20 anos de idade ).

Alguns biógrafos atribuem as reviravoltas na carreira de Shakespeare ao seu estado psicológico (apaixonado quando escreveu comédias e sonetos, deprimido nas tragédias e de luto em Hamlet). Sem surpresa, ele mostrou em suas obras a influência social da doença, com certeza ele viveu com medo da praga . 



Romeu e Julieta
*spoilers, aviso logo

Muito interessante o artigo da Slate que detalha como Shakespeare menciona sem mencionar a peste (praga) em Romeu e Julieta. Assim como Jane Austen fala da guerra sem falar em Orgulho & Preconceito quando ela coloca a milícia em Meryton, ele aqui não menciona diretamente a doença porque era algo comum naqueles dias.
Austen não contou que a milícia que Wickham fazia parte era um exército secundário formado de civis para proteger o país enquanto os soldados de verdade, de profissão, lutavam contra Napoleão; era algo corriqueiro. Mal visto pelos mais sensatos, adorado por louquetes como Mrs Bennet e Lydia, a milícia tinha em seus números muitos escroques, condenados por crimes menores, agressores sexuais, ladrões até.  
Em Shakespeare, a ameaça da praga era dia-a-dia para eles, seria desnecessário explicar tudo que falei acima para que entendêssemos o risco que o Frei John correria levando a carta de Frei Laurence para Romeu. Lembra que ele ficou preso em quarentena?... 
Olha esse resumão: 
~ o básico da trama: Romeu e Julieta eram de famílias rivais; se apaixonam; morrem. Certo.
Há poucas menções à praga em toda a peça. Cito Mercúcio, amigo de Romeu:
Ato 1, Cena IV
"Os lábios das donzelas sonham beijos,

Mas Mab, zangada, faz nascerem bolhas"
O’er ladies’ lips, who straight on kisses dream,

Which oft the angry Mab with blisters plagues
(plague aqui é verbo)


Ato 3, Cena I
"Estou ferido.
Danem-se as suas casas. ’Stou morto.
Ele se foi, ileso?"
I am hurt.
A plague o’ both your houses. I am sped.

Is he gone, and hath nothing?

Viu como ele fala sem dizer?
pinterest

Bem, ainda no Ato 3 há um assassinato: Romeu mata o primo de Julieta e assassino de Mercúcio, Teobaldo, que deveria se casar com Paris que era apaixonada por Romeu. Dá ruim porque a família de Romeu é o inimiga jurada da de Julieta e por isso ele (Romeu) é banido. Julieta não sabe o que fazer e procura Frei Laurence que acha maneira de acabar com a rixa entre Capuletos e Montéquios: ele vai casar com Romeu e Julieta! Assim traça o tal plano mirabolante famosão: Juju bebe uma poção que a faça dormir por tanto tempo (42 hs) que sua família achará que ela está morta - rivotril que fala, né baby? Ao mesmo tempo, o Frei escreve uma carta explicando o esquemão e Frei John entrega a Romeu na cidade de Mântua onde está escondido. Romeu então volta furtivamente e rouba 'o corpo' de Julieta e quando ela finalmente acordar, eles se casam e vivem felizes para sempre. O que poderia dar errado, né? 
Aliás...
No rivotril de Julieta 
especula-se que havia belladonna, mandrágora, absinto, artemísia e hidrato de cloral - o que não se sabe se já havia na época. De qualquer forma, tudo muito perigoso.
De BELLADONNA eu já brinquei em 9 VEZES ORGULHO E PRECONCEITO.
HIDRATO DE CLORAL está n' O ALIENISTA (de Caleb Caar, não o de Machadinho) que eu adorei a série e estou lendo o livro. Provavelmente vou postar algo aqui, mas ainda não tenho inteligência emocional para falar daquela Nova Iorque.
giphy

