terça-feira, 2 de abril de 2019

A aula de harpa - Miniconto histórico

Olá!
Inspiração é assim, aparece como raio. Ou pego ou ela me foge.
Peguei!

As fotos da linda exposição me deram a deixa, então eu me pus em ação. O que eu fazia antes? Trabalhava, revisava o próximo CUPIDOS EM DEVON? Ah, deixa para lá... né?
A aula de harpa

‘Mas que despautério!’ Justine mal conseguia respirar. ‘Essa Jezebel disfarçada de minha prima...’ Sussurrava para si mesma. ‘Tão prendada, borda como uma ninfa, pinta como um anjo e toca a harpa! Pois sim! Huh!’ O instrumento mais indecente de todos, monstruosidade instalada entre suas pernas enquanto dedilha cordas com as pontas dos dedos, braços no ar desguardando o busto... Justine respirou fundo, o corpete lhe apertava a respiração. Talvez fosse a excitação de assistir a instrução da prima Valentine, íntima educação direcionada por garboso tutor. ‘Como ele fica perto dela-oh! Mão na cintura!’ Justine arfou tão alto que quase foi descoberta escondida atrás do biombo. Tapou a boca com a mão, corou da cor das flores rubras da estampa chinesa de seu vestido de tafetá de seda. ‘Se ele beijar Valentine, vou gritar!’ Se prometeu. Mas no fundo se arrependia amargamente por perseguir a virtuose no piano.

* fim *

Miniconto, nanoconto ou flash fiction é curtinha, uma lambida de criatividade. Wiki diz que as características são:
-Concisão
-Narratividade 
-Totalidade 
-Subtexto
-Ausência de descrição
-Retrato de "pedaços da vida"

O que Justine pensa e fala sobre os instrumentos estão mais explicados nos posts sobre o piano. Já leu? Começa aqui.

A exposição do Met, Dangerous Liaisons, é uma maravilhosa. Mostra indumentária e mobiliário em cenário e como diz a Dra. Stradlin deu a dica no Twitter, contexto é tudo na vida.
Visite a exposição aqui.
Compre o livro líndimo aqui.
Uma coisa te falo, fiquei picadinha de cansaço quando inventei de andar o Met todo, e nem vi tudo. Dá, não!

Leia meus outros minicontos inspirados nesses tableaux aqui.

2 comentários: