domingo, 21 de junho de 2015

The Prince of Pemberley - Book 2 - Chapter 4

Hello,  

This week we've reached 100k views! Wow!


I'm planning a new header, some new feats... Will update this blog soon.

Till then, this Darcy and Lizzy are not on their best terms...

As always, if you haven't already, read the story's front page before diving in. Tks.



pride and prejudice fanfic


BOOK 2
LOVERS

Previous chapter

CHAPTER 4


Stiff upper lip



Saturday, nine in the morning and the silence in his floor at the Manchester’s company building was killing Darcy. He wanted to have people around, to find problems that needed solutions, to make money or plan new ventures. Anything would help distract him from the resentment in his chest.

Obviously, he had been a victim of self-deception and now his anger was fueling his passion more than Elizabeth’s instigating presence ever did. She ran away without a note, a phone call or a text message; his Lizzy had simply disappeared after he admitted he loved her.

Darcy was emotionally drained but couldn’t shut down completely as usual because things didn’t make sense. It was not like her to neglect his contacts. He didn’t know where she was, if she was at home or still in Paris; sick or just escaping him. Of course, she said she was having problems dealing with what she felt for him but he was there to help her through it. Elizabeth criticized him for doing so countless times and she was the one to flee leaving him in the loop.

Elizabeth was even better for him in person than on paper, it was a shame they didn’t meet earlier in life. Were all marriages the same? Would he be as unhappy with her as he was with Anne? He doubted. She was his best friend who enjoyed talking to him, laughed at his jokes, respected his opinions as much as he did hers; she ‘fought in his side’. She brought out the best in him; she had encouraged him to be a better father and even a better husband. How could he understand why she created a storm instead of working with him to calm it?

She was merely confused; his Lizzy would never want to hurt him that bad on purpose.

Darcy’s emotional turmoil was fogging his vision; he was desperately trying to protect himself as well as he could. Elizabeth was wounded around his everyday life in the smallest details: his new haircut, his exercising and dieting, even his passwords. Not to mention the only employee he found wandering the empty hallways that morning.

‘Gardiner.’ Darcy barked in his foulest mood.

The boy jumped almost spilling his hot tea cup, for the first time experiencing the boss’ famous bad temper days. ‘Good morning, Mr. Darcy.’

‘Are you the only one here?’ Darcy frowned and checked his watch. ‘It’s been three hours since I summoned everyone in this floor.’

‘It’s Saturday, sir.’ Ana Gardiner’s son answered. ‘Not everyone checks their e-mails at six in the morning.’
‘But you did.’ Darcy squinted his slanted eyes menacingly.

‘I had nothing better to do.’ The boy shrugged.

“Neither had I since I’ve been dumped.” Darcy thought. ‘I need to back up my personal files. Come with me, Gardiner.’

He had been delaying this boring task for weeks, but it was already something to take his mind from his personal hell.

Half an hour into it, Darcy remembered who the young man was. ‘Gardiner, your mother and I have a friend in common.’ Darcy said cautiously looking across from his desk to the boy who nodded without taking his eyes from his laptop.

‘Bennett.’ He said. ‘I mean, Lizzy Bennett.’

‘Yes. She was your mother’s high school friend, right?’ Darcy asked.

‘More than that, sir. They were neighbors during childhood and most of their teenage years. They lost contact only when my mother moved to Europe.’ Weston raised his head. ‘She is very sweet, even invited me to be her online friend.’ Darcy frowned so deeply that the boy squirmed in his chair. ‘Social networks?’ He asked. ‘We share photos and links… She poached me from my mother’s site… Here, let me show you.’ Weston took his phone from his pocket and loaded his personal profile to find Elizabeth’s page, then extended the device to Darcy.

There she was, smiling with her children, in Paris, in London, their early breakfast on the day they spent the whole night together, her pets… the world he had been dumped from.

‘Is she on line?’ Darcy handed the phone back.

Weston frowned and fidgeted with his phone for a few seconds. ‘No.’ He shook his head. ‘Last activity was yesterday afternoon when she was tagged by someone else. Here.’ He showed Darcy a photo of Elizabeth and Charlotte holding champagne cocktails.

fashion addicted foodies
‘#happyHour with #bestFriend @ElizabethWick before #shopping #Paris #familyParty #PhDOnTheMove.’

To a stranger, Elizabeth was smiling but to Darcy, she seemed tense and unhappy.

‘Anything else?’ Darcy tried to be inconspicuous but was glad for the welcomed and unexpected clue.

Gardiner’s son checked every social network he knew his mother had assuming Elizabeth would have as well, but there had been no activity. They heard noise down the hall and Darcy rose to bark orders making everyone work as hard as possible, accosted his directors and vice-presidents as they arrived in jeans and t-shirts demanding reports for that same day, driving everyone into an unnecessary frenzy that matched his inner turmoil.

When Hurst arrived, Darcy asked about the Gardiner boy who was still working in his office. His head of security said the boy was clean, only son of a single mother; bastard child from a father married to someone else, currently without a partner although he occasionally dated other single men his age. ‘The boy is a computer genius who was wasted down at tech, good you found him. He’s safe and loyal.’ Hurst said and Darcy nodded.

He returned to his office and closed the door behind him making the boy jump again. ‘Gardiner, I want to find Lizzy. Hack what you need to, but find her.’ Darcy said seating down on the sofa.

The boy twisted in his chair to look at Darcy and frowned. ‘Excuse me, sir?’

‘Elizabeth Bennett Wickham.’ Darcy said clasping his fingers as he leaned his elbows on his knees. ‘Find her.’

‘I know who she is, but-‘ Weston started saying.

‘She was supposed to meet me for dinner, but she… had a problem.’ Darcy lied. ‘I called her, but she didn’t answer.’

Weston nodded.

Darcy squinted. ‘You do realize this is strictly confidential and if someone finds out I asked you this, I’ll sue your ass even before firing you.’

‘Yes, of course. I signed a non-disclosure agreement when I was promoted to your personal staff.’ The boy stammered.

Without wasting time, Darcy grabbed the best chance he had to make contact with Elizabeth. ‘Her e-mail is sieved by our server. We also provide her with network security for on line transactions.’ Darcy said. ‘It shouldn’t be a problem for you.’

‘If I had her passwords, it would be easy peasy…’ Weston said unsure if he should be happy to be credited this task by the big boss himself or suspicious of this unusual request to spy on someone who was so kind to him and his mother. ‘I don’t have clearance to access this kind of data, sir. I could hack but it’s against the company’s policy.’

‘Call Hurst and pass him to me, he will clear you.’ Darcy pointed at the phone in his desk. ‘And try King87 as her password. Maybe Prince87.’

All Weston Gardiner could do at that moment was comply and followed Elizabeth’s cyber footsteps. He found out she didn’t use her e-mail accounts since last Thursday, didn’t use her credit card or uploaded anything on her social network profiles. He was loath to lose this chance of making himself useful to the boss and even after Darcy sent him off his office so he could talk in private with his vice-presidents, Weston continued to dutifully spy on Elizabeth.

He called his mother asking her to call Elizabeth and say he had sent her a message – what was not a potential lie. He had in fact tried to contact her fearing she was only avoiding the boss. His mother told him they had talked on the phone earlier that week and that Elizabeth was sorry for not being able to meet this time, but that she could try and contact her friend anyway. That lighted an idea and Weston decided to search airline websites.

Some hacking here, some snooping there, the help of an ex-lover who had experience in finding impossible answers and there it was: by the end of the afternoon, he had something to report. Weston jumped from his desk and ran to Darcy’s office.

Even though his secretary protested, Weston knocked on the door and opened without waiting for an invitation.

‘What is it?’ Darcy barked from his desk where two other hotshots were showing him a big stack of documents.

‘Sir?...’ Weston stammered. ‘I, well, sir…’ He considered if he had been too forward. ‘It’s about your backup, sir…’

‘I told him not to interrupt you, Mr. Darcy.’ Mrs. Clavis said arriving behind the boy and reached for the doorknob still in Weston’ hand.

Darcy felt a sparkle of hope by the look on the boy’s face. ‘Let him in.’ He barked and pointed at the far sofa in his office. ‘I’ll be right back.’ He said to the other men in his desk, raised and walked to the sofa where he took a seat pointing the one in front for Weston. They both leaned in to speak in rushed tones.