Enfim...
Julieta bebe a poção, a família acha que ela está morta. Romeu volta furtivamente para vê-la. Até aí, tudo bem. Mas tudo vai por água abaixo por causa da parte mais segura - supostamente: Frei John, o 'carteiro', mas ele  nunca chega a Mântua. 
O que acontece é uma série de eventos infelizes, lei de Murphy. 
Por que Frei John não entregou a carta de Frei Laurence a Romeu? 
Porque fica preso em quarentena por ter encontrado com um amigo que cuidava de doentes e um vigilante achou que os dois haviam tido contato com a praga, por isso trancafiou os dois em quarentena. A praga é a reviravolta que transforma a mais famosa história de amor já contada em uma tragédia.
Shakespeare estava sendo propositadamente obtuso usando linguagem velada, porque o subtexto teria sido óbvio naquela época. Mencionar a praga era o equivalente a explicar o que é um tweet. "Era onipresente", diz James Shapiro, professor da Universidade Columbia. "Todo mundo na época sabia exatamente o que essas uma ou duas linhas significavam."
O resto você sabe: Romeu acha que Julieta está morta e se mata. Julieta acorda de sua morte falsa e descobre que Romeu está morto de verdade. Ela se mata. Fim.

Mas essa referência sutil em Romeu e Julieta foi apenas uma das muitas que Shakespeare usou a praga em suas obras durante a vida.
Há muito se pensa que Shakespeare se voltou para a poesia quando a peste fechou os teatros em 1593 quando ele publicou Vênus e Adônis, no qual a deusa pede um beijo a um menino lindo, "para limpar a infecção do ano perigoso" , Pois, ela afirma, "a praga é banida por sua respiração".
estrofe 508
“Por muito tempo eles se beijem por esta cura!
Oh, nunca deixe suas vestes carmesim se desgastarem,
E enquanto duram, a verdura ainda persiste,
Para controlar a infecção do ano perigoso:
Que os observadores de estrelas, tendo escrito na morte,

Pode-se dizer que a praga é banida por sua respiração."
“Long may they kiss each other for this cure!
Oh never let their crimson liveries wear,
And as they last, their verdure still endure,
To drive infection from the dangerous year:          
That the star-gazers, having writ on death,

May say, the plague is banish’d by thy breath."

Shapiro aponta referências à praga e suas feridas borbulhantes, chamadas de "símbolos de Deus" (God's tokens), em várias obras de Shakespeare inclusive no ano do Rei Lear. Em Antônio e Cleópatra, um soldado romano teme que seu lado se pareça "com a pestilência simbólica / onde a morte é certa".
"Eno. Como aparece a luta?
Scarus. Em nosso flano, como o sinal da Pestilência,
Onde a morte é certa. ...
(A brisa contra ela) como uma vaca em Iune,
Guindastes de vela e de mosca"
"Eno. How appeares the Fight?
Scarrus. On our side, like the Token'd Pestilence,
Where death is sure. ...
(The Breeze vpon her) like a Cow in Iune,

Hoists Sailes, and flyes"

E muitas outras...

A lição mais animadora da época de Shakespeare é que os teatros provavelmente sobreviverão a essa nossa praga, o coronavirus, e reabrirão de novo e de novo. Também o comércio, os serviços, a economia, nossa sanidade.
Terminado cada surto da praga, a população de Londres se recuperava surpreendentemente rápido. Novas pessoas vinham de todo canto, do interior, de outras áreas, assumir empregos deixados vagos por aqueles que pereceram e há até registro de aumento repentino do número de casamentos e nascimentos.


giphy

Aliás, você lembrava que Mr. Darcy Colin Firth está no filme Shakespeare apaixonado?
Ótimo programa para esses dias de quarentena...
Também um romance du bom...
Escolhe aqui!

e não esquece do básico...
canaltech



outras curiosidades & pesquisas históricas, aqui


pesquisei aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui

quarta-feira, 11 de março de 2020

RAPs de Jane Austen 3 - Biografia musicada de Jane Austen

é o que?
Sim, miga Janeite, RAP!
hey, ho, Darcy é um amô


A rainha de popularidade, Regina George da literatura, não poderia escapar de paródias, repentes e poesias. Né?
RAP - rhythm and poetry ou ritmo e poesia - é um ritmo musical que une rimas + fala ritmada + linguagem popular. Traduzindo para o Português, é igual ao repente.

