quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

Series e seriados para ressaca de Bridgerton Netflix

 olá,

passada mais de uma semana da última febre na TV, estamos como? De ressaca, não é mesmo?

E Manet - At the café, 1879


Esse sentimento está rolando no mundo todo, tenho recebido pedidos de indicação e chamadas de matérias por todo canto. Tenho meus favoritos, se você já veio aqui sabe que gosto muito de Orgulho e Preconceito de 95, de Belgravia, de Victoria, de Gentleman Jack.

O que estas séries/minisseries de época tem em comum? Pra mim é o valor estético, adequação histórica e texto de alta qualidade. E principalmente: se me atiça a curiosidade, se me fez sair em pesquisa feito louca!

BTW, você sabe de onde vem a expressão HANGOVER (ressaca)? 

ilustração do sec 19 de um albergue

Na era Vitoriana, haviam albergues para pessoas - homens ou mulheres - que ofereciam um teto e uma caneca de chá para quem não tinha casa, ou morava longe, ou trabalhava longas horas e preferia ficar perto. Esses albergues para UMA NOITE SOMENTE, ao raiar do dia a pessoa era acordada e mandada embora, tinham alguns tipos de 'hospedagem' como coffin bed (cama caixão) que era isso mesmo, uma caixa de madeira rente ao piso coberta com palha, ou um banco com uma corda esticada na frente (veja a imagem acima) para que a pessoa dormisse PENDURADA (hang over the rope). A corda era mais barata, muito popular. Eita!



Enfim, já falei do que achei de Bridgerton aqui, expliquei que provavelmente não entrará na minha lista TOP. Falei dos meus favoritos várias vezes, diretamente ou não. 

Nestas listas que achei em uma rápida pesquisa, achei muitas das minhas favoritas, algumas que estão na minha lista faz um tempo, e novas que certamente eu verei. 

Foram tantas que separei em algumas categorias.

Phedre de A Cabanel, 1880


Vamos lá!

~ DE ÉPOCA ~

• ANNE com um E

mundo meu

.

assisti, gostei muito. 

bonito, bom texto, adaptação histórica bacana

>> início do sec 20

O drama canadense Anne With an E da Netflix é inspirado na série  “Anne of Green Gables” de Lucy Maud. São 13 livros - a série só engloba os 2 primeiros (ou 3?...) de 1908. A minisserie conta o amadurecimento da órfã Anne, seu passado traumático, como ela muda as pessoas à sua volta, como se relaciona com os problemas e o mundo na década de 1890. 

Por curiosidade, os livros da série original são: Anne de Green Gables, Vale do Arco-Íris, Anne de Avonlea, Anne e a casa dos sonhos, Anne de Windy Poplars, Anne da ilha, Anne de Ingleside, Rilla de Ingleside, Mais Crônicas de Avonlea, Crônicas de Avonlea, Os contos dos Blythes - Vol 1, Os contos dos Blythes - Vol 2, Os poemas dos Blythes. 

E um spoiler: Anne casa com Gilbert e tem filhos (muito fofo)


• BELGRAVIA 

epix

.

assisti, gostei muito- nem tanto quanto o livro. 

bonito, bom texto, adaptação histórica bacana

>> começa no início do sec 19

Li o livro, amei e falei pácas aqui do livro e da minisserie. É uma história baseada nos trâmites da TON Londrina da era Vitoriana. A Ton (vem de bom tom, ou seja, bom comportamento) é um apelido para a boa sociedade e aristocracia que reinou na Inglaterra nos séculos 18 e 19. Em romances de época, geralmente tiramos a importância das idiossincrasias que governavam as pessoas, falamos de escândalos como se fosse nada demais, mas era tudo muito impotante. Quer aprender? Leia esse romance ou veja a minisserie.

Tanto o livro quanto a produção da minissérie são do criador de Downton Abbey, Julian Fellowes. O plot gira em torno de um romance secreto e como as famílias lidam com as consequências 25 anos depois. 

Tem todo o drama e escândalo de Bridgerton, e até começa na mesma época, Era Georgiana das Guerras Napoleônicas. Mas pula para a Era Vitoriana e trata os escândalos como a chacina social que realmente era.

Recomendo!


• BOLIVAR

portal disparada
.

ainda não assisti, confesso que não me seduziu

tá no Netflix. 

>> começa no início do sec 19

Este extenso épico de 60 episódios de 1h - ou seria uma novela? - enfoca a vida do libertador venezuelano Simón Bolívar. A série gira em torno de diferentes épocas de sua vida, desde a infância até sua morte, e é repleta de drama, romance e tragédia.

Vai encarar?


• BUCANEERS

imdb
assisti, amei. Fiquei encantada 

>> meio do sec 19

Esta minissérie é inspirada em um livro inacabado de Edith Wharton e é muito bacana. Bucaneers, que é um termo de pirataria, aqui é usada para debochar das moças ricas dos EUA que vão arrumar marido nobre na Inglaterra. Cada uma delas tem uma love story, nem sempre happily ever after. Conta muito bem como era virar condessa da noite para o dia, casar por dinheiro, ser enganada por aparências e promessas falsas, achar redenção. Além das meninas (na foto) que a gente acompanha o amadurecimento, tem as mães delas e a preceptora, um estória delicadíssima.

Recomendo muito!!