‘Lizzy landed safely in Rio de Janeiro a few hours ago, sir.’ He said triumphantly. ‘She took a flight that left Paris Friday evening, had a layoff in Spain and then directly to Brazil. I believe it was a last minute booking, but her name was in the flight’s manifest. She may be at home, do you want her number?’ He asked. ‘Should a make the call?’

Darcy shook his head still with his eyes closed. When he heard ‘landed safely in Rio’ he closed his eyes and cursed low in his throat in a mix of relief and anger. She had really fled! ‘Thank you, Gardiner. Well done.’ Darcy rose and patted the boy’s shoulder. ‘You can go now.’

Darcy returned to his documents discussing business mechanically while his head refused to wrap around the idea that she deliberately left him. He had her home number and could call her whenever he wanted but she didn’t want to talk to him or else she would have answered his calls and texts.

That night sleep evaded him and in the morning, he sent her a heartfelt e-mail before going to work. Sunday was as good a day at the office as any other, he thought. However, unlike Saturday, he didn’t summon anyone and worked alone with clenched teeth and fire in his chest.

logical idoc
Monday, Darcy had a few important meetings outside the office where he only arrived after lunch. Once there, amongst many messages, his secretary said Weston insisted on talking to him. He considered not calling the boy at first, then telling the boy to forget about Lizzy but finally, two hours later, his curiosity won.

‘Sir, her sister Jane posted a picture of Lizzy this morning.’ He said and extended his phone for Darcy to see it. Elizabeth smiling with Jane and the three children at the beach, the subtitles said it had happened that Sunday.

What made him furious again was that she had a normal day while he dwelled on her absence, and that fueled his resolve. ‘Gardiner, put me in tonight’s flight to Rio.’ He said already thinking which business needed his urgent approval before he left. ‘Text me the address of the best toy store on the way to the airport.’

‘Yes, sir.’ Weston said and left Darcy’s office in a hurry.

As Darcy boarded the first class on his way to Rio five hours later, his phone buzzed and irrationally he hoped it was Elizabeth; but it was Weston.

‘Sir, tomorrow is a holiday in Rio. Wednesday, however, there will be a public auction for the biggest oil field in the area. Have a safe flight.’

Darcy decided that he indeed liked the Gardiner boy and that he deserved to be his personal assistant. That kind of help made his life a lot easier.

---
This story's release is close... Check the book's page for info.




“… It started out with a kiss, how did it end up like this?

It was only a kiss, it was only a kiss… “

Mr. Brightside – The Killers


quinta-feira, 18 de junho de 2015

Trailer para 45 dias na Europa com Sr. Darcy

Olá,

seguindo os conselhos da minha querida Beta Lu, fiz um trailer caseiro para o lançamento de '45 dias na Europa com Sr. Darcy'

Ainda está em versão beta, falta a capa que ainda não fechei com minha querida amiga designer Cris, mas já dá para sentir um gostinho...


domingo, 14 de junho de 2015

45 dias na Europa com Sr. Darcy comemorando o dia dos Namorados

olá!
Tenho dito sem parar na minha fan page que estou com quase tudo pronto para lançar o '45 dias na Europa com Sr. Darcy', meu terceiro livro - primeiro em Português. Estou muito animada, escolhendo capa e terminando a revisão da revisão.

Pensei em postar o primeiro capítulo em comemoração aos Namorados mostrando como nasce uma linda estória de amor. Tecnicamente hoje ainda é tempo de comemoração - domingo logo após a sexta Dia dos Namorados. 

conversando com minhas betas - algumas foram contra, outras a favor - concordamos em postar o primeiro e um pedacinho do segundo...

Vamos lá?

45 dias na Europa com Sr. Darcy

Moira Bianchi
Versão draft. A autora dá-se ao direito de modificar e revisar partes ou o todo antes do lançamento oficial da obra. Adaptação moderna de Orgulho e Preconceito de Jane Austen, fatos e personagens fictícios.




-----------

Capítulo 1

------------

‘Como foi seu fim de semana, Sr. Bingley?’ Geralmente desconfortável e ansioso perto de mauricinhos, William Collins forçava-se a ser atencioso com esses dois. Charles Bingley era amigo de Fitzwilliam Darcy e este era sobrinho de sua chefe e orientadora no Mestrado, Catherine de Bourgh. Uma performance obsequiosa era mais um tijolinho na estrada dourada que o levaria a seu objetivo maior.

‘Collins!’ Bingley exclamou, a princípio surpreendido pela inesperada proximidade do funcionário do Rosier, cumprimentou-o com um tapinha nas costas. ‘Foi fantástico!’ Ele riu alto chamando a atenção das outras pessoas no refinado saguão do Rosier D’Amsterdam Hotel.  ‘Tivemos companhia da maior qualidade.’ Ele sorriu de orelha a orelha.

Charles Bingley poderia ser modelo de anúncio de pasta de dentes, não só pelo seu sorriso largo, mas por sua ótima aparência. Um jovem bonito, vinte e poucos anos, cabelo castanho claro que era meticulosamente mantido desalinhado no estilo bed hair, amável e muito educado. Bingley era o tipo de cara que era bem vindo em qualquer grupo.

Ao contrário do seu brother “Will Darcy” que, entretido com seu smartfone, levantou os olhos da pequenina tela para dar um pequeno riso de desdém.

Igualmente bonito, Fitzwilliam Darcy era um homem de poucas palavras. Vinte e mais anos, cabelo escuro, corpo em forma e torneado, olhos castanhos-mel; ele se arrumava de forma impecável raramente se rendendo a modismos e sempre seguindo o estilo mauricinho rico que o identificava. O horroroso sobrenome de sua mãe herdado como nome de batismo, “Fitzwilliam”, raramente era utilizado; Darcy era conhecido como “Will”. Muito alto e esbelto, postura perfeita devida à sua predileção por natação, ele poderia ser tachado de enfadonho não fosse sua atual situação. Órfão e herdeiro de uma considerável fortuna, sua única chance de curtir a vida livremente era nesse momento: recém-formado e decidido a aproveitar seus vinte anos, ele fugia de toda e qualquer responsabilidade.

Bingley riu. ‘Admite, Darce! Foi um ótimo fim de semana, os melhores dias em Amsterdam que eu já tive!’

‘Isso é fabuloso, Sr. Bingley!’ Collins tinha uma visão clara do seu futuro. Ele terminaria o Mestrado com mérito e Lady Catherine o premiaria com a tão sonhada promoção a gerente sênior, dando-lhe a responsabilidade de inaugurar os famosos Hotéis Rosier no promissor Brasil. Ele seria o regente de um sucesso absoluto, as unidades Brasileiras do Hotel honrariam a fama da rede e, por conseguinte, ele seria um famoso businessman. Já estava tudo alinhavado (em sua cabeça) e então ele precisava ser muito atencioso com o amigo do sobrinho de sua chefe. Na verdade, o amigo simpático era o único meio que Collins tinha para se aproximar do esnobe e arisco Will Darcy que também era herdeiro do grupo. ‘Fico muito contente em saber que sua estadia no Rosier D’Amsterdam esteja sendo deveras aprazível. Tenho trabalhado com afinco em algumas melhorias-‘

‘Não tem nada a ver com o hotel, Collins.’ Darcy disse, olhos atentos à tela do seu telefone.

imgfave
‘Perdão, senhor?’ Collins perguntou confuso.

‘Ele conheceu outro anjo.’ Darcy tripudiou da animação do amigo.

‘E não fui só eu!...’ Bingley implicou num sorriso.

Finalmente Darcy desviou a atenção do seu celular. ‘Certo...’ Ele franziu as sobrancelhas. ‘Mas eu não acho que Caroline vai gostar de saber que você está falando pelas costas.’

Bingley riu da resposta juvenil do seu amigo. ‘Qual é, Darce? Todos vimos as fagulhas que você trocou com aquela Brasileira gostosinha... Lizzy.’

‘Você viu o que você quis ver porque acredita estar apaixonado pela outra.’ Darcy respondeu e novamente voltou ao seu celular.

‘Jane...’ Bingley sussurrou sorrindo.

Collins tossiu limpando a garganta. ‘Ah! Alguma semelhança com a Rainha dos Nove Dias? Longos cabelos ruivos, pele alva?...’ Ele sorriu mecanicamente.

Darcy levantou os olhos e deu outra pequena bufada de desdém sacudindo a cabeça.