Eu gosto muito de Snoopy Doggy Dog - ou seja lá como ele se chama hoje em dia. Drop it like it's hot me parece algo que Lizzy Bennet cantaria para Darcy...
E se um babaquinha vier de caô pra cima de você
Abandona como se estivesse quente (na mão)
Abandona como se estivesse quente

Abandona como se estivesse quente
giphy


Bem, aqui eu estava fuçando a internet atrás de regras sociais para promessas quebradas no século 19 e achei uma coisa,
daí cliquei em outra, que puxou um assunto e
fui dali para outro e quando vi...
achei 'JANE AUSTEN RAP'
ah, vá!...
E sabe do que mais? Vários!

Vou te mostrar os que achei mais curiosos relevantes.
History bombs! - biografia de Austen

Para todos eu posto a transcrição e tradução (minha, livre)
Divirta-se...


Essa do History bombs! é o clip que mais gostei. Conciso, bem humorado, curto. A History Bombs é uma empresa de mídia inovadora do Reino Unido que produz conteúdo educacional premiado para envolver e inspirar públicos de todas as idades, especialmente para ajudar professores de história. Dizem que são apaixonados por capacitar educadores com conteúdo de alta qualidade, projetado para aumentar a compreensão e o envolvimento dos alunos. 
A série toda tem várias personalidades e acontecimentos da história, mas de Austen são especialmente bacanas. Além desse rap, há um especial de achar um namorado (a) no século 21 pelos olhos de Austen. Há!