• CALL THE MIDWIFE

doce quotidiano
.

ainda não assisti

>> sec 20

Call the Midwife, chame a parteira, invoca uma vibração natalina aconchegante semelhante a Bridgerton, mas não é um romance. Em vez disso, este é um programa sobre amizade e um grupo de parteiras, enfermeiras e freiras no leste de Londres na década de 1950. Elas são verdadeiras heroinas da classe trabalhadora e, embora haja alguns episódios difíceis de assistir, esta é uma série alegre e cheia de esperança sobre a força do espírito humano.

Parece bacana.


• CARNIVAL ROW

Amazon

.

assisti, adorei essa distopia tão agoniante...

>> século 19, Era Vitoriana, talvez. É uma distopia

Já falei das surpresas dessa série aqui. É muito legal, muito rica em subplots e reviravoltas de roteiro. Se passa em um lugar fictício depois de uma guerra violenta e a cidade - obviamente Londres - é ocupada por todas as raças juntas - humanos, fadas, centauros, faunos, etc. O lindinho Orlando Bloom é um detetive cheio de segredos, ex soldado na guerra, que precisa investigar um homicídio horroroso e ainda tem que lidar com seu amor antigo que aparece do nada: a hype Cara Delavine que é uma fada foda. De início, me enrolei tentando entender quem seria quem naquelas raças, e quando me percebi, estava apaixonada pelo casal da mocinha com o fauno. 

De certo modo, Birdgerton tem um tanto disso. A escolha de fazer um elenco diversificado ignorando a realidade histórica da época me fez lembrar de Carnival Row (que aliás, é o nome da favela na história).

Super recomendo!


• DEATH COMES TO PEMBERLEY

thirteen

.

assisti, achei assim-assim: é bacana do tipo mas...

>> Início do século 19

Quem não gosta de Fanfic, eu amo! Ainda mais de Orgulho e Preconceito que já escrevi um monte! Esse livro da PD James é chato, achei. Lento como todos os livros dela que começam bem, passam 60% se arrastando e pega velocidade no fim. O seriado é melhor, mais linear. Mostra Mr. Darcy e Lizzy nos primeiros anos de casamento, a vidinha dos dois em Pemberley e a visita da família dela. Com a parentalha vem um assassinato que Lizzy se mete a investigar.

Eu não gostei dos figurinos - Darcy e Lizzy ricos-de-marré-de-si usando uns trapos sem corte ou caimento, ela sem sobrancelhas, velhos demais para os 30 (ele) e 23 (ela). Impliquei.

Se vc não tiver mais nada pra ver, vale à pena.


• DESPERATE ROMANTICS

alchetron
.

ainda não assisti, mas quero ver ontem!

>> Metade do século 19, era Vitoriana

Muitos homens lindos em calças justas, quem aguenta? Esta travessura romântica gira em torno da Irmandade Pré-Rafaelita, um movimento de arte que tenho muita curiosidade. A Pre-Raphaelite Brotherhood foi um grupo de pintores, poetas e críticos que propunham a volta às bases da estética do italiano Rafael com cores dramáticas, muitos detalhes,  

A minissérie mostra os primeiros anos do grupo e é repleta de sexo, tragédia, romance e arte. O jovem Aidan Turner - da fama de Poldark - é notavelmente HOT aqui.

Quero!


• DICKINSON

tv maze
.

ainda não vi, mas tá na lista

>> sec 19

O assunto é a poetisa americana Emily Dickinson . Nesta adaptação bastante precisa da vida da prolífica poetisa, ela é mostrada como festeira, com uma tendência a se drogar com ópio e ter romances hétero e homoeróticos. Também tem em sua trilha sonora ultramoderna e abordagem feminista do século XIX.

Interessante.


• DOWNTON ABBEY

prime video

.

um favorito de todo mundo, né? Adoro.

>> início do sec 19, no dia seguinte ao desastre do Titanic 

Desde 2010, quando Downton Abbey foi lançado, é um sucesso. Acredito que isso se deve, principalmente, à primorosa adequação histórica que nos leva a mergulhar no mundo da aristocracia Inglesa na virada da era Vitoriana para Edwardiana, um novo século com muitas inovações como o telefone, por exemplo. A família treteira Crawley é rodeada de escândalos, referências históricas e uma visão contundente do classicismo inerente à aristocracia britânica. Um charme é o foco para os criados - mas não se deixe levar, E o vento levou (livro de 1936 e filme de 1939) dava spotlite para Mammy.

Muitas pessoas ligam minha série CUPIDOS EM DEVON com Downton por causa dos personagens da criadagem. Aceito como um elogio. 

Se você ainda não viu, para tudo e vai se apaixonar!


• GENTLEMAN JACK

prime video

.

assisti, amay, indico, falo sobre sempre que posso. 

>> início do sec 19, era Georgiana

Quando vi, me apaixonei tanto que falei aqui e aqui. Baseado nos diários reais de Anne Lister, Gentleman Jack (cavalheiro Jack, que era o apelido que uma das amantes de Anne usava para ela. Sim, lésbica, dona da porra toda, patroa!). O seriado retrata uma mulher cuja vida era verdadeiramente única em meados de 1800:  lésbica declarada, proprietária de terras, escritora de diários, criadora de um código baseado na álgebra e grego antigo. Você vai se apaixonar e querer pesquisar quem foi essa patroa, daí volta aqui para ler o que já escrevi e pesquisei. 

Um dos dramas de época mais adoráveis ​​já feitos, Gentleman Jack é  uma história de amor puro que também é uma versão habilmente editada e espirituosa dos tropos de drama de época. Ainda estamos esperando por uma segunda temporada desta série impressionante.

Aguardo ansiosamente a temporada 2!! Super indico!


