segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Empreendedorismo feminino no século XIX

Olá,
hoje é o dia, *lançamento* de 
'ECLIPSE DO CORAÇÃO'

e o cuore, você pergunta?
Ih, a mil!
Image result for lady hamilton
historik uk
Essa é Lady Hamilton, não é a jovem Pauline Hopkin que você conhecerá em seus 30+ em 'Eclipse do coração',
mas para mim ela personaliza a beleza clássica da
pobre-menina-bonita-demais-para-seu-próprio-bem no início do século XIX.
Entenderá quando ler. Um dia blogo sobre Emma Hamilton, ela merece.
Estou convivendo com os Hopkin-Devon há mais de um ano, toda hora invento, salvo, refaço intrigas e roubadas para eles. Agora mesmo estou levando a trupe para além-mar em uma tramoia larger than life para a qual estou me preparando faz tempo... Quem me espiona no Twitter sabe das agruras.
twitter
Mas calma com o andor!
Estamos aqui no livro 1, 'ECLIPSE DO CORAÇÃO' e por enquanto, tudo são flores na Inglaterra. 
Bem, quase tudo. 
BTW, sim, a série está bem adiantada, toda alinhavada, plotted, livros farão todo sentido. Prometo.


Então, CADA LIVRO DA SÉRIE, focará em 3 pontos básicos:
1- a influência desses CUPIDOS na família Devon e seus agregados (e são muitos);
2- um (ao menos) romance principal;
3- evoluções e ambientações históricas do período.

Sempre muito delicadamente, a narrativa conduz o romance dos protagonistas em um delicioso boy-meets-girl ou girl-meets-boy ou ainda, girl-has-to-marry-boy. Tem muita treta vindo aí. 
Escolhi o período da primeira metade do reino de Victoria porque acho muito fascinante como as instituições evoluíram rapidamente. Depois de séculos no mimimi de sucessão por ideologias religiosas, o casamento maritalmente feliz de Victoria e Albert e a paz no continente pós Guerras Napoleônicas trouxeram ambiente favorável para a avalanche de modernidades da revolução industrial.
Image result for victoria and albert family portrait
amazon
E neste cenários, temos
Os Hopkins são classe média, herdeiros de pequena propriedade, precisam trabalhar.
Os Devons são ricos, herdeiros de vastas propriedades rurais e investimentos altos.
Quando as duas famílias se juntam, abrem um leque de grandes possibilidades, pois, de mentes abertas, cosmopolitas, pretendem expandir negócios visando atender a nova Inglaterra que se auto-constrói.


E tem tanta coisa...

Logo de início encontramos a protagonista, Pauline Hopkin, solteira acima de seus 35 anos de vida, o que para a sociedade era perdição total. Hoje já é um poço de chateação, imagina em 1835 quando se passa 'Eclipse do Coração'...  E ela guarda muitos segredos em sua serenidade, é como um mar calmo escondendo um maremoto que um cavalheiro garboso vem singrar com seu veleiro... Coitadinho, mira no que vê, acerta em algo muito maior do que poderia lidar... 
Image result for Portrait  1853
pinterest
Mas ela, Pauline, tem um grande accomplishment na vida: uma profissão digna. Sim, isso é uma licença poética para mulheres no início do século XIX, explicamos isso no livro - há um trechinho fofo de 'Moira de anáguas' - mas me conhecem, como conseguiria engolir o lugar submisso da mulher sem tentar imaginar quem lutava e conseguia sucesso naqueles tempos? 


Haveria de haver, né?
E havia!

Pauline conduzia o negócio de exclusivos leilões de arte de seu irmão Wellesley Hopkin, Kin para os íntimos. 



Mas na realidade houve a Eleonor Coade (1733-1821) que tinha uma fábrica de estátuas e bustos para jardim, foi nela que me inspirei. 


'Revolucionária na indústria da Arquitetura'
'Coisa muito rara, tanto uma artista quanto uma mulher industrial bem-sucedida'

Coadestone 1
culture concept
Não só ela tocou seu negócio, como desenvolveu processos e produtos, criou demanda e mercado. Mulherão virada no jirayia!
Lion Better
culture concept
leão de Westminster bridge feito de Coadstone perfeito e lindo e majestoso até hoje
Leia sobre ela aqui. Mas Pauline não é Eleanor, ela foi a inspiração porque eu acredito que o que nós, mulheres, somos hoje uma evolução do que elas construíram. 
Na Rússia, década de 1810, cerca de 15% das fábricas de papel, tecidos, utensílios de metal, vidro e refinarias eram de propriedade feminina. fonte
Com a expansão do mercado têxtil, nas fábricas o trabalho feminino era cada vez mais requisitado (infantil também, infelizmente) como vimos em North&South, e dentre as trabalhadoras haviam as líderes sindicais (proto) e as chefes.
As escritoras e poetisas que fizeram carreira assinando seus nomes depois de Austen (que por muito tempo usou 'a lady') como as Bronte, Shelley, etc.
Image result for Portrait of Victoria & Albert - 1853
1st art gallery
O papel feminino mudava tanto no dia-a-dia Vitoriano quanto o social, eram tempos difíceis, havia fome e pobreza, necessidade de procurar emprego e bons serviços à disposição não só de homens. Da mulher cuidadora do lar e filhos para a auxiliar na manutenção do básico para sobrevivência, lutadora. Era um recambiamento familiar que por vezes, tornava-se conflitante. Na série, como tenho pessoas de todo tipo e origem, veremos amostras de como essas revoluções afetavam ricos e pobres. Por vezes eram evoluções e por vezes, involuções.
Andamos para frente e para trás no mundo, é um círculo vicioso.
Nas palavras de Lucy Stone, famosa feminista e abolicionista do século XIX (olha o spoiler de para onde estou levando os Devon...):


'Eu era uma mulher antes de ser abolicionista. 
Eu devo falar pelas mulheres.'

Lucy Stone, 1860s
thought co.
Assim falo quando começo a série de Romances HISTÓRICOS (ou seriam ROMANCES históricos ?) com certa ênfase no papel da mulher relativamente independente. Pauline tem vida própria, não depende do irmão solteiro como Jane e Cassandra Austen dependeram décadas antes uma vez que ficaram órfãs, mas aos olhos da sociedade, Srta. Pauline Hopkin é somente uma solteirona. Linda, educada, casta. Nada mais. Uma coisa digna de admiração e pena.
Ainda de Lucy Stone, que mesmo depois de casada, manteve seu sobrenome de solteira:


'Eu não sei o que você acredita de Deus, mas eu acredito que Ele deu anseios a serem preenchidos, e que Ele não quis dizer que todo o nosso tempo deveria ser dedicado a alimentar e vestir o corpo.'

Ao abrir o livro 2, as escolhas de Pauline ainda são questionadas por parentes - e muito. E um personagem principal muito calmamente diz: 'Como sabe que ela não quis seguir novos caminhos na vida?'

Bem, deixemos que ela fale por si mesma, certo?


 

Leia mais sobre a série aqui
e sobre o nome Devon aqui.
bj