>> A história de Jane Austen (resumida) <<

*jardim*
DARCY: Ah! Miss Bennet. Como estão seus pais?
ELIZABETH: Sr. Darcy, fale mais claramente. Não me amas?
DARCY: Ah, por favor, com licença. * foge *
ELIZABETH: Hein?
APRESENTADOR: Senhoras e senhores, é hora de uma heroína genuína com prosa definitiva nos problemas da sociedade, suas opiniões ainda estão ecoando, mas por que essa jovem inglesa é tão atemporal?
LEITORA: Porque os homens modernos ainda estão covardes!
APRESENTADOR: Vamos descobrir, sim? Aqui começamos a  história bombástica de Jane Austen!
* dentro de casa *
DIRETORA ESCOLA: Jane e Cassandra, parem de cochichar.
Eu nunca tive duas irmãs tão espirituosas!
AUSTEN: Je suis desole [sic] Madame La Tournelle
CASSANDRA: Ou melhor, senhorita Hackett, como sabemos bem!
DIRETORA: Senhorita Austen, você tem muita imaginação. E uma inclinação travessa.
Oh, queridas meninas, eu tenho más notícias, seu pagamento está bastante atrasado.
APRESENTADOR: Jane Austen nasceu em Steventon, Inglaterra, em 1775. Aos 10 anos, ela frequentou o internato com sua irmã, Cassandra, sob a orientação de uma diretora enigmática que tinha uma perna postiça misteriosa. No entanto, incapaz de pagar as taxas escolares, Jane logo voltou para casa, onde continuou seus estudos na biblioteca do pai.
AUSTEN: Oh, Cassandra, estou consternada! 
As mulheres na ficção são tão fracamente retratadas.
Todos os suspiros e sorrisos e adoração incapaz de mais do que paixão!
CASSANDRA: Bem, Jane, se você se acha tão inteligente
Por que não ver se você pode fazer melhor?
AUSTEN: Ah sim! Que desafio excelente. Vamos ver quantas eu consigo fazer desmaiar!
APRESENTADOR: Na adolescência, Jane escreveu mais de 90.000 palavras, principalmente poemas e histórias. Ela também escreveu uma paródia da história da Inglaterra.
Boa ideia!
Ela também criou numerosas peças amadoras para entreter sua família exibindo grande talento para comédia e sátira.
CASSANDRA DE CARTOLA: Senhorita Pennyweather, você deve me achar fascinante
Você não está impressionada com a minha dança épica?
Em Londres, observei uma dança de paixão
Garanto que esta é a última moda!
AUSTEN ATUANDO: Sr. Jackson, quem você acha que está impressionando?
Sua vermelhidão na bochecha é bastante angustiante!
CASSANDRA: Claramente, você nunca testemunhou tal talento!
AUSTEN: Bastante. Gostaria que eu arranjasse uma cadeira para você?
APRESENTADOR: A própria Jane logo começou a receber convites para bailes na área de Hampshire. Dado o seu ambiente rural, estes eram frequentados por um grupo familiar de famílias conhecidas. No entanto, aos 20 anos de idade, ela faria um novo conhecido: um jovem aspirante a advogado irlandês que teve uma grande influência nela.
* Jane esbarra em um homem *
LEFROY: Peço desculpas, a culpa foi minha.
Posso ter a ousadia de perguntar seu nome?
AUSTEN: Ah, claro, sim senhor, eu sou Jane Austen.
Você vem a bailes frequentemente em Hampshire?
LEFROY: Ah, senhorita Austen! Eu ouvi grandes coisas
da minha tia em Ashe, a quem estou visitando.
AUSTEN: Oh, a Sra. Lefroy, ela é tão gentil e honesta
LEFROY: Na verdade, eu sou sobrinho dela.
Meu nome é Thomas.
APRESENTADOR: Apesar de seu carinho genuíno, a família de Tom Lefroy não aprovou seu relacionamento. Jane começou a escrever uma nova história na qual suau protagonista inteligente, mas pobre, supera seu status social para se casar com Colin Firth - quero dizer, Sr. Darcy, publicado mais tarde como Orgulho e Preconceito.
* Baile de orgulho e preconceito *
ELIZABETH: Sr. Darcy, você tem um coração de vidro
ou apenas algo preso na sua bunda?
DARCY: Ah! Perdoe-me Miss Bennet, meus olhares solenes,
Pedirei desculpas profusamente até o final do livro.
ELIZABETH: Bem, até então, vamos conversar educadamente.
Você já reparou que este baile se dispersou totalmente?
DARCY: Então eu lhe desejo boa noite, Elizabeth,
meus sentimentos por você transbordam.
ELIZABETH: O que?
APRESENTADOR: Casamento, amor e riqueza continuaram sendo temas-chave nos romances de Jane. Ela também gostava de zombar de vários personagens obcecados com status social e conexões nobres. Com 25 anos, ela se mudou com seus pais para Bath, na moda, e iria mais tarde, empregar a cidade como pano de fundo notável em seus romances.
*Persuasão*
SIR ELLIOT: Ha! A viscondessa Dalrymple chega em Bath.
ELIZABETH ELLIOT: Nossa relação mais nobre! Talvez nós cruzemos caminhos. 
Ou talvez ela pense em nos visitar
SIR ELLIOT: Oh, por favor Deus, que ela não nos despreze!
* Abadia de Norhtanger *
Mr TILNEY: Senhorita Morland, eu me declaro magoado
Você escolheu não se juntar a mim na caminhada.
Devo concluir que não significo nada para você?
CATHERINE: Ah não! Pelo contrário.
Permita-me te beijar!
APRESENTADOR: Aos 30 anos, após a morte de seu pai, Jane mudou-se para a propriedade do irmão em Chawton, Hampshire, que ele havia herdado da família Knight que o adotou. Foi ali que Jane teve tempo de se concentrar em seus romances publicando quatro em sua vida. Ao lidar com sua editora, ela não aceitava ser enrolada.
EDITOR: suas vendas inconstantes apresentam um dilema,
Pagarei 450 libras pelo direito de Emma.
AUSTEN: Sr. Murray, eu te declaro um trapaceiro
Orgulho&Preconceito provou que minha ficção está em voga.
EDITOR: Sim, mas esta é uma aposta assustadora,
minhas maiores vendas são história, memórias e viagens.
AUSTEN: Bem, nesse caso, bom senhor, eu vou me publicar.
Não tenho dúvida de que ele voará da prateleira!
APRESENTADOR: Infelizmente para Jane, as vendas de Emma eram baixas, na verdade, ela ganhou apenas 650 libras de seus romances no total. Publicar como 'Uma dama' também significava que ela não foi uma autora célebre em sua vida. 
Jane ficou doente e mudou-se para Winchester, onde ela morreu com apenas 42 anos. 
Mas nos 200 anos desde sua morte, seu trabalho se tornou imensamente popular.
* S & S 1995 *
EDWARD FERRARS: Eu não sou casado, sou seu Eleanor.
Rápido, comece a chorar e você poderá ganhar um Oscar!