Bingley franziu a testa como se Collins tivesse falado javanês. ‘Acertou no cabelo longo, cara, mas o resto...’ Como seu amigo, ele sacudiu a cabeça. A lembrança da linda garota lhe fez sorrir e equilibrando-se nos calcanhares, continuou. ‘Ela é uma Brasileira encantadora, cabelos castanho claros, olhar doce, voz suave... Linda! Jane!...’

Collins continuou sorrindo porque Bingley estava sorrindo, era contagiante.

‘A gente encontrou com elas no Sábado e acabamos passando a noite em um bar lá na... Aquela praça que está sempre tão cheia... Aquela cheia de ombrelones e-‘

Leidseplein.’ Darcy resmungou.

Leidseplein!’ Bingley bateu palma enfaticamente. ‘Foi o máximo, as Brasileiras tinham um grupo grande, eles conversam rindo - cara, eles falam muito rápido em Português! E as garotas têm família na Inglaterra, então falam Inglês bem fluente e algumas das pessoas do grupo já moram aqui. Foi ótimo!’

Collins manteve seu sorriso de plástico congelado tentando absorver todos os detalhes enquanto Bingley continuava animadamente falando num golpe só.

‘Daí a gente assistiu o ‘Concertos a céu aberto’ no parque ontem à noite. Nós sentamos em mantas na grama, tomamos cerveja e comemos croquetes. Meu amigo azedo até comeu torta de maçã!’ Bingley deu tapinhas nas costas de Darcy.

‘Eu estava tentando ser gentil.’

Bingley riu. ‘Você estava era tentando flertar, Darce! Bem tosco, por sinal.’ Ele riu mais alto.

‘Cala a boca, Bingley.’ Darcy retrucou assim que seu telefone bipou.

‘Aquelas garotas, as Brasileiras, elas têm uma família enorme e estavam todos no parque... Qual era o nome do parque, Darce?’ Bingley perguntou.

Voldenpark.’ Darcy e Collins falaram juntos, um sem paciência e o outro forçando interesse.

‘Isso. Que lugar bonito... Mas nada se compara a ela, meu anjo. Pele bronzeada, cabelos longos...’ Bingley suspirou.

E Darcy sacudiu a cabeça. Para ele, as coisas tinham sido diferentes do ‘copo meio cheio’ de seu amigo. Foi agradável, mas nem de perto tão maravilhoso. As garotas eram educadas e falavam sua língua bastante bem – quando queriam. Elas eram agradáveis e bonitas. Não, elas eram gatas e quando flertavam sabiam muito bem o que estavam fazendo. Em pequenas doses, talvez...  

‘Brasileiras!...’ Collins sorriu para sua boa sorte. Ele poderia (e até gostaria) fofocar sobre a dolce vita desses playboys mauricinhos, mas tinha que tomar cuidado para não dar um fora; havia muito em jogo. Brasil... Só podia ser um sinal. Ele tinha planos para reinar no país em alguns anos, ele até já tinha uma estagiária Brasileira! ‘Garotas Brasileiras são realmente encantadoras, todos dizem. Digo, eu sei que são. Tenho uma estagiária Brasileira para mim aqui no hotel.’ Ele disse.

Darcy levantou os olhos e uma sobrancelha, Bingley levantou as duas.

Collins corou violentamente. ‘Não!’ Ele disse quase em um grito. ‘Não... Vocês entenderam-‘ Ele gaguejou. ‘Digo, sim mas... Não, senhores. Eu só quis dizer que-‘

‘Collins, pára com essa bobeira de ‘senhor’. Temos quase a mesma idade, cara.’ Bingley sorriu. ‘Mesmo concordando que as garotas Brasileiras são encantadoras, eu não acho que namorar uma estagiária seja correto, sabe?...’ Ele falou em um sorrisinho.

Darcy bufou e retornou ao seu celular.

‘Não senhor – Bingley. Senhor.’ Collins sentiu sua testa molhada de suor, que bobagem ele havia dito! Agora o esnobe playboy ia achar que ele era um safado tarado por estagiárias. E se ele comentasse com a tia? ‘Quero dizer que Charlotte é uma jovem muito inteligente, muito esperta que tem ajudado bastante e-‘

Bingley mostrou as palmas das mãos para Collins. ‘Espera, Charlotte?’

Darcy novamente sacudiu a cabeça. “Cacete, Bingley. Sutil como um hipopótamo.”

‘Sim, senhor.’ Collins disse, testa suarenta e tudo. ‘Bingley.’ Ele se corrigiu. ‘Charlotte Lucas, senhor.’ Ele completou.

‘Charlotte! O mesmo nome de uma das Brasileiras que conhecemos. Não pode ser coincidência!’ Bingley acotovelou o amigo. ‘Ouviu isso, Darce?’

Darcy não se deu ao trabalho de reagir.

‘Ela está aqui, Collins?’ Charles perguntou tão ansiosamente que quase se entregou.

‘Sim!’ Ele disse enfaticamente. ‘Manhã de Segunda-feira toda a minha equipe está trabalhando com afinco e-‘ Collins engrenou seu discurso institucional e por sorte viu a magra, alta e loura Charlotte passar pela portaria carregando alguns fichários e conversando com o Maître do restaurante. ‘Ali está ela.’ Ele respirou aliviado e chamou seu nome, ansiando por uma forma de escapar do constrangimento.

Charlotte parou onde estava, olhou para seu chefe e após gastar mais alguns instantes conversando com o Maître, foi ao encontro de Collins. Ao se aproximar, ela reconheceu os dois caras que colaram nas suas amigas e sorriu tentando achar graça em mais uma coincidência.

‘Bom dia.’ Ela disse num sorriso de lábios fechados. Charlotte era a filha mais velha de um adido consular que carregou sua família ao redor do mundo por anos até ser transferido para o Rio de Janeiro. Pulando de cidade em cidade sem passar tempo suficiente para criar raízes, quando chegou à pequena cidade de Petrópolis no interior do Rio de Janeiro em sua adolescência, Charlotte mal se lembrava de Londres onde havia nascido.  Seus pais tinham feito questão que ela e seus irmãos estudassem em escolas Britânicas pelos três continentes por onde haviam passado e em Petrópolis não foi diferente, mas Charlotte logo descobriu que adoraria ter uma vida carioca e foi isso que solidificou sua amizade com a vizinha Lizzy Bennett que tinha o mesmo desejo.

E era por isso que ela achava uma chatice esses caras colados nelas durante o pouco tempo que Charlotte tinha com sua amiga querida e de quem sentia saudades já que agora ela não morava mais com os pais.  Por pura falta de sorte, seu chefe direto os estava cobrindo de atenções forçando-a a caprichar na simpatia profissional.

‘Charlotte!’ Bingley, em um esforço de cavalheirismo, sorriu trazendo a mão dela aos lábios para um beijo rápido. ‘Que bom te ver! Como vai?’

Ela conteve o riso lembrando-se de Lizzy resmungando ‘Moçoilos formais. Tão agradabilíssimo que me sinto no tempo de vovó mocinha’. ‘Bem, Charles. Tanto quanto há...’ Charlotte checou seu relógio. ‘Cinco horas atrás!’

Ele riu. ‘E você trabalha aqui? Que coincidência!’

‘Sim, lembra do estágio internacional que Lizzy falou?’ Charlotte perguntou. Curiosamente, só então o indiferente Darcy tirou os olhos do telefone em suas mãos.

‘Charlotte.’ Ele meneou a cabeça.

‘Will.’ Ela respondeu no mesmo tom. ‘Ocupado?’ Ela sorriu e apontou para o celular.

Darcy corou discretamente. ‘Sim, desculpe. Negócios de família.’ Não havia nenhuma (boa) desculpa para sua falta de educação em não a cumprimentar assim que ela se aproximou deles, ele simplesmente queria ser um discreto e invisível ouvinte da conversa.

Charlotte assentiu com a cabeça e, muito incomodado, Collins trocou seu peso de um pé para o outro.

‘Huh... Srta. Lucas, Sr. Darcy provavelmente tem negócios importantíssimos a tratar.’ Collins tentou engatar seu discurso rebuscado. ‘Ele é sobrinho da grande Lady Catherine-’

‘Mesmo? Então ele pode também ser meu patrão. O melhor que tenho a fazer é me ocupar! ’ Charlotte fez graça.

