sexta-feira, 15 de março de 2013

Comemorando no style!

'O Sr. Bingley era um homem belo e distinto. De semblante agradável, os seus modos eram delicados e simples.'... 'O cunhado, o Sr. Hurst, não passava de um homem vulgar, mas o Sr. Darcy, o amigo, logo chamou sobre si as atenções do salão pela sua alta e elegante estatura, os traços formosos e o porte desenvolto, correndo célere, cinco minutos após a sua entrada, o rumor de que ele possuía rendimentos no valor de dez mil libras anuais. Os cavalheiros classificaram-no como um belo tipo de homem, as senhoras declararam ser ele bem mais formoso que o Sr. Bingley, e ele foi longamente admirado, até os seus modos deixarem transparecer um enfado que muito afectou a sua popularidade. A partir desse momento consideraram-no um orgulhoso e pedante, longe de se mostrar divertido, e nem as suas extensas propriedades no Derbyshire o impediram de ter uma expressão sinistra e desagradável ...'


 O seu orgulho - disse a Miss Lucas - não me indigna tanto como qualquer outro o faria, pois ele é, de certo modo, desculpável. Não admira que homem tão belo, de ótima família, rico e com tudo a seu favor tenha um elevado conceito de si próprio. Se é que me posso exprimir assim, ele tem o direito de se sentir orgulhoso.


- Tens toda a razão no que diz - replicou Elizabeth -, e eu seria a primeira a fechar os olhos ao seu orgulho, se ele não tive ,se ferido o meu.





 ‘Entre ele (Bingley) e Darcy existia uma sólida amizade, apesar dos feitios diametralmente opostos. Bingley cativava Darcy pela brandura, franqueza e docilidade do seu caracter, se bem que nenhum houvesse que maior contraste oferecesse com o seu e se bem que com o seu nunca ele visse razão para queixa. Na estima de Darcy tinha Bingley uma confiança inabalável e do seu juízo a mais elevada opinião. Em inteligência, Darcy superava-o. Bingley não era de modo algum deficiente, mas Darcy era esperto. Era simultaneamente arrogante, retraído e difícil de contentar, e os seus modos, apesar de delicados, não atraíam.'




Pois bem, minha querida' - disse ele (Mr Bennet), quando Elizabeth acabou de falar. 'Nada mais tenho para te dizer. Se é esse o caso, ele merece-te. Nunca me poderia separar de ti, minha querida Lizzy, entregando-te a alguém menos digno da tua estima.'




Há um ano e um dia atrás, 14 de março de 2012, eu comecei esse blog sem ter muita certeza de onde estava me metendo.


Agora eu acho que sei onde estou e para onde estou indo, e estou muito mais confiante a ponto de começar mais um processo de publicar outro livro - meu segundo.
 

Esse último ano foi ótimo para o meu hobby - que pode ter tomado FERMENTO demais - aconteceu coisa pácas: Eu consegui coragem suficiente para postar meu romance, escrevi e postei um monte de outras estórias, engoli minha frustração de não nem discípula de Clarice ou Quintana ou Drummond e escrevi em Português, auto-publiquei meu primeiro livrouau, eu estive ocupadíssima!


                E por coincidência - no duro, foi coincidência - meu post de aniversário do blog fala deMr Darcy!


Completando o tripé (sem trocadilhos, pls) que sustenta minha nova estória ‘Imagem e Semelhança’, vamos conversar sobre como eu vejo Sr D. em Orgulho e Preconceito.


Fico pensando que ele é o tipo de cara que os caras gostariam de ser. Um modelo para os outros cavalheiros que o admiravam por vários motivos. As citações de O&P acima dá para perceber como ele é 'lido' na sociedade:  fino, elegante, alto e charmoso, bonito, um homem muito belo, de ótima família, rico, bem relacionado; inteligente, esperto, de modos delicados, educado. Um homem digno.


Ah... talvez seja também a infindável gozação dos meus amigos homens que sempre comentam como esse tal de Sr Darcy é tãããããão perfeito. Como é impossível competir com ele. (é mesmo!)


Mas então, podemos dizer que o Sr Darcy tem várias excelentes qualidades. Savoir-faire. Prudência. Ele ama sua família e sua fazenda, suas raízes. Ele é persistente. Às vezes chato, mas se dedica para alcançar seus objetivos. Não aceita treta de ninguém. Um manda-chuva. Tão certinho e tão certo de suas convicções que não mudaria de opinião por ninguém mesmo que ninguém estivesse de olho nas suas reações. Mas que acaba por mudar de opinião depois que a mulher que ele amava lhe mostrou umas verdades da vida. Isso é danado de bacana.


Eu achei uma lista muito engraçada de homens em quem outros homens deveriam se inspirar.

George Clooney. Toma classe no café da manhã.

Simon Cowell. Nunca - nunquinha - teve uma opinião errada sobre nada.

James Caan. Ele sempre pareceu mais durão que a gente, sempre pareceu que tinha mais razão. E agora que está velho e cansado a gente espera bem lá no fundo que ele ainda seja melhor do que nós somos.

O que quero dizer  é que um homem que outros homens gostariam de ser é frequentemente rodeado de inveja. Inveja pura ou invejinha branca, mas de qualquer forma aquela maldadezinha tipo 'se eu usar os mesmos óculos de sol que aquele ator usa vou parecer com ele'. Infelizmente quase nunca é 'Se eu for um cavalheiro como aquele cara é eu posso conseguir conquistar uma mulher bacana como a dele.' 

Todos nós conhecemos pelo menos um Wickham para entender isso, né?

Da maneira como vejo, Darcy influencia e impressiona os outros personagens do livro não só pela sua fortuna: é sua personalidade fote e decidida.  
Ele é cabeça-dura e até míope algumas vezes. Orgulhoso e inteligente. 

Esses mesmos adjetivos não 'caberiam' 


na Lizzy também?


E à propósito, naquela lista bem humorada de celebridades masculinas para serem admiradas tinha… Martha Stewart. Não engole sapo. Espertíssima. Autoridade em vários assuntos. Vendedora de mão cheia. Vale ouro. Que homem não ia querer ser essa mulher?


Essa é a questão: Quem na vida quer ser pau mandado de alguém?


Celebrando esse meu primeiro aniversário como blogueira eu comecei a postar ‘Image and Likeness’ - uma estória sobre duas mulheres ciumentas que se recusam a engolir sapos.

Por enquanto só em Inglês. A versão em Português será publicada logo.
 



*KISS ME: I’m a one year old blogger!*

Imagens encontradas no Google, citações de Ms Austens em Orgulho e Preconceito, conversinha é minha.
Ah! E o aniversário de um aninho tb é meu