• GHOSTS

wiki

.

ainda não vi, descobri nestas listas

>> mostra figuras históricas de várias épocas

É uma comédia com toques de drama de época, ocorre no presente, em que um casal se muda para uma nova casa apenas para descobrir que está sendo assombrada por um grupo de fantasmas de toda a história. Há desde um político dos anos 1990 a vários fantasmas do início de 1800. O show é hilário e um verdadeiro deleite, e você simplesmente deve assisti-lo imediatamente.

ôpa, vamos ver!


• GUNPOWDER

tv show

.

ainda não vi, tá na minha lista

>> sec 17

Bom, tem John Snow - já tá bom, né? Kit Harington estrela este drama histórico sobre o plano fracassado de 1605 para explodir o parlamento de Londres. No Reino Unido, este foi um grande momento político que é lembrado todos os anos em 5 de novembro. Esta série de 3 episódios se concentra na pessoa real Robert Catesby (de qum Harrington e é um descendente direto) e seu grupo de conspiradores que pretendem mudar o britânico história para sempre.

Interessante...


• HARLOTS

droid journal

.

comecei a ver, mas parei logo no início. Está na minha lista desde sempre

>> sec 18

Mostrando uma Londres realmente diferente da Ton, Harlots segue as lutas de uma dona de bordel para, sozinha, proporcionar uma vida melhor para suas filhas. Inspirada no livro The Covent Garden Ladies, a  série coloca as mulheres na vanguarda - durante uma época em que eram frequentemente postas de lado - e também tem uma visão muito clara e poderosa do trabalho sexual, normalizando e desestigmatizando a "profissão mais antiga". A trama explora a classe, o sexo e o romance através dos olhos destas  mulheres com muitas cenas de romance picantes, e é muito mais do que apenas um drama de época atrevido.

Quero muito ver, é um assunto muito interessante para mim que já pesquisei bastante sobre sexualidade nas eras passadas. Veja aqui, aqui e aqui.


• LARK RISE TO CANDLEFORD

whensiton

.

ainda não vi, mas parece perfeitinha como as coisas da BBC são

>> sec 19

Se você está procurando algo para se perder por algumas temporadas, aqui está uma série de época encantadora e tranquila baseada na trilogia de Flora Thompson lançada de 1931 a 45. Passada na bucólica zona rural britânica do século 19, a série segue a vida e o crescimento Laura Timmins (Olivia Hallinan) no vilarejo de Lark Rise em Oxfordshire até o mercado de Candleford para começar uma nova carreira.

Parece fofo...


• LITTLE WOMEN

pbs

.

uma graça de filme, muito inspirador.

>> sec 19, segunda metade

Quantas adaptações já foram feitas? Você provavelmente deve ter sua favorita, esta é bastante bem feita apesar do viés um tanto quanto modernoso. Os livros da Louisa May Alcott são de 1868, mas a trama que conta o amadurecimento das irmãs Meg, Jo, Beth e Amy é eterno. Um filme ocorrido em 1800 sobre mulheres tentando encontrar o amor e seu próprio tipo de liberdade em uma sociedade que tenta mantê-las presas.

Recomendo.


• LOST IN AUSTEN

amazon
.

já vi, tenho opiniões conflitantes sobre essa minissérie

>> sec 19, Era Regencial

E vamos de Fanfic de O&P! Já falamos dessa e outras adaptações no podcast Café com Jane Austen, eu pessoalmente não gosto quando mostram a fã de Jane Austen maluquete, sem noção, bitolada. Mas enfim... Aqui nesta série de quatro partes, Amanda, uma fã de Austen do século 21 viaja no tempo e vai parar no início do sec 19, na vila fictícia de Meryton e acaba por trocar de lugar com Elizabeth Bennet. Enquanto Amanda faz tudo o que pode para manter as coisas rolando de acordo com o livro de Austen, no sec 21, Elizabeth se ocupa em explorar o mundo moderno, e seu casamento prescrito com o Sr. Darcy fica a perigo.

nem recomendo, mas tem uma Sra. Bennet bem legal.


MARIE ANTOINETTE

netflix
.

filme bem bacana mesmo

>> sec 18

Eu resisti a assistir esse filme porque a trilha sonora é moderna e eu não conseguia fazer lé com cré. Mas admito que é bem bacana mesmo! Ele mostra a vida da última rainha da França antes da Revolução, aquela do 'se o povo não tem pão para comer, que comam brioches'. Aqui, Maria Antonieta lida com muitos escândalos, a corte, o marido, filhos, vida.

Recomendo!


• OUTLANDER

qualis

.

assisti a 1ª temporada, ainda não li os livros

>> começa no sec 18

Outlander é baseado em uma longa série de romances de época de Diana Gabaldon. São pessoas lindas, o tema de viagem no tempo é interessante, a adaptação histórica é bacana, mas não funcionou para mim. É hot, as cenas de sexo são suculentas. Como a heroína Claire Randall sai do século 20 pós 2ª guerra, ela tem uma visão mais modernosa do papel da mulher - uma visão sec 21, na verdade. E causa muitos conflitos na época que ela cai, a dos levantes jacobinas de meados do século 18 na Inglaterra. A enfermeira de guerra então é misteriosamente transportada no tempo onde se enrsoca em uma roubada e acaba tendo que casar com o lindo-maravilhoso-perfeito-gato Jamie Fraser, um guerreiro escocês que ajuda a mantê-la segura. Outlander encerrou a 5ª temporada em maio, mas a 6ª temporada está em andamento. Eu sou a errada aqui, os romances são muito amados, tem muitos seguidores e é fácil de ser fisgado pela beleza viril nas cenas hot.