‘Absolutamente. ’ Darcy disse como se desculpando. ‘Sou um hóspede como outro qualquer. ’

‘Somos!’ Bingley disse. ‘E você vai trabalhar o dia todo, Charlotte?’

‘Sim. ’ Ela respondeu levantando as sobrancelhas e percebeu Collins ter um espasmo ao seu lado.

‘Quero dizer... Eu pensei... ’ Bingley sorriu sem jeito. ‘Bem... Tentei imaginar o que as charmosas Brasileiras teriam planejado para o dia, se gostariam de companhia...’ Ele coçou o pescoço.

‘Ah... Você quer dizer Jane!’ Charlotte disse em um risinho. ‘E Lizzy.’ Ela esperou para ver se Darcy reagiria ao nome da amiga e o viu endireitar-se. ‘Elas vão passar o dia com a família. Só temos planos para a noite. ’ Ela viu a reação de Bingley mudar de triste para esperançosa em segundos e decidiu jogar mais uma isca para, quem sabe, pegar dois peixes de uma vez. ‘Na verdade, Lizzy está vindo aí. Já, já ela chega para pegar os convites da festa de Sábado. O baile beneficente anual do hotel, sabe? Ela mesma pode te falar dos planos para hoje... ’

Imediatamente Darcy olhou na direção da porta do hotel e corou de novo.

“Na mosca!” Charlotte, em um sorrisinho de lado, pensou vitoriosa. “Viu, Lizzy bobona?”

‘Massa! Quando ela vem?’ Charles quase bateu palmas em seu entusiasmo.

‘Ela acabou de mandar um torpedo dizendo que passaria por aqui no final da corrida.’ Charlotte disse e olhou para o seu próprio celular que estava equilibrado sobre os fichários que ela carregava. ‘Vocês vão ficar por aqui pelo saguão?’

‘Estamos esperando minhas irmãs descerem.’ Charles respondeu.

‘Beleza. Quando ela chegar, eu falo com vocês.’ Charlotte sorriu educadamente, Charles de orelha a orelha, Collins piscou tentando decidir se a amizade de sua estagiária com os playboys era bom para ele e Darcy prendeu os olhos no seu celular.

---

fbclabelle
As diversas nuances de paciência envolvidas no ato de esperar por alguém ou alguma coisa acontecer nunca agradaram Will Darcy. Ele nunca gostou de esperar até a manhã de Natal para abrir os presentes arrumados sob a árvore, ou o Domingo de Páscoa para comer ovos de chocolate, nem a eternidade que uma garota leva para se aprontar. No entanto, por educação, ali estava ele: vinte e três minutos esperando pelas irmãs Bingley. Se é que elas viriam.

Todos haviam esticado a noite anterior e as mulheres provavelmente dormiriam até mais tarde, mas Bingley tinha insistido em convidá-las para passear pela cidade mesmo sabendo que elas precisariam de muitos minutos para se aprontar pela manhã. Pelo menos a espera não foi uma total perda de tempo já que Darcy pôde acalmar sua preocupação fraternal em preciosos minutos online com Georgie e, quem sabe até poderia ver a gata Brasileira de novo. Ela com certeza era atraente - fora de seus padrões, mas atraente.

‘Fora dos padrões’ era o lema dele na atualidade - ao menos Darcy se esforçava para viver a vida bem longe de seus padrões convencionais. Ele tinha vinte e seis e estava determinado a viver livre de regras que o atassem.

Algumas porém eram inevitáveis, como a chatice do Baile beneficente do Rosier em alguns dias. Pelo menos ele poderia tirar vantagem da situação. Will Darcy e Charles Bingley tinham chegado à Amsterdam no início da noite de Sexta para aproveitar o final de semana e o Festival de Música Indie que tomava conta da cidade.

Não que tivessem qualquer outro compromisso. Eles que sempre foram bons filhos, bons alunos, bons irmãos e que já tinham completado suas Pós-graduações, poderiam curtir uma folga - folga essa que já durava um ano e que não tinha previsão de acabar. O problema era o peso morto de Bingley (e que Darcy fazia força para aturar): suas irmãs Caroline e a recém-casada Louisa com seu marido.

Vinte e cinco minutos. Fora dos padrões não era sinônimo de estupidez.

‘Bingley, isso já é demais. Não vou perder meu dia preso em saguão de hotel.’ Darcy resmungou e levantou da confortável poltrona. ‘Vou sair e depois a gente se encontra.’

‘É...’ Charles disse miseravelmente. ‘Acho que tem razão.’ Mas assim que ele se levantou, o elevador abriu e Caroline apareceu trazendo consigo seu perfume tão pronunciado que poderia ser outra pessoa.

‘Bom dia!’ Ela disse.

‘Bom dia.’ Darcy resmungou de volta e vestiu seu casaco.

‘Bom dia, Carol. Estamos há meia hora esperando por você!’ Bingley reclamou e deu-lhe um beijo na bochecha. ‘Quando te liguei você disse que já estava vindo.’

‘E vim!’ Ela sorriu. ‘Vou só tomar uma xícara de chá, comer uma fatia de queijo branco e podemos ir. Rapidinho!’

‘Não se apresse, Caroline.’ Darcy disse franzindo a testa. ‘Me ligue quando finalmente sair, Bingley.’

‘Espera, você vai sem a gente?’ Caroline perguntou surpresa.

Nós estamos saindo sem você, Carol.’ Bingley respondeu por Darcy. ‘Espere por Louisa.’

‘Ela não vem.’ Caroline fez bico.

‘Ela é recém-casada, Carol.’ Bingley prendeu os lábios.

‘Bingley, até mais tarde. Caroline.’ Darcy a cumprimentou com um aceno, decidido a se livrar da inútil conversa entre irmãos.

Caroline se desesperou. ‘Mas Charles, você tem que me esperar. Só estou aqui por sua culpa, você me acordou!’ Ela insistiu.

‘Carol, meia hora-‘

‘Charles!...’

Darcy sacudiu a cabeça, deu um passo na direção da porta e congelou.

‘Darce, podemos esperar mais cinco minutinhos?’ Bingley perguntou.

‘Claro.’ Darcy balbuciou.

‘Caroline já gastou sua paciência?’ Bingley zombou rindo. ‘Ela ainda nem começou a choramingar-‘ Ele olhou para onde os olhos do amigo estavam atentos. ‘Lizzy!’

Elizabeth Bennett estava conversando animadamente com o porteiro do hotel e se surpreendeu quando ouviu seu nome. Os dois olharam para dentro do saguão e apertando os olhos ela precisou de alguns momentos para reconhecer quem a havia chamado. ‘Charles?...’

Mais ou menos uma hora antes, Elizabeth teve que lutar contra sua preguiça deixando sua consciência pesada a convencer a sair para correr. A noite anterior tinha sido regada a cerveja e croquetes fritos que colocavam sua cintura em sério risco, apesar do tanto que ela dançou e se divertiu.

Não que ‘Lizzy’, como era conhecida pela família e amigos, tivesse algum problema com sua silhueta petite. Apesar do corpo feminino aos vinte anos absorver tais ataques com desenvoltura, ela era bastante cuidadosa com seu peso e shape. Sua mãe sempre foi obstinada em manter a forma física e infinitamente repetia seu mantra para as cinco filhas: ‘Uma mocinha deve sempre sair da mesa desejando mais uma garfada.’ Lizzy especialmente ouvia uma ácida variação: ‘Lizzy, pare de comer imediatamente! Você tem os quadris da Vovó Bennett; pare, pare, pare!’

De alguma forma esses comentários sempre a fizeram se sentir culpada por herdar traços da querida avó, mesmo não conseguindo ver-se tão parecida com a mãe de seu pai. Lizzy era meio Brasileira – meio Britânica e sua pele clara era mantida cuidadosamente bronzeada por constante exposição ao sol da praia de Ipanema; cabelos castanho-escuros que por causa de tanto sol e das mechas acobreadas pareciam bem mais claros do que eram; olhos escuros que dançavam quando ela fazia graça de alguém, dava suas famosas espetadas ou perdia a paciência. Também Lizzy tinha dois atributos totalmente Brasileiros: cintura fina e belos glúteos fazendo dela uma perfeita ‘ninfeta’, a bonitinha irresistível. Já sua Vovó Bennett tinha pele claríssima, nariz fino, cabelo claro e absolutamente nenhuma cintura para realçar seus quadris largos.