* Emma 2009 *
EMMA: Oh, senhor Knightley, eu sempre te amei
Ou pelo menos desde ontem, isso é verdade.

* MP 2007 *
EDMUND: Ah, mas Fanny, você me ama?
FANNY: Ah, sim, Edmund, como mel para a abelha!

* Diário de Bridget Jones 2001 *
DARCY: mas realmente Bridget, como estão seus pais?
LEITORA: Ah, cale a boca o Darcy e me dê um beijo!

APRESENTADOR: Apesar de não ter tido grande repercussão em vida, Austen se tornou uma pioneira. Considerada agora um titã literária, um ícone feminino corajoso e britânico. Da escrita peças da infância em família, para sucessos de vendas, uma célebre autora mundial, nada mal para a filha de um reverendo de Hampshire.
* bang *
CAVALHEIRO: Pelo amor de Deus! O que está acontecendo lá fora?
Deve ser um francês
ELIZABETH: um zumbi. * mostra uma arma *
* Orgulho e Preconceito e zumbis 2016 *
CAVALHEIRO: um zumbi?
ELIZABETH: Eu cuidei disso.



>> original <<
History bombs!

History of Jane Austen (in One Take) | History Bombs
*garden*
DARCY: Ah! Miss Bennet. How are your parents?
ELIZABETH: Mr. Darcy, speak plainer. Do you not love me?
DARCY: Ah, please excuse me. *flees*
ELIZABETH: Huh?
PRESENTER: Ladies and gentlemen, it's time for a genuine heroine with definitive prose on society's woes, her flows are still echoing but why is this young English woman 
so timeless?
READER: 'Cos modern men are still spineless!
PRESENTER: Let's find out, shall we? Here we begin the history bomb of Jane Austen!
*inside the house*
HEADMISTRESS: Jane and Cassandra, quit your whispers
I've never had two more spirited sisters!
AUSTEN: Je suis desole [sic] Madame La Tournelle
CASSANDRA: Or rather Miss Hackett as we know well!
HEADMISTRESS: Miss Austen, you have quite the imagination
And a mischievous inclination.
Oh dear girls, I have bad news,
Your tuition fees are quite overdue.
PRESENTER: Jane Austen was born in Steventon, England in 1775. At the age of 10 she attended boarding school with her sister, Cassandra under the guidance of an enigmatic headmistress With a mysterious cork leg. However unable to afford the school fees Jane soon returned home where she continued her schooling in her father's library.
AUSTEN: Oh, Cassandra, I am dismayed!
Women in fiction are so weakly portrayed.
All sighs and smiles and adoration
incapable of more than infatuation!
CASSANDRA: Well Jane, if you think yourself so clever
Why not see if you can do better?
AUSTEN: Oh, yes! What an excellent challenge
Let's see how much swooning I can manage!
PRESENTER: In her teenage years Jane wrote over 90.000 words mainly poems and stories satirising popular romantic novels.She even wrote a parody of 'The history of England'.
Nice idea!
She also created numerous private theatricals to entertain her family displaying great flair for comedy and satire.
CASSANDRA WITH A TOP HAT: Miss Pennyweather, you must find me entrancing
Are you not impressed with my epic dancing?
In London I observed such a dance of passion
I assure this is the latest fashion!
AUSTEN ACTING: Mr Jackson, who do you think you're impressing?
Your redness of cheek is rather distressing!
CASSANDRA: Clearly you have never witnessesd such flair!
AUSTEN: Quite. Would you like me to get you a chair?
PRESENTER: Jane herself soon began receiving invitations to balls in the Hampshire area. Given her rural setting, these were often attended by a familiar group of locals. However, at the age of 20, she would make a new acquaintace: an aspiring young Irish lawyer who had quite an effect on her.
*Jane bumps into a man*
LEFROY: I do apologise, I am to blame.
May I be so bold as to ask your name?
AUSTEN: Ah, why yes Sir, I'm Jane Austen.
Do you dance in Hampshire often?
LEFROY: Ah, Miss Austen! I've heard great things