Recomendo.


• PEAKY BLINDERS

livroterapia

.

vi algumas temporadas, é muito envolvente

>> início do sec 20

Essa é uma cachaça! Certeza que você vai se viciar nos ótimos atores, trama de máfia irlandesa, violência, excelente texto, gente bonita. O plot gira em torno de uma família de meliantes muito belicosos, gente de pavio curto e negócios escusos que se vira nos 30 para ficar vivo e ficar por cima da carne seca. Destaque para os principais que tem um arco delicioso: Tommy Shelby (o chefe da gangue) e Grace (uma espiã infliltrada).

Super recomendo


• ORGULHO & PRECONCEITO da BBC 1995

.

adoro, amo, amadoro!

>> sec 19, início

Essa é, sem dúvida, minha adaptação favorita de O&P. Adoro o respeito ao original, a adaptação histórica perfeita, o foco nos homens, Colin Firth, a cena do lago, tudo! Isso é era Regencial raíz! A minissérie da BBC de 1995 tem 6 episódios longos, e se aprofunda bastante no romance, apresenta aquela cena inesquecível em que Colin Firth mergulha em um lago totalmente vestido - foi onde ele fez seu nome como ator, o eterno Mr. Darcy. SEmpre que der, você tem que assistir Elizabeth Bennett (Jennifer Ehle) encantar o carrancudo Darcy entre de idílicas mansões e jardins britânicos. 

Recomendo e ordeno: veja!


• POLDARK

Amazon

.

vi alguns episódios, mas esperei acabar pra maratonar.

>> fim do sec 18, logo depois da independência Americana

O capitão Ross Vennor Poldark (Aidan Turner) é um verdadeiro galã de época, daquela, dessa, ele é maravilhindo. Depois de retornar à Cornualha da Guerra da Independência Americana, Poldark encontra sua vida e seus negócios em ruínas. Mas quando ele contrata uma copeira, ele descobre uma conexão inesperada e um novo desejo pela vida. Se você gosta de seu período romântico leva corpulento e ranzinza, então você vai se apaixonar por Poldark. E tem um triângulo amoroso sofrido, e reviravoltas, e muito mais!

Indico - prepare os suspiros.


• SANDITON

.

assisti, comentei, pesquisei.

>> início sec 19

Sanditon foi o último trabalho de Jane Austen, foi o que ela deixou incabado e há pouco tempo ganhou uma adaptação caprichada - apesar de escorregar em bobagens como cabelos soltos e plot holes horrendos. Eu traduzi o original, e comentei sobre a série várias vezes, começa aqui. A trama mostra uma mocinha, Charlotte Heywood, que se muda para a pitoresca vila de Sanditon como hóspede do prefeito e lá encontra uma cidade repleta de segredos. É também lá onde ela conhece o charmoso Sidney Parker, irmão do anfitrião dela, cuja família está trabalhando para transformar o sonolento Sanditon em um destino turístico.

Recomendo, é bonito de se ver.


THE CROWN

netflix

.

adoro! Quem não?

>> começa no meio do sec 20, pós 2ª GM

Eu adoro a série, o cuidado com cenários, reprodução de figurino original, a fofocada da família real Inglesa que é até íntima da gente - fala a verdade, os Windsor são quase da nossa própria família. Apesar de achar que bem lá no fundo a intenção é passar para para Elizabeth nos últimos anos de vida dela (que já está velhinha), eu acho bem bacana! Começa com a juventude dela, casamento e ascenção dela ao trono com a morte do pai e vem acompanhando deste a década de 1940. A última temporada teve Diana e um dos diálogos mais pica de toda a série. Veja aqui.

Recomendo mesmo! Apesar de que a temporada da juventude de Charles é um saco furado.


• THE GREAT

cosmo nerd

.

ainda não vi, mas tô ansisosa

>> sec 18

Este show sexy e subversivo oferece uma visão hilariante do mundo da Rússia de 1700 e narra a vida de Catarina, a Grande, cuja maldade foi ofuscada por todos aqueles rumores sobre a sexualidade dela. São tramoias, conspirações e fofocadas de dentro do poder. The Great, a grande, é um seriado de época que mistura humor, romance e drama, do início humilde de Catarina até sua reivindicação no tribunal enquanto ela planeja matar seu marido, o imperador Pedro, e assumir o controle do país.Diz-se que é um programa a-histórico - ou seja, toma grandes liberdades históricas - é repleta de trajes impressionantes, um roteiro afiado e performances cômicas.

Quero muito ver


• THE SPANISH PRINCESS

cosmonerd

.

ainda não vi esse...

>> sec 16

Baseado nos romances de ficção histórica de Philippa Gregory, A princesa leal é continuação de The white queen e The white Princess, este é um drama de época suntuoso. É um relato brilhante e ficcional dos anos de juventude de Catarina de Aragão enquanto ela embarca na vida na corte britânica. Mas quando seu futuro marido morre repentinamente, a princesa põe os olhos em seu irmão arrogante Henry Tudor... o homem que se tornaria rei.

Vivo protelando entrar nos Tudors, mas um dia eles vão me pegar...


THE TUDORS

UK air dates

.

vivo fugindo dos Tudors...

>> sec 16

Esta é uma atrevida série medieval que desencadeou a tendência. A série segue a dinastia Tudor e seu rei cruel, porém sexy, Henrique VIII, muito mais escandaloso e dramático. Confesso que tenho implicância com o ator que em nada me leve à imagem do grandalhão rei.

Amigas são fãs, elas recomendam e insistem comigo.