Com as palavras de sua mãe misturadas à ressaca, Lizzy se arrastou para fora da cama, bagunçou ainda mais sua mala até achar short, camiseta, casaco de corrida – tudo preto- e quaisquer meias que fossem possíveis. Seus tênis de corrida estavam tão encaixados dentro das botas de cano alto que, na tentativa de retirá-los, ela quase acordou sua irmã Jane com quem dividia o quarto. O xingamento foi inevitável e com o esforço, de acocorada ela caiu de costas. “Você vai ter que aprender a fazer malas, Lizzard” ela se advertiu usando o apelido irreverente. A sonolência lhe permitiu ficar feliz com a singeleza de encontrar uma liga de cabelo que ela tinha lembrado de esconder dentro dos tênis. Pelo menos isso estava fácil.

Foram precisos uns quinze minutos no banheiro – pelo menos cinco perdidos cochilando sentada no vaso – até que ela saísse do hotel para correr na manhã de brisa fria. Maio no Rio de Janeiro tinha pelo menos 34°C e praia todo final de semana, já Maio em Amsterdam tinha 8°C, tempo nublado, frio, brisa gelada e dias cinzentos. Mas Lizzy estava adorando cada minuto na Holanda, imensamente orgulhosa de si mesma. Seu blog a tinha trazido, seu querido, antenado, irreverente blog.

Determinada, ela correu do simpático bairro Jordaan até o hotel de luxo onde Charlotte trabalhava seguindo o primeiro canal que encontrou. Era extremamente agradável ver a cidade acordar – não eram nem nove da manhã – as casas-barco que realmente abrigavam famílias, as casinhas geminadas que pareciam saídas de um conto de fadas, as pessoas bonitas... Sim, um lindo cenário para uma boa corrida. Só seria melhor se ela tivesse se lembrado de trazer leggings ao invés de shorts...

Uma hora correndo deixou Lizzy sem fôlego, com fogo nas bochechas e vento nos cabelos que provavelmente pareciam com as cobrinhas de Medusa presas num rabo de cavalo e finalmente ela avistou o majestoso hotel com seu adorável bar na varanda. Gradativamente ela reduziu o ritmo de suas passadas até chegar à porta do hotel se sentindo muito bem, serotonina solta em suas veias potencializando a sensação prazerosa de dever cumprido.

‘Bom dia, senhorita!’ Jamal, o porteiro Sul-africano, disse num impressionante sorriso branco. ‘Os jovens sempre têm pressa...’

‘Oi!’ Lizzy riu. ‘Tudo bem contigo, senhor?’ Era impossível não bater papo com o extremamente amável porteiro que já conhecia Lizzy pois ela já tinha visitado Charlotte no hotel diversas vezes desde que chegou à cidade alguns dias antes.

‘Tudo em cima!’ Ele respondeu. ‘E com a senhorita?’

‘Tudo beleza, mais magrinha espero!’ Os dois riram. ‘Charlotte?’

‘Trabalhando. Acabei de vê-la passar carregando um monte de documentos, poucos minutos atrás. Por favor.’ Ele gesticulou amplamente em direção ao saguão.

‘Ih, não... Eu não poderia entrar no saguão principal assim...’ Lizzy torceu o nariz apontando para sua roupa suada, o casaco grudado no corpo.

Antes que o porteiro pudesse argumentar que ela não estava diferente dos hóspedes que chegavam de uma corrida, eles ouviram alguém chamar o seu nome.

‘Charles?...’ Lizzy franziu a testa. O cara que estava caído pela Jane… E sua entourage intragável. Ela suspirou.

‘Lizzy!’ Bingley levantou os braços sorrindo. ‘Que maravilha!’

“Ele está curtindo com a minha cara?” Ela pensou. E o Darcy Prego estava franzindo a testa para ela... Mais uma vez Lizzy quis mostrar a língua para ele, mas resistiu. Acenando para o porteiro, ela entrou no saguão em passos lentos. ‘Pois é, correndo atrás do estrago daquela cervejada da noite passada...’ Ela disse e prendeu os lábios.

‘Eu sinceramente não vejo onde a cerveja pode estar atrapalhando você, está uma gata!’ Bingley disse espiando as suas pernas torneadas.

Lizzy sorriu. ‘Então… caiu da cama também...’

‘Sim. Darce quer visitar o Van Gogh antes que a manada de turistas tome conta do museu e...’ Bingley deu de ombros.

Darcy corou de raiva. “Cala boca, Bingley.” Ele pensou.

Lizzy concordou com a cabeça pensando que tamanha babaquice só poderia vir dele mesmo e levantou a cabeça para olhar Darcy no rosto. Ele meneou a cabeça como cumprimento e tentou um pequeno sorriso de lado que ela ignorou desviando os olhos para a recepção.

‘Então, eu vim aqui rapidinho só para falar com a Charlotte e já estou de saída. Nem vou atrapalhar seus planos.’ Ela disse procurando uma chance de fugir desses caras. Depois de uma corrida tão agradável, aturar esses pregos era tudo que ela não precisava.

Caroline pigarreou chamando a atenção. ‘Vou tomar café da manhã e encontro vocês em alguns minutos. Eliza.’ Ela disse formalmente e partiu na direção do restaurante do hotel.

‘Charlotte disse que você estava vindo, dá para acreditar que ela trabalha aqui? Que coincidência, bem aqui no hotel da família de Dar-‘ Bingley calou-se ao sentir uma cotovelada em suas costelas. A careta que direcionou a Darcy foi correspondida com um discreto aceno negativo de cabeça.

Elizabeth percebeu a troca entre eles, mas apesar de achar estranho, não teve interesse suficiente para considerar o que significava. Fazendo contato visual com o recepcionista gatinho, ela sorriu e sussurrou perguntando por Charlotte.

Darcy, sempre atento a ela, franziu ainda mais a testa. “O recepcionista? Será que se conhecem?”

Errr, Lizzy...’ Bingley disse bagunçando seu já desalinhado cabelo.

‘Sim?’ Elizabeth respondeu olhando do recepcionista para ele.

‘Jane está com você?’ Ele perguntou.


Elizabeth riu. ‘Jane, correndo? Nunca!’

Sua risada rouca era tão gostosa que Darcy se pegou sorrindo por osmose.
preciosas imagens

‘Jane preferiria ser oferecida em sacrifício a um vulcão do que correr por quinze minutos. Qualquer exercício mais energético que ioga é proibido em Janópolis!’

Bingley riu com Lizzy. ‘E o que as meninas Brasileiras têm planejado para esta manhã de Segunda-feira?’

Os Bennetts tinham planos de passear em família por dois dias visitando as fazendas de flores nos arredores da cidade e apesar de sutilmente excluí-los, Lizzy não conseguiu se livrar de encontrá-los no Keukenhof no dia seguinte, um magnífico programa de índio. Charlotte resgatou a amiga chegando com Caroline que ainda olhava de rabo de olho para Lizzy, seja lá por que. Após mais alguma conversa jogada fora, o grupo de Ingleses partiu e as Brasileiras puderam conversar com privacidade.

‘Ah, Char... Você é tão maléfica! Por que não me disse que esses pregos estavam hospedados aqui?’ Lizzy reclamou. ‘Eu teria pego os convites para o baile outro dia, em qualquer outro lugar que nos encontrássemos...’

‘Eu não sabia também, Bennett. Eles não disseram nada antes... Sabe, tenho quase certeza que você mencionou o nome desse hotel quando conversamos com eles...’ Charlotte disse pensativa. ‘Enfim, descobri uma coisa!’

Elizabeth levantou as sobrancelhas.

‘Darcy, ele é um dos donos disso aqui!’

‘O Prego? Não!... Do Rosier?’

Charlotte assentiu com a cabeça e Elizabeth assoviou.

‘Ricaço. O outro deve ser também.’ Charlotte disse seriamente. ‘E até parece que eles estão grudados na gente!’

Exactaling!’ Elizabeth imitou o gato safado de Alice no País das Maravilhas. ‘Dono! Só daqui ou de todos?’

‘Da rede. Sobrinho da dona.’

‘Lá se vai meu glamour...’ Elizabeth fez bico.

‘Ah, tá!’ Charlotte zombou. ‘Devolve o dinheiro que o hotel investiu no seu blog.’