from my aunt in Ashe whom I'm visiting.
AUSTEN: Oh, with Mrs. Lefroy, she's so kind and honest
LEFROY: Indeed, I'm her nephew.
My name's Thomas.
PRESENTER: Despite their genuine affection, Tom Lefroy's family did not approve of their match as Jane's family had no money.Jane soon began writing a new story in which her intelligent but poor protagonist does overcome her social status to marry Colin Firth- I mean, Mr. Darcy, later published as Pride and Prejudice.
*Pride and Prejudice ball*
ELIZABETH: Mr. Darcy, have you a heart of glass
or merely something stuck up your ass?
DARCY: Ah! Forgive me Miss Bennet, my solemn looks,
I will apologize profusely by the end of the book.
ELIZABETH: Well, until then let us politely converse.
Have you noticed this ball has fully dispersed?
DARCY: Then I bid you good evening, Elizabeth,
my feelings for you do overfloweth.
ELIZABETH: What?
PRESENTER: Marriage, love and wealth remained key themes throughout Jane's novels. She also enjoyed poking fun at a number of characters obsessed with social status and noble connections.
At the age of 25 she moved with her parents to highly fashionable Bath and would later employ the city as a notable backdrop within her novels.
*Persuasion*
SIR ELLIOT: Ha! Viscountess Dalrymple arrives in Bath.
ELIZABETH ELLIOT: Our most noble relation! Perhaps we'll cross paths.
Or maybe she'll thibk to call upon us
SIR ELLIOT: Oh, please God, let her not snub us!
*Norhtanger Abbey*
Mr TILNEY: Miss Morland, I declare myself to be hurt
You chose not to join me at the concert.
Should I conclude I mean nothing to you?
CATHERINE: Oh, no! On the contrary.
Allow me kiss you!
PRESENTER: At the age of 30, following the death of her father, Jane moved to her brother's estate in Chawton, Hampshire, which he had reently inherited from the Knight family. It was here that Jane had the time  to concentrate on her novels publishing four in her lifetime. In dealings with her publisher, she was not to be overawed.
PUBLISHER: Your varying sales present a dilemma,
I'll pay 450 pounds for the right to Emma.
AUSTEN: Mr. Murray, i do declare you a rogue
P&P proved my fiction's in vogue.
PUBLISHER: Yes, but this is a frightful gamble,
my big sellers are history, memoirs and travel.
AUSTEN: Wel in that case good Sir, I'll publish myself.
I have no doubt it'll fly off the shelf!
PRESENTER: Sadly for Jane, sales of Emma were poor, in fact she earned only 650 pounds from her novels in total. Publishing as 'A Lady' also meant she was not a celebrated author in her lifetime. Jane fell ill and moved to Winchester where she died at just 42. But in the 200 yeats since her death, her work has become hugely popular.
*S&S 1995*
EDWARD FERRARS: I am not married, I'm yours Eleanor.
Quick, start crying and you might win an Oscar!
*Emma 2009*
EMMA:  Oh, mr. Knightley, I've always loved you
Or at least since yesterday, that much is true.
*MP 2007*
EDMUND: Oh, but Fanny, do you love me?
FANNY: Oh, yes, Edmund, like honey to the bee!
*Bridget Jones's Diary 2001*
DARCY: but really Bridget, how are your parents?
READER: Oh, shut up Darcy and give me a snog!
PRESENTER: Whilst not in her lifetime finding favour Austen has become a trailblazer. Considered now a literary titan, a brave and British female icon, from writing family childhood plays, to bos office hits and turns on stage, a globally celebrated female author not bad for a Hampshire reverend's daughter.
*bang*
GENTLEMAN: Great Scott! What's going on out there?
Must be a Frenchman
ELIZABETH: a zombie. *shows a gun*
*Pride and Prejudice and zombies 2016*
GENTLEMAN: a zombie?
ELIZABETH: I dealt with it.

---


e aí? Gostou desse?


Viva Austen!
Mulher maravilha, unanimidade!