• VANITY FAIR

imdb

.

quero ver, tá na minha lista

>> sec 19

O romance de 1848 de Thackeray há muito é admirado por sua abordagem sátira e penetrante da era regência. Esta adaptação da minissérie de 2018 eleva ainda mais a sátira e o escândalo, com nossa heroína Becky Sharp fazendo o que for preciso para subir na escada social.

treta alert!


• VICTORIA

next episode

.

apaixonante, viciante

>> sec 19, era dela, a Vitoriana.

A mãe tá on! Essa série mostra a rainha Victoria desde sua ascenção ao trono, casamento e como seu reinado determinou uma mudança no mundo todo. É um primor de adequação histórica, conta muitas tretas reais, é fonte de muita dúvida que vira pesquisa e horas de bom entretenimento.

Um favorito, recomendo!


• WHEN CALLS THE HEART

wiki

.

ainda não vi, e olha que tá na lista há um tempão

>> início do sec 20

Tenho umas três amigas que são viciadas, dizem que é uma graça, romancinho de armorzinho gostoso e é da Hallmark - o site do lovestory. É inspirada no livro de mesmo nome de Janette Oke de sua série Canadian West, e conta a história de Elizabeth Thatcher, uma jovem professora acostumada a sua vida na alta sociedade. Ela recebe sua primeira atribuição em sala de aula em Coal Valley, uma pequena cidade de mineração de carvão no oeste do Canadá, localizada ao sul de Robb, Alberta. Lá, a vida é simples, mas muitas vezes repleta de desafios. Elizabeth encanta quase todo mundo em Coal Valley, exceto o policial (da polícia Montada) Jack Thornton. Ele acredita que o pai rico de Thatcher condenou a carreira do homem da lei ao insistir que ele fosse designado para a cidade para proteger a filha do magnata da navegação. Desejando prosperar nesta cidade de carvão de 1910, Elizabeth deve aprender os caminhos da fronteira canadense. 

Minhas amigas indicam!



Os sites gringos ainda indicam séries CONTEMPORÂNEAS como Emily em Paris, Gossip girl, Virgin River, e até DRAMAS COREANOS. Mas para mim, para ficar na mesma vibe, tem que ser de época.

Tem muitos outros, né? A lista é infinita...

british period drama

Gostou das indicações? Já viu todos? Alguns?

Me conta!




Fontes:

marie claire

https://www.marieclaire.com/culture/g35105500/shows-like-bridgerton/

decider

https://decider.com/2020/12/28/7-shows-like-bridgerton/

seventeen

https://www.seventeen.com/celebrity/movies-tv/g35063780/shows-and-movies-like-bridgerton/

refinery 29

https://www.refinery29.com/en-us/2020/12/10236223/tv-shows-like-bridgerton-netflix-streaming#slide-18

sexta-feira, 25 de dezembro de 2020

Bridgerton na Netflix: primeiras impressões

 Olá!

Feliz Natal!!

Para encerrar esse ano singular, temos uma série novinha pra endoidar: 

Bridgertons de Julia Quinn

Tô aqui agarrada, mas parei pra compor esse post que vou atualizando conforme for assistindo.... pausa.

Agora que acabei, vi em dois dias - precisei parar no meio porque comecei a achar arrastado, especialmente no núcleo de Anthony que é meu irmão favorito.

Agora posso fechar as pesquisas.

Em termos de precisão histórica, faço uma escala Belgravia - Sanditon - O&P 2005.


Digo que:

>> achei a ambientação linda, deslumbrante. Me apaixonei pelas panorâmicas da cidade na era Georgeana, as externas são de babar - tenho tido muita curiosidade sobre o quanto as ruas eram movimentadas. 

>> As músicas modernas em cover clássico foram um charme, uma surpresa! Reconheceu todas? 

- Thank u, next de Ariana Grande - por Vitamin String Quartet

- Girls like you de Maroon 5 - por Vitamin String Quartet

- In my blood de Shawn Mendes - por Vitamin String Quartet

- Bad guy de Billie Elliot - por Vitamin String Quartet

- Wildest dreams de Taylor Swift

e uma sem letra, só instrumental - bem melooosa!

- Strange de Kris Bowers

>> A indumentária está linda, adorei. Deslizes, sim! Falo aqui em baixo. Mas os figurinos das Featheringtons, sedas espalhafatosas e coloridas, muito bacana. Aliás, gostei mais delas em pessoa do que nos livros.



>> As locações, show! Tantas e tão variadas...

- Bridgerton House em Londres: para fachada foi Ranger’s House, Chesterfield Walk, Greenwich e RAF Hilton para interiores

- Hastings House (casa do Duque) em Londres: Wilton House em Salisbury para fachada, e para interiores... Wilton House em Salisbury para galeria de retratos, hallway, e hall de entrada; Badminton House em Gloucestershire para parlour (sala de visitas) e morning room (saleta) e Syon House in London para outros interiores. 

- Clyvedon Castle (sede do Ducado): Castle Howard em York para fachadas e alguns interiores; Wilton House em Salisbury para sala de jantar; Badminton House em Gloucestershire para sala de visitas e jardins; North Mymms Park para o quarto do bebê.

- Vila da propriedade do Ducado: Coneysthorpe Village em York e Primrose Cottage.

- Bailes: Leigh Court em Bristol; Castle Howard em York, Bath Guildhall e Dundridge Manor Farm em Bucks.