Elizabeth sacudiu a cabeça enfaticamente em negativa e sorriu.

‘Ele tem participação, na verdade. A tia dele é majoritária.’ Charlotte deu de ombros. ‘Aqui Srta. Reclamona, cinco convites para o baile.’ Charlotte entregou a Lizzy um elegante envelope de papel grosso com um sorriso. ‘Foi tudo que consegui.’

‘Minha mãe vai pirar! Muito obrigadinha, amigucha!’ Lizzy disse e tentou abraçar Charlotte que deu um passo para trás.

‘Suadona!’ Ela disse franzindo o nariz.

‘Foi mal.’ Elizabeth corou discretamente.

‘Eu sei de alguém que ia querer receber um abraço suado vindo de você...’ Charlotte disse em um sugestivo sorriso maroto.

Elizabeth revirou os olhos. ‘Por obséquio, diga-me quem seria. A mulher esnobe que não consegue encontrar coragem para ficar com a Isabella ou o Prego que está sempre com cara de quem chupou limão?’

Charlotte sorriu. ‘Caroline não está de olho em você, oh irresistível Eliza.’

‘Eu odeio isso, é como a tia Philipa me chama... Éca!’ Elizabeth fingiu um calafrio.

‘É mesmo!’ Charlotte riu da amiga. ‘Mas eu estava falando de Will Darcy, e você sabe! Nem vem!’ Ela levantou o dedo indicador para Elizabeth. ‘Nem tenta desmentir. Ele está sempre de olho em você.’


‘Está! Que prego! Sempre procurando alguma coisa errada em mim… Acho que ele está esperando quando vou sacar a cobra que devo carregar no bolso já que sou uma selvagem das florestas Amazônicas. Ooh, uma anaconda!’ Ela deu uma risada maléfica e a amiga a acompanhou. ‘Senhor Naftalina é tão otário, nem desconfia que seja uma lagartixa!’ Ela completou em um risinho.

‘Lizzy, você é de matar! Senti tanto sua falta nesses últimos meses.’ Charlotte disse mas resistiu a abraçar a amiga de adolescência. ‘Você vai me encontrar em Paris quando eu for transferida, certo?’

Calaro!’ Lizzy disse, olhar travesso e brilhante . ‘Já até estou economizando. Noite passada eu deixei o Prego pagar duas cervejas para mim!’

‘Sua mãe não te ensinou nada? Uma mocinha não deve aceitar bebidas de estranhos.’ Charlotte caçoou. ‘Estranho danado de bonito e esnobe.’

‘Minha mãe me ensinou várias coisas. Que cerveja dá barriga, por exemplo!’ Elizabeth disse e elas riram. ‘Também que um estranho danado de bonito é de quem se deve aceitar favores!’

‘E Jane aceitou o que Charles ofereceu?’ Charlotte perguntou levantando uma sobrancelha.

‘Ih, Char, já esqueceu de nós?’ Elizabeth perguntou também levantando uma sobrancelha. ‘Jane não aceitaria nem uma rosa de um estranho no primeiro encontro.’ Ela fez graça. ‘Se é que aquilo foi um encontro! Ela pode vir a aceitar um beijo na próxima vez, se ele for um bom cachorrinho comportado!...’

Elas riram e combinaram os planos para os próximos dias já que Charlotte, no momento morando a quase dez mil quilômetros de distância, tinha que trabalhar e não poderia passar tanto tempo quanto gostaria com as amigas que estavam de férias.


Dá gosto de ver a inteligência
Movendo um corpinho como esse

 


Achando promissor? Essa Lizzy já te conquistou?... Agora vai...


------------

Capítulo 2

------------

Amsterdam


Jovens ricos tendem a se considerar superiores ao que consideram plebe. Jovens ricos Britânicos são ainda mais elitistas. Talvez não tanto quanto os yuppies de Uptown Nova Iorque, mas certamente se consideram acima destes também.

Esse era o caso dos irmãos Darcy e Bingley.

Se o destino fosse um pouco mais caprichoso, os dois irmãos Darcy formariam casais com dois dos três irmãos Bingley, mas esse não era o caso. Inclinações sexuais a parte, eles eram bons amigos que frequentavam os mesmos círculos sociais e dividiam algumas aventuras.

Will Darcy tinha conhecido Charles Bingley quando adolescentes no colégio interno e mesmo com a diferença de idade, a amizade era forte. Bingley foi colocado na turma de Darcy no meio de um ano letivo, e sendo um geniozinho precoce precisou de alguma proteção e muita orientação. Darcy era sério demais para não tomar o fardo para si e talvez tivesse meramente visto no menino prodígio e cabeça oca um contraponto, uma personalidade oposta à sua: um era alegre e animado; o outro taciturno e tímido. Amizades, porém eram parcialmente feitas de tolerância e Bingley por muitas vezes exasperava Darcy. Além de ser alegre demais; Bingley insistia em depender de suas irmãs mais velhas.

reveresehomesickness
Os dois jovens ricos tinham o plano de passar um período sabático explorando os prazeres que o mundo oferecia. Eles já haviam visitado o Camboja, as ilhas Phi Phi, as Pirâmides do Egito e o Muro das Lamentações. Mantendo-se longe das responsabilidades de suas respectivas fortunas, eles se consideravam muito destemidos explorando o mundo pulando de um hotel luxuoso a outro.

Darcy achava que tinha uma boa razão. Ele se sentia traído por seus pais que morreram próximos um do outro deixando filhos muito jovens. Primeiro seu pai faleceu de câncer de pulmão e alguns meses depois sua mãe sofrendo de depressão profunda, teve um ataque cardíaco, provavelmente devido à dor de perder o marido. Darcy foi feito órfão, milionário e com responsabilidade demais nas mãos aos doze anos. Os irmãos de sua mãe, Matlock Fitzwilliam e Catherine Fitzwilliam De Bourgh assumiram tanto os filhos quanto os negócios da família desde então e devido à sua competência Darcy não via necessidade de mudar a situação apesar da insistência de seus tios. O sabático era como um prêmio de consolação antes de aceitar seu destino.

Para ter direito ao sabático foi necessário um acordo e para honrá-lo, ocasionalmente Darcy tinha que fazer presença VIP nos negócios da família, reuniões de conselhos consultivos ou festas como um embaixador de luxo. Agora era a vez de Amsterdam.
Bingley também era órfão, mas ele mal se lembrava de seus pais que haviam falecido em um trágico acidente de carro quando ele tinha nove anos. Para quem sempre dependeu das irmãs mais velhas, acompanhar Darcy em suas aventuras parecia ser um plano bastante bom.

A tarde de Sexta-feira encontrou Darcy com sua entourage no aeroporto de Heathrow.

Com o tempo perdido na pequena diferença de fuso horário, rotina nos aeroportos, trânsito e a cidade cheia de turistas para o final de semana; a primeira noite na Holanda de Darcy, os irmãos Bingley e os recém-casados Hurst permitiu somente um jantar relaxante no luxuoso restaurante do hotel com vista para o canal Prinsengracht.

A fortuna Darcy era investida em diversos segmentos, dentre eles a rede de hotéis de luxo The Rosier de sua tia. Sempre que viajava, ele se hospedava nas ‘suítes da família’ – grandes quartos confortáveis que não eram alugados a não ser que a unidade em questão estivesse em overbooking e, portanto estavam frequentemente disponíveis aos proprietários e acionistas. Os amigos alugavam quartos regulares no mesmo padrão de conforto.

No Sábado, o grupo de Britânicos aproveitou para matar as saudades da adorável Amsterdam.  Logo cedo, uma visita ao Museu Rijks depois ao charmoso Begijnhof, duas paradas obrigatórias. Quando chegou a hora do almoço, Darcy sugeriu um pequeno restaurante que gostava perto do jardim secreto onde estavam, e acabaram por escolher uma mesa ao lado de um alegre e barulhento trio de moças lindas.

As moças abriam mapas e guias de viagem denunciando ser turistas que o grupo de Britânicos rotulou como mochileiras depois que Louisa, a Bingley mais velha, achou ter ouvido-as falar espanhol. Mas assim que os Britânicos pediram suas entradas, o grupo de moças fez um barulho tremendo e as risadas ganharam o reforço de dois homens jovens. Nem dez minutos depois, mais três pessoas se juntaram a elas e quando os Britânicos estavam no meio de seus pratos principais, o grupo já tinha uma dúzia de pessoas.
Risadas de variadas intensidades tomaram conta do pequeno restaurante e de alguma forma a alegria do grupo maior incomodou o menor. Exceto por Bingley que era incapaz de resistir a se unir à alegria de outro ser vivo, especialmente mulheres tão bonitas.‘Eu as ouvi falar do Rio de Janeiro.’ Ele disse.

‘Não ouviu, não.’ Caroline revirou os olhos.

‘Ele ouviu, sim.’ Darcy disse e tomou o último gole da sua cerveja. ‘Eu também ouvi.’

‘Eu disse! E Bahia.’ Bingley sorriu.

‘Eu também.’ Disse John Hurst, o marido gorducho e debochado de Louisa.

‘Charlie, pára com essa bobeira de passar meses perdido no Terceiro Mundo.’ Louisa chamou a atenção do irmão caçula.

‘Por favor!’ Caroline fez coro com a irmã. ‘Dez dias já deve ser suficiente para ver tudo que pode interessar a alguém de bom senso.’

‘Vocês não sabem do que estão falando! Tem tanta coisa para ver na América Latina: Rio de Janeiro, Cataratas do Iguaçu, Patagônia... Como é que chama aquela cidade no Brasil, aquela dos tubarões?...’

‘Recife.’ Darcy resmungou.

‘Isso! Recife.’ Bingley riu. ‘Vi umas fotos de praias tão estonteantes-‘

‘Por que alguém ia querer se enfiar em um avião por dez horas para ver o que temos aqui na Europa?’ Caroline zombou tendo a irmã como cúmplice. ‘Fora o risco de sequestro!’

‘Doze.’ Darcy resmungou de novo e tentou sem sucesso chamar a atenção da garçonete.

‘O quê, Will?’ Caroline perguntou afetadamente.

‘Ele disse que o voo para o Brasil dura doze horas.’ Hurst explicou.

‘Ai, como ele é tão inteligente!...’ Louisa exclamou agarrando o pescoço do marido para um beijo.

‘De qualquer forma, elas disseram Rio de Janeiro e Salvador.’ Bingley balançou a cabeça enfaticamente.

Caroline revirou os olhos mais uma vez.

Darcy levantou a voz para chamar a garçonete, mas o barulho do grupo maior fez seu esforço inútil. Ele levantou a mão no ar no mesmo instante que uma das moças barulhentas também o fez e seus olhos se encontraram. Darcy era um cavalheiro antes de tudo, então levantou as sobrancelhas e gesticulou com a mão dando-lhe a vez. Ela acenou e chamou a garçonete.

Ele precisou de mais uns dez minutos para ter a chance de fazer um pedido e mais outros dez para conseguir uma nova cerveja. A esse ponto, o grupo maior tinha finalmente terminado a infindável divisão de uma única conta, todos tinham pago suas parcelas e estavam se arrumando para ir embora.

Caroline e Louisa reclamaram e debocharam das centenas de fotos tiradas e quando as tradicionais tortas de maçã que elas haviam pedido de sobremesa chegaram, o restaurante estava silencioso.

Mas infelizmente, o lugar parecia mais vazio do que tranquilo.

Uma grande surpresa foi encontrar o mesmo grupo de jovens alegres e barulhentos se divertindo em Leidseplein naquela mesma noite.

É uma verdade universalmente conhecida, tanto quanto temida, que o destino sabe brincar com nossas vidas.

holland dot com
Era uma noite agradável de Maio e todos em Amsterdam haviam feito ‘o esquenta’ nos variados eventos do Festival de música Indie, eventualmente se encontrando na lotada praça para ver e ser visto. Rodeada de bares e boates – algumas com música ao vivo – Leidseplein oferecia um desafio para quem quisesse achar uma mesa.

A única chance do grupo de Britânicos era... ao lado do mesmo grupo que haviam encontrado no almoço. Bingley celebrou a coincidência com palmas de felicidade, suas irmãs fizeram bico, Hurst considerou o tipo de cerveja artesanal que ele pediria e Darcy franziu a testa. O lugar era barulhento demais e ele preferia ter ido ao Pub Inglês no quarteirão seguinte de onde eles teriam vista para a praça.

Instalados na mesa, pedidos de bebidas feitos, eles tentaram bater papo entre si, mas a balbúrdia em volta não deu trégua. Hurst fez algum comentário sobre a qualidade da cerveja Holandesa quase gritando no ouvido de Darcy, fazendo Caroline e Louisa sentadas em frente a eles morrerem de curiosidade. Tão mundana distração deu a Bingley a chance que ele precisava para se aproximar da mesa vizinha.

‘Brasileiros!’ Bingley gritou para sua mesa.

‘O quê?’ Caroline perguntou franzindo a testa. ‘Esse lugar está cheio demais. A gente deveria ter ido para o pub que Will queria.’

‘Eles são Brasileiros!’ Bingley sorriu de orelha a orelha.

‘Quem?’ Hurst perguntou antes de tomar um longo gole da sua caneca de cerveja que já estava quase vazia.

Bingley riu apontando com o polegar para a mesa ao lado. ‘Que coincidência, encontrar com eles duas vezes no mesmo dia!’ Ele disse. ‘E na mesma situação!’

O grupo inteiro se contorceu em um movimento sincronizado para conferir a informação, o que fez metade dos vizinhos imitar o movimento. Um breve constrangimento tomou conta das duas mesas enquanto cinco pessoas fitaram seis pessoas até que uma das bandas de uma das boates fez um solo mais alto e quebrou o encanto.

‘Rio de Janeiro e Bahia, certo?’ Hurst falou. ‘Estou lembrado.’

‘Você falou com eles?’ Horrorizada, Caroline perguntou levantando a voz.

‘Claro! Eles são muito bacanas!’ Bingley respondeu. ‘Alguns moram aqui, outros estão de férias. Na verdade, as três gatas que estavam terminando de almoçar quando chegamos ao restaurante hoje cedo são Charlotte que está morando aqui faz alguns meses, Jane e Lizzy que chegaram do Rio de Janeiro na semana passada para visitar a amiga. Os outros são Isabella e Fred que já moram aqui há dois anos, Adriano-‘

‘Charles, como isso pode ser interessante?’ Caroline perguntou.
Darcy concordou com a cabeça.

‘Ora, eu pensei que... Sem problema, vou apresentar vocês.’ Antes que alguém pudesse protestar, o grupo de Britânicos foi apresentado ao de Brasileiros. Todos eles. Não só os doze da hora do almoço, mas também os amigos dos amigos, tanto Brasileiros quanto Amsterdaneses. As irmãs Bingley perderam o interesse na quarta mulher e apesar de reconhecer sua ótima aparência, não prestaram atenção aos nomes e só contabilizaram as diversas nacionalidades.

Hurst sorriu e meneou a cabeça, Darcy mal moveu os músculos da face mas registrou todos os nomes e nacionalidades. Não que tivesse algum interesse em particular, sua boa memória apenas funcionava assim.

As moças Brasileiras sorriram e acenaram, os mais familiarizados com costumes sociais europeus apenas menearam as cabeças ou levantaram seus copos em cumprimento e o grupos se misturaram. Ou quase.

Darcy praticamente só conversou com Hurst, mas manteve seus olhos no grupo ao lado, incapaz de conter sua curiosidade. As irmãs Bingley se bastavam – quando juntas elas raramente se misturavam a outras pessoas - e seu irmão mais novo conversou animadamente com as Brasileiras sobre as belezas naturais do país e o quanto ele gostaria de visitá-lo.

‘Claro que o Rio de Janeiro continua lindo! Mas o Brasil é muito mais que o Rio.’ Lizzy disse sorrindo. Ela estava debruçada sobre a mesa para falar com Charles que estava sentado ao lado de Jane e em frente a ela. Charlotte estava ao seu lado e os quatro conversaram sobre turismo tanto quanto Lizzy conseguia se destacar da conversa do grupo de amigos.

‘Lizzy é a melhor pessoa para te dar conselhos de viagem, Charles.’ Jane, disse num sorriso doce.

‘O quê?’ Ele gritou de volta.

‘Eu disse-‘ Jane recomeçou.

‘Você vai ter que gritar, Jane!’ Charlotte implicou com o jeito suave de Jane e Lizzy emendou no risinho.