- Featherington House: RAF Hilton e Hatfield House

- Danbury House: Holbourne Museum of Art em Bath

- Queen's residence: Hampton Court para exteriores e Lancaster House para interiores

- Buckingham (em construção e ampliação, que lindo!!) house - não era palace ainda: Wilton House, Lancaster House e Syon House

- Teatros: Theatre Royal em Brighton, Hackney Empire em Londres, Lancaster House

- Vauxhall jardim dos prazers: Castle Howard em York, Stowe Park (Templo de Venus)



- Ginásio de Boxe: Normansfield Theatre em Teddington e Chatham Dockyard em Kent.

- Igreja: interiores na St Mary’s Parish Church (St George’s Church) em Twickenham e exteriores em Wilton House.

- Clube de Cavalheiros: Hatfield House e North Mymms Park

- Ruas de Mayfair: Bath (Bath Street, Alfred Street, Royal Crescent e Beauford Street), Londres (The Queen's House em Greenwich, Somerley House)

- Ruas de Pall Mall: Trim Street (sorveteria), Abbey Street (modista), The Columbian Company (bar onde o Duque vai)

- Ruas mais pobres: Chatham Dockyard, Badminton House (hospital onde Featherington leva Marina)

- Hyde Park: Wilton House em Hampstead Heath, Somerley House em Hampshire, Windsor Great Park

- Estalagem na estrada: Dorney Court em Bucks


então vamos lá...



>> Dito isso, tenho muitas observações e dúvidas e coisitas que fui procurar.

- Apresentação na corte: traje das garotas e a família toda assistindo.

Para começar, a coroa me intrigou. Já pesquisei bastante a apresentação na corte para meus livros 'CUPIDOS EM DEVON'. Quem leu o livro 3 - Dilemas em Leilão - sabe que Anne Pauline, a mocinha mimada, tem uma ligação estreita com a corte (sem spoilers...) e por isso, ela vai se incumbir de apresentar as meninas - serão 5, fora os muitos meninos. Mas minhas pesquisas são centradas na era vitoriana. Daí fui pesquisar a era Regencial e descobri que os vestidos usados estão incorretos. Ah, que chato... desgosto quando a adaptação não respeita o óbvio. 

Vamos ao básico rapidinho da apresentação, firsts first: 

No reinado do Rei George III da Grã-Bretanha (1760-1820), a Rainha Charlotte (falei dela aqui, a princesa de 'mixed race') iniciou a tradição de apresentar e introduzir as mulheres da aristocracia (filhas ou esposas de nobres, filhas do clero, de oficiais militares e navais, de médicos e de advogados)  à sociedade através da cerimônia de visita à soberana. Para as "debutantes" as regras de etiqueta foram ficando mais rígidas, até que na Era Vitoriana alcançaram o ápice com determinação até da largura da cauda do vestido. 

Quando uma menina era apresentada, aos olhos da sociedade, ela passava de proibida a subitamente casável. A ocasião era sempre anunciada nos jornais alguns dias antes quando era divulgada a ordem em que as carruagens deveriam entrar na fila - o que significava a ordem que entrariam na presença da rainha.

Como era feita essa apresentação?

Moças eram apresentadas várias vezes na temporada elegante no palácio de St. James, 2 ou 3 dias de cada semana eram reservados para as apresentações, cerca de 100 a 200 por dia. 

Imagina essa fila de carruagens do lado de fora do Palácio de St. James (mais tarde Palácio de Buckingham)! 

Uma vez lá, ninguém sentava, todos ficavam de pé por horas e horas esperando nas saletas até o momento que fossem chamadas. Imagine essas salas lotadas, abarrotadas, como a família Bridgerton estaria ali para assistir - especialmente as crianças? O Visconde, que certamente já teria feito sua levée (apresentação dos meninos) poderia acompanhar a mãe (que deveria ter sido apresentada antes), e ninguém mais.


Não admira que ela desmaiou!

Quando era chamada, a moça caminhava até à Rainha e fazia uma profunda reverência (courtsy) - que havia sido praticada e praticada usando a roupa desconfortável com saias armadas (veja os trajes abaixo). Algumas gentilezas eram trocadas se a Rainha iniciasse uma conversa, a jovem responderia qualquer pergunta e nada mais. Quando a Rainha indicava que estava satisfeita, a jovem fazia mais uma reverência profunda, e andava de costas até sair da presença real (nunca se vira as costas para um monarca) o tempo todo lidando com o obstáculo do vestidão para não tropeçar.

Beijo na testa - na era Vitoriana - era para parentes ou filhas de nobres muito proeminentes. Se os Bridgertons eram assim próximos, não me lembro de ter lido isso. 

Quem se apresentava?

Os pedidos de inclusão de moças na cerimônia de debutante deveriam ser feitos por outra mulher tivesse sido apresentada quando moça, frequentemente a mãe, avó, madrasta ou outra conhecida pela família; quanto mais alto na posição aristocrática, melhor. 

Quando a moça se casava com um homem que cumpria os critérios, ela podia ser apresentada, mas não como parte das cerimônia de debutante. 

Quando a moça atingia a 'maturidade' de acordo com sua família, ela era apresentada representando que havia concluído sua educação e estava pronta para ser membro da sociedade e casar. Longe de ser baseada em anos, maturidade era determinada por desenvolvimento físico e educação completa - requisitos para um bom casamento.

Quando uma jovem estava “apresentada”, ela imediatamente começava a receber convites para todos os eventos. Uma garota popular seria muito procurada e os cavalheiros a “visitariam”.

Então servia para que?

Para mostrar que a mulher (jovem ou nem tanto) era bom partido e merecia ser incluída entre os bons.

A roupa da mulher na corte - visitas ou apresentação: 

la Belle Assemblé , 1817 - Court dress with the new hoop por Candice Hem

As regras da Corte eram rígidas, rainha Charlotte fazia questão absoluta de manter a tradição que vinha de antes de George III assumir e perduraram até quando seu filho assumiu o trono (era Regencial).

- saias armadas (tipo crinolina) e cauda, ​​

- penas brancas de avestruz no cabelo, presas a babados que pendiam até abaixo dos ombros. Repare no arco de cabeça: é um bandeau chamado de tour de tete.

- as jovens tinham que usar vestidos principalmente brancos ou tons pastéis claros, as damas da nobreza tinham mais liberdade de cor em seus trajes da corte.


inews


- cabelo solto em público de Daphne, Eloise e Penelope

A moda era Neo-grega na estética em geral. Prédios tinham colunatas, estátuas, haviam muitas lembranças de viagens ao continente  e espólios de guerra mostravam como fazer. Nos vestidos das moças e nos cabelos - de ambos os sexos -  era 'norma' que recriassem as imagens da Grécia antiga. Homens tinham cabelo tipo Brutus e Julius Cesar, mulheres prendiam em um coque.

Há relatos de mulheres com cabelos soltos nesta época, mas eram cortados curtinho como o masculino. Mesmo assim, elas usavam caracóis, tiaras, bandeaus e pregadeiras para juntar mais no topo da cabeça.

twitter

Algumas características eram:
- cabelo preso no topo da cabeça, voltado para trás, quase sempre em um coque simples e frouxo. Era alto o suficiente para ser visto pela frente,
- geralmente era puxado para trás, mas havia quem usava partido no meio (para depois formar o coque),
- o rosto era emoldurado por caracóis soltos para dar aparência de cuidadosamente descuidado,
- para a night, os coques eram mais elaborados e decorados com fitas, flores, joias, etc


Esconder os tornozelos e prender o cabelo mostrando o pescoço eram marcas da moça madura para o casamento, adulta e pronta para entrar na sociedade - mesmo que fosse no interior. Dentro de casa, ela poderia usar solto, passar o dia secando as madeixas, trançar, como quisesse. Mas em público, ela usaria preso. E coberto por um bonnet para manter a pele alva e livre de sardas.
A cultura Hindu fala que prender o cabelo protege a mulher da influência de energias malignas, a Bíblia fala em cobrir a cabeça na presença do Divino, e vale lembrar que ter cabelos bem penteados era símbolo de classe social elevada já que os trabalhadores não tinham tempo nem dinheiro para cuidar do cabelo.

- Duque sans cravat

"Pode algo ser descoberto no vestuário, que possa ao mesmo tempo traçar uma distinção forte e aparente entre um cavalheiro e seu oposto?" A pergunta vem do livreto Neckclothitania de 1818, Inglaterra. Era dedicado à arte da cravat e de maneira um tanto jocosa, listava razões e modos de usar o acessório da vestimenta masculina. 

Era a moda neo grega que queria fazer de homens figuras perfeitas como as estátuas, com pescoços longos e eretos - a cravat bem que dificultava movimentos!

O bonitão aí era um DUQUE, acima dele só príncipes e reis, talvez arcebispos. Por mais cool e bacana que ele fosse, ele faria questão de mostrar sua posição na sociedade e o quão mais nobre que os nobres ele era. Para isso, ele usaria cravat branca, engomada, absolutamente limpa e sem amarrotados. 

Por que? Porque ele podia! Era rico o suficiente para ter criados disponíveis para lavar, engomar, passar e manter várias cravats brancas que ele trocaria inúmeras vezes durante o dia, sempre que ficasse suada ou suja. Entende? Era símbolo do nobre que não precisava trabalhar, que era elegante o tempo todo.

Beau Brumel, o famoso dândi ditador da moda e influencer, fez das cravats volumosas e atadas de maneira elaborada uma tendência de moda que todos seguiam. Todos os que podiam. 

Quem era trabalhador e mesmo assim tinha alguma situação na vida, usava cravats coloridas e escuras para não mostrar sujeira durante o dia.

wiki


O Duque do seriado só usa um lacinho preto sobre camisa preta, gogó sempre à vista. Fui pesquisar se tinha fundamento e achei no Neckclothitania o nó Napoleão. Transcrevo e traduzo:

"pode ter vindo do estilo do Imperador Napoleão quando ele voltou do exílio em Elba. É feito colocando primeiro na nuca, as pontas sendo trazidas para a frente e cruzadas, sem amarrar, e então presas a suportes (na camisa, sob o colete?) , ou carregadas sob os braços e amarradas nas costas. Tem uma aparência muito bonita, dando ao usuário uma aparência lânguida e sedutora. A cor violeta e la couleur des levres d'amour (vermelho, a cor de lábios apaixonados) são as mais adequadas para isso."

- boxe para gents 

Certeza que era o esporte mais popular entre os nobres e aristocratas, o apelo de homens se matando é antigo e era um must na era Regencial. A maioria dos gents gostava de assistir as lutas - armadas como muitas eram realmente ou de exibição. Alguns, como Simon, fazia aulas com os famosos mestres como John Jackson (que chegou a ser tido com um gentleman por sua fama e destreza no esporte), Tom Belcher, Tom Cribb and Mendoza. No meu livro Dilemas em leilão, o mocinho Kin fica todo felizinho com Anne Pauline lhe arruma a cravat ao estilo Belcher. Era símbolo de virilidade, de sucesso!

pra mim, o pugilista tem mais porte de Duque que o ator que fez Simon. Ui, que beleza!