‘Eu disse que você deveria aceitar os conselhos da minha irmã!’ Jane gritou mais perto do rosto de Bingley e corou.

‘Eu deveria?’ Ele perguntou sorrindo para Lizzy.

‘Sim! Ela é especialista!’ Jane disse dando a sua irmã a chance de corar.

Lizzy ficou aliviada que a noite já estava avançada e a pouca iluminação não permitia que percebessem suas bochechas avermelhadas como as de uma criança. ‘Menos, Jane!’

Charlotte e Jane se entreolharam e dividiram um sorriso maroto: Lizzy sabia o que estava por vir.

‘Lizzy, Lizzy, Lizzy!’ Elas começaram a cantarolar e bateram palmas juntas para Bingley e Lizzy ouvirem. Logo o grupo de amigos percebeu a provocação e todos acompanharam a brincadeira. Alguns bateram palmas, alguns bateram as mãos na mesa e todos encorajaram: ‘Lizzy, Lizzy, Lizzy!’

Lizzy corou e corou, tentando conter a vergonha. Mesmo não sendo tímida, ela nunca ficava confortável atraindo a atenção de muitos, especialmente em uma praça lotada no meio de Amsterdam onde este tipo de demonstração esfuziante era exótica. A segunda mais velha de uma família alegre de cinco filhas, uma mãe histriônica e um pai irônico, Elizabeth não estranhava a brincadeira, mas o centro das atenções não era lugar para ela.

‘Shhh!’ Ela gritou com o dedo indicador nos lábios e riu. Todos os olhos estavam neles, os do grupo estendido e os demais da praça. ‘Calem-se, calem-se, calem-se!’

‘Ah Lizzy, não seja boba. Seu blog é demais! Se alguém aqui pode dar dicas de viagem, esse alguém é você.’ Charlotte bicou sua cerveja.

‘Um blog, que massa! Você trabalha com turismo?’ Charles perguntou.

‘Eu estudo turismo.’ Lizzy disse. ‘Faço bacharelado em turismo na faculdade.’

Darcy não estava lado a lado com ela mas ouvia partes da conversa e bufou com desdém. “Quem cursa anos de faculdade para se formar em turista? Hedonismo sem vergonha!” Ele pensou.
Hurst que estava entre Darcy e Charlotte ouviu o desdém e riu baixo. Se por algum acaso o desdém não tivesse sido ouvido, o riso de sarcasmo chamou atenção suficiente.

‘O quê, maridão?’ Louisa perguntou do outro lado da mesa e sorriu em expectativa, mas ele desviou os olhos indicando que era relacionado a Darcy.

 Mantendo-se impassivo, Darcy bebeu de sua cerveja e olhou à frente sem fixar os olhos em nada, como de costume. Para ele, nada de errado havia ocorrido.

‘O quê foi, John?’ Louisa insistiu.

‘Nada.’ Ele respondeu e fez um sinal indiscreto para sua mulher dando-a a entender que contaria mais tarde. Ela riu lascivamente e fez que sim com a cabeça.

‘O quê foi isso, Louisa?’ Caroline perguntou olhando de Lizzy para Hurst para Darcy.

As duas irmãs então viraram face a face para confabular entre elas e Lizzy se sentiu muito desconfortável. Ela tinha quase certeza que o cara alto e bonitão tinha feito algum comentário maldoso depois que ela falou do seu curso na faculdade, mas ela não conseguia pensar qual razão ele poderia ter. Nunca tinham se visto, o que a vida dela poderia significar para ele?

Bingley piscou várias vezes tentando decidir o que fazer. Darcy obviamente desaprovou alguma coisa que a gata falou, sabe-se lá por que, e estava prestes a estragar a noite. Ele tinha que tentar acertar as coisas pois estava se divertindo com essas pessoas tão bacanas e essa Jane era um anjo. ‘Bem...’ Ele balbuciou olhando para Lizzy. ‘Um blog brasileiro? Massa!’

‘É tipo internacional, na verdade.’ Lizzy disse, um pouco contrariada com o que ela viu como complacência.

‘Ela fala várias línguas.’ Charlotte disse sorrindo. ‘Nossa menininha poliglota…’

‘Corta essa, Char.’ Lizzy sacudiu a cabeça.

‘Não entendo por que você não gosta de falar nisso. O blog é um mega sucesso, Charles.’ Charlotte disse.

Jane concordou com a cabeça bebericando sua cerveja.

‘Massa!’ Ele sorriu.

‘Não é que eu não goste de falar nisso, eu gosto. O que não gosto é de gastar onda...’ Como Charlotte revirou os olhos ao que ela disse, Lizzy cutucou a amiga. ‘É um blog sobre turismo, um tipo de ‘The lonely planet’ só que mais individualizado. Eu não quero dar grandes conselhos; eu só curto contar o que fiz e dar minhas opiniões.’

‘É como um diário então?’ Bingley perguntou.

‘Não exatamente-‘ Lizzy começou a explicar, mas novamente ela ouviu alguém bufar desdenhando. Ela debruçou sobre a mesa para olhar diretamente para Darcy, mas ele estava olhando para frente como se não houvesse ninguém ao redor que merecesse sua atenção. Ela apertou os olhos, mas não comentou.

A partir daí ela levantou o tom de voz. ‘‘Wanderlust Lizzard’ tem mais de trinta mil visitas ao mês, Charles, e minha fanpage no Facebook tem vinte mil seguidores. As pessoas gostam do que eu posto sobre viajar por aí, alguns até planejam suas viagens para ir aonde eu já fui!’

‘Verdade?’ Bingley ainda estava sorrindo, agora um pouco ansioso.
‘Ela passa a maior parte do tempo no blog.’ Jane disse sorrindo. ‘A gente tem que implorar para ela nos dar um pouquinho do seu tempo valioso.’

‘Jane!’ Lizzy reclamou. ‘Você sempre me deixa culpada falando isso.’

‘Ela está certa, Lizzy. Quando você entra em blog mode, você viaja. Na real.’ Charlotte concordou.

‘É que sempre tem tanto para fazer, responder perguntas, novos posts e honrar meus anunciantes...’ Lizzy deu de ombros.

‘Anunciantes? Eu já tinha ouvido falar que era possível lucrar com blogs, mas nunca tinha conhecido ninguém que realmente fizesse dinheiro.’ Bingley comentou e tomou um gole da sua cerveja.

‘Não exatamente lucrar... Só é dinheiro suficiente para viajar de vez em quando se eu economizar tudo.’ Lizzy disse.

‘O hotel onde eu trabalho acabou de comprar um banner no blog dela.’ Charlotte sorriu orgulhosa.

Lizzy se virou para Charlotte e a abraçou. ‘Muito obrigadinha, amigucha!’

As três meninas riram certas que o aumento significativo na parca renda mensal de Elizabeth seria gasto inteiramente em viagens.

‘Elas têm feito isso desde que chegamos aqui!’ Jane disse a Charles. ‘Charlotte está trabalhando aqui em Amsterdam; ela ganhou um concurso de estágio internacional da famosa rede Hotéis Rosier há uns meses atrás.’

‘Verdade, o Rosier?’ Charles levantou as sobrancelhas e olhou para Darcy.

‘É, e eles viram o potencial do blog da minha grande amiga. Eu não fiz nada, só apresentei o blog a eles.’ Charlotte disse sorrindo.

‘Muito obrigadinha, amigucha!’ Lizzy repetiu e abraçou a amiga de novo.

Como Bingley continuava a olhar furtivamente para Darcy que franzia a testa como se contrariado, Lizzy acompanhou o movimento suspeito e franziu a testa. “Qual é a babaquice agora?”

‘Charles, seu amigo está bem?’ Lizzy perguntou, um pouquinho alta depois de uma caneca grande de cerveja artesanal.

Ele piscou olhando para Lizzy intrigado.

‘Ele sentou no croquete, coitado?’ Ela perguntou se debruçando na mesa.

Darcy desviou os olhos para ela e congelou corando violentamente. Ela tinha olhos absolutamente encantadores e ele poderia jurar que viu um lampejo de malícia passar no seu olhar eloquente.
...

Com seu jeitinho tão faceira
Fez o povo inteiro cantar...

Ivete Sangalo - Sá Marina




... o segundo capítulo continua ...

 ---
***
---

E aí, curtiu? 
Tá quase...