Jackson é creditado por manter o esporte honesto em uma época em que as lutas eram frequentemente armadas e por desenvolver um tipo de Comissão de Boxe e Clube Pugilístico, que coletava assinaturas de clientes ricos e patrocinava lutas várias vezes por ano. Para cada luta, um banqueiro era nomeado para cuidar das apostas, muitas vezes ele mesmo era nomeado para esta posição.

Além de ensinar e organizar lutas, Jackson também organizava demonstrações pugilísticas para a aristocracia, incluindo lutas perante o imperador da Rússia, o rei da Prússia, o príncipe de Gales e o príncipe de Mecklenburg. Na coroação de George IV em 1821, Jackson forneceu um grupo de pugilistas para atuar como guardas para impedir que mortais menores comparecessem ao evento.

E, vergonhosamente, haviam as lutas homem x bestas com pugilistas lutando contra ursos, por exemplo. Procura aí no google, não vou falar disso. Éca!

- mulheres mais velhas de branco no baile

Branco nos vestidos de baile era reservado para as jovenzinhas, virgens e debutantes para mostrar exatamente o que eram: iniciantes. 
O vestido branco era associado à virtude, as flores de lírio branco em particular, eram associadas à pureza virginal e à castidade. Mais, como a iluminação era feita por velas (1 candela de iluminação por cada unidade), a cor ajudava a fazer a moçoila brilhar.
Por isso, sempre vi que as casadas preferiam outras cores. No entanto, no seriado as casadas, de meia idade, de terceira idade, todas usam branquinho das mocinhas...


Para o dia, vestidos simples de algodão branco eram versáteis, aceitavam adornos e reformas de adornos que poderiam mudar totalmente o look. O branquinho era associado à vida pastoral idealizada: as pessoas mais morais e felizes que viviam honestamente no campo, pastoreio, ovelhas. 


De novo, como já falei aqui, era A MODA NEOGREGA, a simplicidade e elegância dos escritos dos antigos gregos, romanos e neoclássicos do século 18. O vestido branco, portanto, possibilitava às mulheres se identificarem com a contenção virtuosa no vestir.



- todos os gents têm suíças e usam botas o tempo todo

Falei disso no Instagram: A moda masculina na era Georgiana e Regencial era bem variada, os homens seguiam regras de elegância quase tão rígidas quanto as mulheres. A onda neo grega ditava a estética do homem viril perfeito como as estátuas da Grécia antiga. 


Botas (hessians - as bicolores- ou John Bull -as pretas- especialmente) eram para o dia quando o boy cavalgaria, andasse pelas ruas sujas (imagine todas as carruagens e cavalos soltando dejetos e lama e tal) ou se estivesse em sua casa de campo. Se ficasse somente indoor, entrando e saindo de carruagens, preferiria as meias de seca com sapato escuro. 

nytimes

Bailes ou visita à corte, JAMAIS de botas. Seria sapatilha escura com meias de seda. Claro, o homem Regencial era elegante!

Wiki diz para moda, 1810. "Homens: fraques justos e trespassados; gravatas enroladas até o queixo; costeletas e cabelo natural estilo Brutus; calças justas; meias de seda, relógios de ouro, bengala, chapéus."

gay times


Quanto às costeletas, eu sempre associo à era Vitoriana quando os homens cultivavam mais os pelos faciais, mas sim, era moda também na Georgeana e Regencial. Mas note, a five o'clock shadow do Duque, a barba por fazer, oh-so-sexy, nunca exisitiria...

metro

- contorcionista de salto agulha

Comé? 

Eu nem acreditei quando vi isso!


Stilettos só foram inventados na década de 1950 pelos estilistas italianos. Acredito que a intenção foi mostrar como a corte se virava do avesso para entreter os soberanos, a pobre contorcionista fazia aí das tripas coração e a rainha, entediada, lia a coluna de fofoca.
Um trope conhecido, a mulher que faz de um tudo pra se virar na vida.
jane austen center


Os sapatos femininos nesta época eram baixos em sua maioria. Quando havia algum saltinho, era em botinhas para sair à rua (que era suja, sempre) e nos sapatos de carruagem, pelo mesmo motivo. Já postei um no insta. Saltos, quando estavam na moda no sec 18, eram beeem menores e largos.

- por que ela é SENHORITA e não LADY se é filha de Visconde?

Somente se o pai tivesse virado nobre APÓS o nascimento dos filhos é que ela seria Senhorita. Mas foi esse o caso?

Se quando Daphne nasceu, seu pai já era Visconde, ela seria LADY,

Se quando se casaram, Violet não fosse filha de nobre e o marido já tivesse um título, ela seria LADY BRIDGERTON,

Se quando se casaram, Violet fosse filha de um nobre, pouco importaria se o marido tivesse ou não título, ela seria LADY VIOLET,

Não entendi porque decidiram errar nisso! Tão óbvio...

Que bobeira, né?


Muitas dúvidas, algumas boas pesquisas e o gostinho amargo de terem tirado licenças poéticas desnecessárias. Já estavam lidando um nobreza negra, oriental, todos convivendo felizes e em paz, precisava mudar outras coisas?

no guilt fangirl


Na época de Sanditon, falei disso tudo também. Tá aqui.

Minhas pesquisas históricas estão aqui.



Me fala sua opinião: assistiu? Gostou? 

Notou esses deslizes?



Pra te curar da ressaca, listei aqui 15+ seriados de época

bjs, M.


pesquisei aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, e em meus arquivos pessoais. Pics sem fonte vieram do twitter oficial da série.